7 de março de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,28 GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 4,90 GW

UFMG mira projeto solar para economizar na conta de luz

Segundo a universidade, o programa será viabilizado com investimentos de R$ 21 milhões

Autor: 18 de janeiro de 2021Brasil
UFMG mira projeto solar para economizar na conta de luz

Cada vez mais instituições de ensino estão apostando no mercado de energia solar. A UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) divulgou que está implementando neste mês a sua própria minirrede de energias alternativas.

Segundo a universidade, o projeto vai gerar aproximadamente 15% da potência necessária para abastecer o campus Pampulha e, associada à migração para o mercado livre de energia, deverá reduzir em até 50% os gastos com a conta de luz.

Denominado Oásis, o programa será viabilizado com investimentos de R$ 21 milhões, que incluem recursos do MEC (Ministério da Educação). A expectativa é que o payback seja de três anos.

Segundo o professor Braz de Jesus Cardoso Filho, coordenador do projeto, essa é uma tendência internacional que, vinculada à própria minirrede de energia – composta de três usinas fotovoltaicas de 500 kWp e microturbinas a gás para geração de energia térmica e elétrica – vai possibilitar economia de R$ 10 milhões por ano.

“Mais que um ganho econômico, essa iniciativa traz retorno também para a inovação no ensino e na pesquisa. Tudo que está sendo proposto é embasado por estudos e certamente vai gerar mais pesquisas”, afirmou Maurício Freire, pró-reitor de Planejamento.

“Esse modelo pode servir de referência para outras instituições brasileiras. Baseado na inovação e na sustentabilidade, ele pode até mesmo viabilizar a expansão da universidade”, acrescentou Alessandro Fernandes Moreira, vice-reitor da UFMG, que supervisiona as ações da Comissão Permanente de Eficiência Energética.

Outro ponto ressaltado do Oásis, na avaliação de Ricardo Hallal Fakury, pró-reitor de Administração, está associado ao aprimoramento das regulamentações nos campos da geração distribuída e das minirredes de energia no âmbito da Cemig e da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

“A migração do ACR (Ambiente de Contratação Regulada) para o de ACL (Ambiente de Contratação Livre) e a implementação da minirrede de geração própria são ações que proporcionarão resultados imediatos e de longo prazo”, disse Fakury.

“No entanto, tudo isso deverá ser consolidado simultaneamente com o consumo responsável. Será deflagrada uma campanha de conscientização da comunidade universitária relacionada à separação das cargas críticas – que supre equipamentos que precisam funcionar ininterruptamente e desativa os que podem ser desligados, especialmente das 17h às 20h, quando a tarifa de energia é quase cinco vezes superior à padrão. Também será dada continuidade à troca das lâmpadas fluorescentes por lâmpadas led, mais econômicas”, concluiu.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Experiência como produtor, repórter e apresentador em diferentes veículos de comunicação: mídia impressa, online e televisiva.

Comentar