Atlético Mineiro investe em energia solar e se torna autossustentável

Galo irá instalar usina fotovoltaica de 2,2 MW de potência para abastecer as cinco estruturas do clube
Atlético Mineiro investe em energia solar e se torna autossustentável

A energia solar já é presente em estádios de futebol, como no Maracanã, Mineirão, Arena Pernambuco, entre outros.

Agora, ela estará também promovendo economia e sustentabilidade para as instalações do Atlético Mineiro.

O clube se tornou o primeiro do Brasil a ser autossustentável, produzindo energia limpa e renovável em suas cinco estruturas: a Cidade do Galo, o CT, a sede administrativa no bairro de Lourdes, em Belo Horizonte (MG), além dos seus clubes sociais, o Labareda e a Vila Olímpica.

O projeto de GD (geração distribuída) fotovoltaico foi realizado por meio de um acordo comercial com a Solatio Energia Livre, que é patrocinadora do time desde 2017.

Para alimentar esses locais, a empresa montou, na cidade de Verdelândia, norte de Minas Gerais, a Usina do Galo, onde é gerada a energia solar.

Para alimentar esses locais, a empresa montou, na cidade de Verdelândia, norte de Minas Gerais, a Usina do Galo, onde é gerada a energia solar. A planta possui 2,2 MW de potência e foi instalada em uma área de 3 hectares –  o que corresponde a 30 mil m².

A estimativa é que o time de futebol tenha uma economia de R$ 2 milhões nos 18 primeiros meses do contrato. Após esse período, nos próximos 20 anos, a equipe economizará 10% na conta de energia.

“O Galo passou a consumir energia 100% renovável baseada em geração solar na cidade de Verdelândia, a 500 km de Belo Horizonte. Essa usina foi arrendada para o Clube Atlético Mineiro e a energia é usada em todas as instalações do time. Ela é injetada em Verdelândia usando a rede de distribuição local para que chegue em BH”, explicou Walter Fróes, CEO da Solatio Energia Livre

“É um passo importantíssimo, altamente sustentável, um modelo bastante exitoso. Significa também redução efetiva de custo de energia. Ainda ousaria dizer uma coisa a mais: talvez essa fonte sustentável limpa está trazendo boas energias para o time do Galo”, disse Froés.

Segundo Gabriel Guimarães, diretor de Patrimônio do Atlético Mineiro, os resultados da parceria estabelecida com a Solatio surtiram os efeitos que o clube esperava.

“Hoje, no norte de Minas, uma região que tanto precisa, com investimentos de grande porte e alta tecnologia o Atlético terá uma economia muito grande na contas de eletricidade”, ressaltou.

A planta possui 2,2 MW e foi instalada em uma área de 3 hectares

Leandro Figueiredo, diretor de Negócios do Atlético Mineiro, também destacou a iniciativa da equipe e disse que esse projeto inovador faz com que o Galo tenha um formato de gestão que será tendência no mundo.

“Quando falamos de negócios, entendemos que não adianta só trazer patrocínios e criar monetização por meio dos nossos canais de comunicação com os torcedores. Precisamos também, de uma forma sustentável, pensar no futuro do planeta. E essa Usina do Galo, além de gerar uma economia exponencial para o nosso caixa, possibilita que tenhamos uma estrutura muito mais competitiva e robusta, onde a gente consiga realocar os investimentos para outros pontos do clube”, explicou Figueiredo.

“A sustentabilidade faz parte do nosso DNA. É uma das frentes do nosso trabalho. Inclusive, no segundo semestre de 2021, vamos promover outras ações sustentáveis que vão gerar diversos benefícios para nossos torcedores”, acrescentou o executivo.

Imagem de Mateus Badra
Mateus Badra
Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal