29 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

ANEEL simplifica e agiliza a outorga de usinas solares e outras fontes renováveis

A nova norma não se aplica às usinas solares com capacidade instalada igual ou inferior a 5 MW

Autor: 30 de agosto de 2023dezembro 11th, 2023Setor Elétrico
2 minutos de leitura
ANEEL simplifica e agiliza a outorga de usinas solares e outras fontes renováveis

A nova norma trata de novas orientações para interessados em investir em usinas solares e outras fontes renováveis. Foto: Divulgação/ANEEL

A ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) publicou uma nova norma que visa simplificar e agilizar o processo de outorga de autorização para usinas solares e outras fontes renováveis, como eólica, termelétrica e híbrida.

A norma é resultado da análise das contribuições recebidas na Consulta Pública 39/2022, que contou com a participação de diversos agentes do setor elétrico.

A nova norma traz benefícios para os interessados em investir em usinas solares e outras fontes renováveis, tais como:

  • Redução da documentação e dos requisitos necessários para solicitar a outorga de autorização, tornando o processo mais simples e rápido;
  • Possibilidade de iniciar as obras de implantação da usina independentemente da emissão de ato pela ANEEL, por conta e risco do interessado, respeitando as normas ambientais e técnicas aplicáveis;
  • Definição do conceito de usina híbrida, que combina diferentes tecnologias de geração, como solar e eólica, e permite que elas compartilhem a mesma infraestrutura de conexão e uso do sistema elétrico;
  • Estabelecimento dos critérios e procedimentos para solicitar a transferência da titularidade da outorga para outro agente, bem como os casos em que a transferência será proibida ou condicionada.

A nova norma não se aplica às usinas solares com capacidade instalada igual ou inferior a 5 MW, que são consideradas de capacidade reduzida e estão sujeitas a uma regulamentação diferente.

A norma entrará em vigor após sua publicação no DOU (Diário Oficial da União). A ANEEL espera que a norma contribua para o desenvolvimento sustentável do setor elétrico brasileiro, incentivando o uso de fontes renováveis e diversificando a matriz energética nacional.

Filipe Calmon

Filipe Calmon

Jornalista com vasta experiência nas editorias de política e economia. Graduado em Comunicação e Jornalismo pela Universidade Vila Velha. Pós graduação MBA Executivo, Gestão de Negócios pela Ibmec.

2 comentários

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.