2 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Solar flutuante deverá ter projetos hibridizados a partir de 2024

Usinas em construção ajudarão o Brasil a atingir 200 MW em dois anos e a abrir espaço para evolução da tecnologia

Autor: 25 de outubro de 2022Brasil
3 minutos de leitura

Se tudo der certo, o Brasil deverá atingir a marca de 200 MW de geração solar flutuante implantados na modalidade de GD (geração distribuída) até 2024, com a possibilidade de se aplicar a hibridização da tecnologia junto às hidrelétricas.

Pelo menos, essa é a expectativa de Luiz Piauhylino Filho, sócio-diretor da Sunlution, empresa especializada na elaboração e na aplicação de projetos de geração de energia solar flutuante.

De acordo com o executivo, o mercado solar flutuante no Brasil ganhou força em 2022, com a inauguração de plantas de pequeno porte e com a expectativa da entrada em operação de usinas ainda maiores entre o final deste ano e o começo de 2023.

“O mercado finalmente está amadurecendo e pode tomar um corpo de volume bastante interessante com a consolidação desses 200 MW na modalidade de GD e o início da hibridização da tecnologia”, afirmou.

A Sunlution, por exemplo, é uma das empresas que têm investido no mercado brasileiro, prometendo inaugurar aquilo que seria o maior projeto de energia solar flutuante do país, na Represa Billings, em  São Paulo.

“Começamos a instalação dos primeiros 5 MWp dos 60 MWp na Represa Billings em São Paulo. Nesta primeira etapa, serão usados algo perto de 60 hectares de lâmina d ‘água só para o nosso projeto, onde vamos instalar mais de 107 mil painéis de 665 W. Os flutuadores estão sendo produzidos no Estado de São Paulo usando a tecnologia da empresa francesa Ciel et Terre”, explica Piauhylino Filho.

Na semana passada, o Canal Solar mostrou que novas usinas flutuantes também serão construídas nos estados de Minas Gerais e Pernambuco, no município de Grão Mogol e na Ilha de Fernando de Noronha, respectivamente.

Desafios para hibridização

De acordo com Piauhylino Filho, o grande dificultador para que os projetos hibridizados de energia solar flutuante aconteçam hoje no país é a limitação com relação ao preço dos flutuadores (estruturas que suportam os módulos fotovoltaicos sobre a água).

“Projetos que envolvem usinas solares flutuantes em GD variam de 10 MW a 50 MW mais ou menos. Na hibridização, por sua vez, estamos falando de projetos que podem ultrapassar 1 GW”, ressaltou.

Ou seja, segundo ele, projetos muito mais robustos e que demandam muito investimento, sobretudo na compra de mais flutuadores. “Eu vejo esse mercado acontecendo daqui há dois anos, provavelmente, em 2024”, comentou.

“Atualmente, o CAPEX de 1 MW de uma usina de solo está em torno de R$ 4,2 mil a R$ 4,5 mil. Já 1 MW de flutuador instalado está em torno de 15% à 20% mais. Uma coisa é construir um projeto para 1 ou 2 MW, outra coisa é produzir para 500 MW ou até mesmo 1 GW”, frisou.

Por isso, Piauhylino Filho explica que a hibridização, otimizando a infraestrutura já existente, mitigando novos impactos ambientais e a produção em escala, torna a tecnologia dos flutuadores mais competitiva no mercado, com soluções que possibilitariam aplicar as usinas solares flutuantes nos reservatórios já existentes.

“A tendência é que o valor dos flutuadores caia nos próximos anos com o avanço tecnológico. A tecnologia está evoluindo e, dentro de um ano e meio provavelmente, vai ter uma nova série de flutuadores mais baratos e melhores”, finalizou o executivo.

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.