Outubro 15, 2019

Login to your account

Username *
Password *
Remember Me

Create an account

Fields marked with an asterisk (*) are required.
Name *
Username *
Password *
Verify password *
Email *
Verify email *
Captcha *
Reload Captcha

Como abrir uma empresa de energia solar

Introdução

Vai começar a atuar no mercado solar? Que tipo de empresa abrir? 

Dados de diversas fontes apontam para um crescimento muito significativo da energia solar no Brasil. Instituições e veículos de comunicação como ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), estimam investimentos na ordem de bilhões de reais nos próximos anos. Esse crescimento do mercado irá demandar a criação de novas empresas integradoras espalhadas em todo o país. Ok, mas o que devo fazer para abrir uma empresa neste ramo?

Embora algumas questões variem entre os estados, o processo de abertura de empresas é composto por uma série de etapas em comum, obrigatórias para todos. Como em tudo na vida, é sempre aconselhável consultar um profissional competente, neste caso um contador. O nosso objetivo aqui é passar as informações gerais para que as discussões com este profissional sejam mais produtivas e direcionadas.

Primeiramente, é indicado que se monte o plano de negócio, descrevendo os objetivos da empresa e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, sendo um destes a abertura formal de sua empresa. O plano de negócio irá ajudá-lo a definir em quais partes da cadeia de valor a sua empresa irá atuar: comércio, instalação, engenharia ou ainda todas elas. Tendo isso definido, você terá que se enquadrar em uma das modalidades possíveis: Sociedade Limitada (LTDA), Empresa de Responsabilidade Limitada (Eireli), Empresário individual ou ainda ser um Microempreendedor Individual (MEI). Vejamos resumidamente o que são cada uma destas modalidades.

Sociedade Limitada

Para a abertura de uma LTDA é exigida a existência de pelo menos dois sócios desta empresa. Não é exigido um capital social mínimo para se abrir, porém leva-se em consideração que os sócios declarem no mínimo os custos de abertura e custos iniciais de operação até a empresa venha a ter receitas. Um outro ponto importante é que em caso de dívidas, os sócios responderão com seus bens pessoais, dentro da sua parcela na sociedade. Por exemplo: se há dois sócios e cada um deles responde a 50% na sociedade, em caso de dívidas, eles dividirão ao meio a responsabilidade de pagamento.

Empresa de Responsabilidade Limitada (Eireli)

Se você pretende abrir uma empresa sem sócios, poderá optar por uma Eireli. O capital social mínimo exigido para a abertura de uma empresa deste tipo é de 100 salários mínimos. Com relação às dívidas, a principal diferença é que, o patrimônio pessoal do empresário não será usado para o cumprimento das obrigações, os bens pessoais são separados dos bens da empresa.

Empresário individual

Essa modalidade também não exige a presença de sócios para abrir a sua empresa. Com relação ao capital social, valem as mesmas regras para uma LTDA. No caso de dívidas, os bens do empresário serão usados para o pagamento aos credores. Isso vale também para dívidas pessoais, sendo que os bens da empresa podem ser usados para quitá-las.

Microempreendedor Individual (MEI)

Caso você atue com comércio, instalação ou ainda as duas atividades, você pode optar por ser um MEI. Essa modalidade exclui a possibilidade de se trabalhar com Engenharia. Para ser um MEI, o faturamento é limitado a R$ 81.000,00 por ano e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. O MEI irá pagar mensalmente algo em torno de R$ 50,00 à título de impostos (Documento de Arrecadação do Simples Nacional – DAS).

Custos e prazos de abertura

Os custos e prazos irão variar de estado para estado. As taxas de abertura com a junta comercial local devem ficar entre R$ 200,00 e R$ 350,00.  Caso a empresa tenha serviços de Engenharia em suas atividades, tem-se ainda os custos com o registro da empresa junto ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), pagando a taxa de registro de R$ 310,00 e anuidade de R$ 470,00.

Os prazos médios das juntas comerciais ficam entre 15 a 30 dias. Uma vez concluída a abertura com a junta comercia e com o CNPJ emitido, pode-se dar entrada no CREA que tem um prazo de registro de 30 dias.

Regime tributário: simples nacional, lucro real ou lucro presumido

A depender do faturamento da empresa a mesma deverá optar por um destes regimes.  Os impostos de cada atividade irão variar de acordo com o regime tributários no qual a empresa foi enquadrado.

Simples Nacional

Para o simples nacional, a empresa deverá ter um faturamento máximo de até R$ 4.800.000,00 por ano. A ideia do simples nacional é facilitar e simplificar a vida das micro e pequenas empresas. Os impostos são diferenciados, variando de acordo com o faturamento, que é separado em faixas de faturamento, até o limite estabelecido. As empresas enquadradas no simples têm o cumprimento de obrigações trabalhistas e previdenciárias também simplificadas.

Lucro Presumido vs Lucro Real

Optam por estes regimes empresas com previsão de faturamento anual superior a R$ 4,8 milhões. A opção por um ou outro depende de uma análise detalhada. Essa análise deve ser feita junto com o seu contador, levando em consideração fatores como faturamento, despesas, número de funcionários, compra de produtos para revenda e outros mais.

Qual CNAE utilizar?

Por fim deve-se definir a Classificação Nacional de Atividades Econômicas que a empresa irá exercer, os famosos CNAEs. A empresa poderá ter mais de um CNAE, sendo estes os mais comuns entre as empresas que atuam no mercado fotovoltaico:

  • CNAE 4292-8/02 - Obras de montagem industrial
  • CNAE 4321-5/00 - Instalação e manutenção elétrica
  • CNAE 4742-3/00 - Comércio de material e equipamentos elétricos
  • CNAE 7490-1/04 - Atividades de intermediação e agenciamento de serviços e negócios em geral, exceto imobiliários
  • CNAE 7112-0/00 - Serviços de engenharia 

Publicidade:

Seja um parceiro do Canal Solar. Fale conosco:Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

 

Rate this item
(11 votes)
Last modified on Terça, 02 Julho 2019 01:36
Bruno Kikumoto

Engenheiro Eletricista (UDESC), Mestrado em Engenharia Elétrica (UNICAMP). Especialista em gerenciamento de projetos, inspeção e comissionamento de sistemas fotovoltaicos. Mais de 10 anos de experiência na indústria fotovoltaica. Instrutor nos cursos de energia solar na UNICAMP. 

© 2019 Canal Solar | Todos os direitos reservados | Reprodução proibida