6 de dezembro de 2023
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 11,1GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 24,8GW

Brasil participa de projeto para qualificar mercado FV da Palestina

A iniciativa, coordenada pela empresa alemã GIZ, conta com participação da Fronius do Brasil e institutos federais

Autor: 13 de junho de 2023Parcerias
3 minutos de leitura
Brasil participa de projeto para qualificar mercado FV da Palestina

Delegação de docentes palestinos na Fronius do Brasil. Foto: Fronius/Divulgação

Um modelo brasileiro de parceria público-privada para formação de mão de obra especializada em energia solar é referência para um projeto de cooperação técnica internacional, que tem como objetivo qualificar profissionais técnicos para o mercado fotovoltaico e realizar pesquisas aplicadas na Palestina.

O programa, coordenado pela empresa alemã Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), especializada em cooperação técnica e desenvolvimento sustentável em escala mundial, conta com a participação da Fronius do Brasil, subsidiária da fabricante austríaca de inversores fotovoltaicos, e institutos federais de São Paulo de ensino técnico.

A escolha da Fronius para participar da cooperação se deve ao relacionamento e alguns trabalhos realizados anteriormente em conjunto com a GIZ junto às instituições de ensino brasileiras, que passaram a contar com a tecnologia e conhecimento da empresa para formação de novos profissionais especializados em sistemas fotovoltaicos.

Atualmente, a Fronius do Brasil afirmou que contribui com a formação de milhares de técnicos e engenheiros, fornecendo inversores para o laboratório e compartilhando conhecimentos sobre a tecnologia fotovoltaica em instituições de ensino, como a Universidade Federal do ABC e Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), bem como escolas técnicas do Senai e institutos federais de São Paulo.

“A Fronius também possui atividades na Palestina. Mas a subsidiária brasileira pode compartilhar com os representantes das escolas palestinas a sua experiência e as formas de parcerias que eles também podem executar lá”, disse Roberta Knopki, coordenadora da área de Energia e Profissionais do Futuro para Economia Verde da GIZ.

Além disso, ela enfatizou que a fabricante pode colaborar com as pesquisas aplicadas em conjunto que também serão de grande valia para os alunos conhecerem outra realidade em termos de aprendizado e do setor de energia solar.

Fronius investe € 230 milhões na criação de novas linhas de produção

Segundo Roberta, a Palestina conta com cursos de nível técnico e superior que atendem a demanda atual. O plano é criar cursos de qualificação para formação mais rápida de instaladores de sistemas fotovoltaicos e contribuir no desenvolvimento do mercado interno de energia solar, aumentando a oferta de soluções.

“Apesar da disponibilidade de energia solar em abundância, o mercado fotovoltaico na Palestina não é tão desenvolvido. O país importa 95% de sua energia de Israel, que também distribui boa parte da eletricidade”, explicou.

Ariel Martins, coordenador técnico comercial da Unidade Solar Energy, da Fronius do Brasil, ressaltou a importância do apoio de uma empresa do setor às instituições de ensino técnico, visando a formação e desenvolvimento de um número maior projetistas, instaladores, integradores e, especialmente, de empreendedores que entrarão no mercado solar em um futuro próximo.

“O papel da Fronius é levar muito conhecimento adquirido ao longo de mais de 30 anos de história no desenvolvimento de tecnologias em equipamentos de energia solar. Buscamos um mundo sustentável, onde seja possível tornar o conceito das 24 horas de sol uma realidade”, concluiu.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.