23 de setembro de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,83GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 6,90GW

Carrinho

Microinversores: oferta é grande, mas não são todos iguais

Tecnologia, solução e expertise fazem a diferença

Autor: 7 de junho de 2021Opinião
Microinversores: oferta é grande, mas não são todos iguais

Com o avanço do mercado de energia solar fotovoltaica, muito se fala sobre os microinversores, mas de fato sabemos qual o papel deles dentro de um sistema?

Voltando um pouco na história para entender a origem dos microinversores, encontramos um projeto de Werner Kleinkauf no Instituto de Tecnologia de Energia Eólica e Energia do Instituto Fraunhofer, na Alemanha, ainda na década de 80. 

Kleinkauf baseou seu estudo na moderna tecnologia de fonte de alimentação comutada de alta frequência e foi muito influente, especialmente na Europa. A verdade é que o conceito de microinversores está presente na indústria fotovoltaica desde o início.

Em 1991, a americana Ascension Technology começou a desenvolver um inversor de módulo C.A. Após dois anos, outra empresa, a Mastervolt, lançou no mercado o Sunmaster, primeiro microinversor para ligação à rede elétrica. 

Desde então, a tecnologia só evoluiu e hoje o mercado fotovoltaico conta com diversas marcas de microinversores. Mas será que podemos dizer que os microinversores são todos iguais? 

Diante da minha experiência no mercado de energia solar fotovoltaica no Brasil e ao redor do mundo, posso dizer que não. E explico o motivo.

É muito bom perceber que ao longo dos anos o mercado de microinversores cresceu muito no Brasil, tanto na percepção dos consumidores quanto dos fabricantes. Isso prova que há cinco anos, quando decidimos trabalhar com essa tecnologia de valor agregado, estávamos fazendo a escolha certa. Hoje, essa opção fomenta no mercado a possibilidade de perceber que esse equipamento se diferencia.

Aqui trago um exemplo para ilustrar: quando observamos os microinversores disponíveis no mercado, é perceptível que alguns se destacam. É o caso do modelo QS1A da APsystems, o mais completo de quatro entradas. 

E essa conclusão não diz respeito apenas ao equipamento em si, mas em toda a solução e tecnologia que está relacionada a ele. Ou seja, estamos falando de produto, mas também da estrutura de distribuição no Brasil, suporte técnico local, expertise e representatividade da marca no mercado, entre outros.

Além disso, quando pensamos em microinversores, automaticamente pensamos em seus diferenciais como os que listo a seguir:

  • Produz até 25% a mais de energia do que os sistemas que utilizam metodologias de inversor central/string;
  • Mais segurança: a utilização de microinversores evita que ocorram falhas conhecidas como “arc fault”, uma das principais causas de incêndios nas instalações fotovoltaicas;
  • Fácil instalação: utilização da tecnologia Plug & Play. O circuito em CC é mais simples e com uma tensão menor, minimizando o risco de acidentes e erros;
  • Maior vida útil: pode ser justificada pelo fato dos microinversores operarem em baixa potência.

Diante de tudo isso, podemos concluir que embora o mercado ofereça vários modelos e marcas, os microinversores não são todos iguais. 

Pelo fato da Ecori estar na vanguarda no setor de energia solar fotovoltaica e ter nascido com o DNA de MLPE, desde o início buscou fornecedores, parceiros e as melhores soluções para oferecer aos seus clientes. 

E, não seria diferente quando se trata de microinversores. Fomos buscar a melhor tecnologia, mantemos uma relação próxima com o fabricante, que deposita na Ecori uma grande confiança por estarmos a frente de um mercado tão importante quanto o brasileiro. 

Com isso, seguimos ofertando as melhores soluções, com o trabalho e a confiança de quem tem mais de 25 mil equipamentos instalados e 17 mil sistemas sendo monitorados.

Kits MPLE da Ecori com promoção em Microinversor APsystem e da Canadian Solar
Yoni Ziv

Yoni Ziv

Vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios na Ecori Energia Solar. Expert global no mercado fotovoltaico com mais de 20 anos de experiência internacional. Foi vice-presidente de Vendas Técnicas da SolarEdge, empresa global de equipamentos para energia solar. É engenheiro eletrônico pela Universidade de Tel Aviv, em Israel, onde mora.

Comentar