Inclusão de baterias no leilão de capacidade minimizaria tragédias como no Rio Grande do Sul, diz CEO da ABSOLAR

Fala de Rodrigo Sauaia ocorreu durante audiência realizada, nesta semana, na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados
3 minuto(s) de leitura
Baterias no leilão de capacidade minimizaria tragédias como no Rio Grande do Sul, diz CEO da ABSOLAR
Rodrigo Sauaia, CEO da ABSOLAR. Foto: Billy Boss/Câmara dos Deputados

A inclusão de baterias e outros sistemas de armazenamento de energia nos próximos leilões de reserva de capacidade ajudariam o Brasil a minimizar os impactos causados por tragédias naturais, como a que aconteceu no Rio Grande do Sul. 

A afirmação foi feita por Rodrigo Sauaia, CEO da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), durante audiência realizada, nesta semana, na CME (Comissão de Minas e Energia) da Câmara dos Deputados. 

“Se tivéssemos baterias disponíveis, de fácil acesso e com uma carga tributária baixa, poderíamos utilizá-las com energia solar para rapidamente restabelecer telecomunicações e o acesso a energia elétrica para pontos críticos do Rio Grande do Sul, ajudando a acelerar a recuperação dessas comunidades e a economia local”, disse ele.

Segundo o executivo, entre as instalações que poderiam ser beneficiadas no Estado por causa dos sistemas de armazenamento estariam hospitais e demais entidades que precisam de energia para oferecer serviços emergenciais à população. 

“Além disso, poderíamos apoiar processos de reconstrução mais ágeis com o uso dessa energia elétrica, além de substituir a geração termelétrica – que é mais cara, poluente e que, infelizmente, emite gases de efeito estufa que agravam ainda mais o risco desse tipo de situação (desastres naturais) acontecer no futuro”, ressaltou Sauaia.  

Baterias no leilão de capacidade

A integração de baterias e outros sistemas de armazenamento de energia ao sistema elétrico nacional vem sendo um dos principais debates de momento do setor energético.

Depois de receber sugestões do setor privado, o Governo Federal tem avaliado incluir tais sistemas no leilão de reserva de capacidade que está previsto para acontecer no final de agosto. 

Se confirmado, será a primeira vez que equipamentos desse tipo vão participar de um certame promovido pelo Executivo para contratação de energia elétrica. 

No final de março, o ministro do MME (Ministério de Minas e Energia), Alexandre Silveira, disse que o Brasil pretende incluir as baterias no próximo leilão de reserva de capacidade

O anúncio ocorreu em meio a uma forte pressão do setor de renováveis pela inclusão das baterias no certame. Segundo Silveira, a medida já está sendo estudada pelos técnicos do MME. 

O que é um leilão de reserva de capacidade?

O leilão de reserva de capacidade é um processo licitatório realizado pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), no qual são contratadas usinas geradoras de energia para disponibilizarem uma quantidade específica de capacidade de geração em um determinado período.

O objetivo é garantir a reserva de energia para atender a demanda futura do país, considerando aspectos como crescimento do consumo, sazonalidade e contingências. Os leilões de reserva de capacidade são divididos em dois tipos: por disponibilidade e por quantidade. 

No leilão por disponibilidade, são contratados empreendimentos que garantem a disponibilidade de determinada quantidade de energia em um determinado período. Já no leilão por quantidade, são contratadas usinas que se comprometem a gerar uma quantidade fixa de energia elétrica em um determinado período.

Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Imagem de Henrique Hein
Henrique Hein
Atuou no Correio Popular e na Rádio Trianon. Possui experiência em produção de podcast, programas de rádio, entrevistas e elaboração de reportagens. Acompanha o setor solar desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal