21 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,8GW

ANEEL abre consulta pública para discutir regulamentação da Lei 14.300

Agência estima também que o subsídio à GD custará R$ 5,4 bilhões aos consumidores cativos em 2023

Autor: 25 de outubro de 2022Brasil
3 minutos de leitura
ANEEL abre consulta pública para discutir regulamentação da Lei 14.300

Diretoria da ANEEL manifesta preocupação com os repasses aos consumidores cativos. Foto: Lucas Diener / Secom

A ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou, nesta terça-feira (25), a abertura de uma consulta pública para discutir, entre os dias 27 de outubro e 12 de dezembro, a regulamentação da Lei nº 14.300. 

Entre os pontos da consulta, está a alocação dos custos tarifários decorrentes dos chamados “subsídios” aos beneficiários da GD (geração distribuída), incluindo a criação de uma nova cota para a CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), que será paga apenas pelos consumidores cativos. 

Ao todo, a Agência alega que à geração própria de energia custará cerca de R$ 5,4 bilhões em 2023 para os consumidores que não geram a sua própria energia. O pagamento será feito da seguinte forma, segundo a ANEEL:

  • Os consumidores atendidos pelas distribuidoras vão custear, sozinhos, R$ 1,4 bilhão, por meio de um encargo que será incluído explicitamente na tarifa;
  • Os consumidores atendidos pelas distribuidoras e os consumidores livres (que compram energia diretamente do fornecedor) pagarão os R$ 4 bilhões restantes, através de componentes implícitos na tarifa.

Preocupação

Durante a reunião desta terça-feira, os diretores da ANEEL manifestaram preocupação com o repasse que será feito aos consumidores cativos, alegando que – com a abertura do mercado livre de energia – o custo do subsídio à GD vai pesar na tarifa dos consumidores cativos. 

“A forma como a Lei 14.300 foi aprovada, necessariamente aloca para o mercado cativo, que cada vez será menor, pelos incentivos para saída ao mercado livre e para a instalação de geração distribuída”, disse Sandoval Feitosa, diretor-geral da ANEEL. 

Outro lado da moeda

Apesar disso, a Agência – mais uma vez – não levou em consideração em seus números apresentados, os benéficos da GD para todos os consumidores cativos, tais com a diminuição das perdas técnicas e a postergação de investimentos no sistemas interligado.

Um estudo da consultoria especializada Volt Robotics, encomendado pela ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), por exemplo, mostra que o crescimento da geração própria de energia solar vai trazer mais de R$ 86,2 bilhões em benefícios sistêmicos no setor elétrico para o Brasil na próxima década.

Com isso, tais recursos irão baratear a conta de luz de todos os consumidores, inclusive os que não tiverem sistema solar próprio, em 5,6%.

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.