14 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,1GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,4GW

A nova revolução solar está chegando: esperar ou agir?

O Brasil tem potencial para desenvolver projetos de armazenamento

Autor: 1 de novembro de 2023abril 1st, 2024Opinião
4 minutos de leitura
A nova revolução solar está chegando: esperar ou agir?

Sistema híbrido com geração solar e sistema de armazenamento de energia de grande porte. Foto por Eos Energy Storage/Reprodução

Participando de quatro feiras internacionais – Intersolar México 2022, Solar and Storage México 2023, Intersolar Europe 2023 e Intersolar South Brazil 20233 – posso afirmar que uma nova revolução está se aproximando no Brasil.

Quando falamos em revolução, entendemos que se trata de mudanças, que podem ocorrer em ritmo variado, dependendo do ambiente em que ocorrem.

Como já sabemos, muitos países avançaram para um mercado maduro em relação à energia solar, passando de expansão para consolidação.

Há anos, eles abraçaram a necessidade de armazenamento de energia, iniciando um novo modelo de negócios e direcionando seus sistemas para sistemas híbridos com baterias em projetos residenciais, comerciais e industriais, ampliando o ecossistema de energia.

E quanto ao Brasil? Após a Intersolar South America 2023, fica claro que o Brasil e a América Latina tornaram-se foco dos fabricantes mundiais de sistemas de armazenamento.

Várias marcas, tanto de baterias quanto de inversores híbridos, apresentaram seus equipamentos, não deixando nada a desejar em relação ao que foi exibido nas feiras internacionais da Alemanha e México. Portanto, reforço a ideia de que a nova revolução solar está chegando ao Brasil.

A questão é: estamos preparados para agir? Ou estamos apenas esperando que as coisas aconteçam para tomar ações mais efetivas e acompanhar países que já estão avançados nessa área de crescimento?

Frequentemente ouço: “Não há demanda para inversores híbridos” ou “As baterias são caras”. Mas raramente ouço: “Vamos estudar por onde começar e como desenvolver essa área”.

Acredito que o Brasil tem grande potencial para desenvolver projetos de armazenamento e se tornar uma área valiosa para instaladores e distribuidores. Mas o que falta para mudar o cenário da energia solar no Brasil?

Primeiramente, acredito que o setor está se tornando cada vez mais seletivo em termos de conhecimento. Aqueles que pensam que oferecer apenas preços baixos é suficiente em breve podem não ter mais espaço no mercado. Isso ocorre porque preços baixos podem se transformar em altos custos no futuro, especialmente em relação a problemas pós-venda.

Aqueles que enfrentaram 2023 com resiliência, buscando compreender as direções a seguir e adotar as melhores práticas na instalação de sistemas solares, estão bem preparados para desempenhar um papel fundamental nesta nova revolução.

Neste novo cenário, a busca pelo conhecimento e a compreensão da tecnologia que oferecemos, juntamente com o desejo de entender as necessidades de nossos clientes no contexto da energia solar, serão fundamentais para alcançar o sucesso nas vendas e posicionar o Brasil como um dos principais players em armazenamento de energia.

Portanto, a espera prolongada pode levar à perda de oportunidades e fazer com que fiquemos para trás na revolução que começou em 2012 e que nos últimos seis anos se tornou uma grande área para se trabalhar.

Devemos olhar para o que outros países fizeram, trazer suas experiências para o Brasil e planejar como adaptar estratégias ao público adequado. Isso fará toda a diferença entre esperar ou lutar.

Para que a nova revolução solar no Brasil esteja alinhada com o que o país merece, devemos começar agora a nos tornar profissionais mais capacitados e focados em oferecer a melhor experiência ao público.

Tenho certeza de que isso não se resume apenas a preços baixos. Acredito que a determinação, o foco e, acima de tudo, a busca constante de conhecimento são o caminho para essa jornada que está apenas começando no Brasil.


As opiniões e informações expressas são de exclusiva responsabilidade do autor e não obrigatoriamente representam a posição oficial do Canal Solar.

Carlos Trotta

Carlos Trotta

Graduado em Ciência da Computação pela UNICAMP. Pós-Graduação em Gestão de Negócios com ênfase em Marketing pela Universidade São Francisco. Especialização em Energia Fotovoltaica pela UNICAMP.

12 comentários

  • Mates Ferreira disse:

    Acredito que as autoridades, principalmente aquelas com técnicos da área deveriam liderar essas discussões, verificando o que é importante para o Brasil hoje e no futuro próximo, pois o uso de baterias em sistemas de geração precisa, acima de tudo de regulamentação.
    Infelizmente com o lento avanço econômico nos últimos 10 anos, a demanda por energia não cresce para forçar grandes avanços e o fato de a matriz elétrica ser mais de 80 por cento renovável também não ajuda.

  • Marcelo Olegário da Costa disse:

    bom primeiro gostaria de parabenizá-los, excelente matéria, concordo plenamente,e aproveitando, gostaria de caso pudessem me indicar um bom curso,pois eu sou representante, na área de material de construção,e gostaria de atuar nessa área poia acredito que é o futuro da energia,no país?

  • Bruno Kovalski disse:

    O setor de energia solar no Brasil está se tornando cada vez mais seletivo em termos de conhecimento. Os instaladores e distribuidores que não se manterem atualizados sobre as últimas tecnologias e tendências podem ter dificuldade em competir no mercado.

  • Ricardo Pedroso disse:

    Ótimo texto, obrigado.

  • Luciano disse:

    bom dia. vamos sempre, ótimas matérias.
    uma sugestão é disponibilizar os artigos em PDF.
    Forte abraço

  • Agrimar Leite De Lima disse:

    obgdo por participar

  • NILSON BERTOTTO disse:

    Um país onde o consumidor tem base de avaliação de menor preço. Baterias e tecnologias híbridos tem sim restrição de comercialização no país. O foco fica sim onde a demanda.

  • Bom dia, primeiramente quero parabenizá-los pelo belo material que vocês vêem desenvolvendo durante essa jornada no setor solar, é muito importante a divulgação do conhecimento, e a qualificação de profissionais através de seus cursos.
    Sou um entusiasta das energias renováveis e estou no mercado e as estudando des de 2006, e venho atuando na área desde 2012 e em 2017 tive os primeiros contatos com os sistemas de armazenamentos de grande porte, primeiramente com as baterias de fluxo de ferro e no ultimo ano com a de hidrogênio-níquel, esse é um mercado promissor e fantástico e finalmente chegamos a um nível impressionante quando falamos de controle da energia, isso possibilitará uma revolução em diversos setores da economia, estou vivenciando isso na pratica, através dos processos que estamos atuando em nossa empresa, o que esta faltando são profissionais e informação de qualidade como a de vocês, para a expansão desse mercado extremamente promissor.
    Obrigado.

  • HERBERT WILLIAM S CAMPOS disse:

    muito boa matéria.

  • EDMILSON ESTEVAM CARRILHO disse:

    Excelente!

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.