29 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Distribuidoras não respeitam determinações da ANEEL, dizem diretores da Agência

Ao menos três dos cinco membros do colegiado teceram críticas à atuação das concessionárias de energia elétrica

Autor: 7 de fevereiro de 2024Setor Elétrico
4 minutos de leitura
Distribuidoras não respeitam determinações da ANEEL, dizem diretores da Agência

Foto: ANEEL/Divulgação

O não cumprimento do Art. 73 da Resolução 1.000 por parte das distribuidoras tem gerado grandes problemas para as empresas instaladoras de sistemas fotovoltaicos e para os consumidores que desejam gerar a sua própria energia. 

Em linhas gerais, o artigo permite que as concessionárias reprovem pareceres de acesso de projetos que possam causar problemas na rede de distribuição em decorrência da inversão de fluxo. 

Contudo, para poder fazer isso, a concessionária precisa apresentar um estudo do porquê o projeto do cliente está causando a inversão de fluxo e levar até ele a solução para que o problema seja resolvido, o que, como já é de conhecimento do setor de energia solar, não vem acontecendo. 

Na noite desta terça-feira (06), o assunto foi amplamente discutido entre diretores da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), com diversas críticas às concessionárias sendo reproduzidas pelo colegiado. 

ANEEL abrirá Consulta Pública sobre Minha Casa, Minha Vida e inversão de fluxo

Ricardo Tili foi um dos diretores que criticaram a atuação das empresas, em especial da Energisa-MT, que já conta com mais de 4 mil pareceres de acesso negados sem justificativa para seus clientes. 

“Se as distribuidoras não conseguem fazer os estudos, elas não poderiam negar um parecer de acesso (…) É assustador a situação que se encontra a distribuidora hoje, principalmente em relação à GD”, disse ele. 

Segundo o diretor, é “público e notório” que as distribuidoras não só estão descumprindo o que prevê o artigo 73 da Resolução 1.000, como também estão ignorando as determinações da própria ANEEL. 

“Nós (ANEEL) mandamos um ofício dizendo para cumprirem a norma, a distribuidora diz que não vai cumprir. A área técnica emite um despacho falando que cumpra-se a norma e a distribuidora responde, mais uma vez, que não vai cumprir”, revelou ele. 

Segundo Tili, a ANEEL precisa ser mais rigorosa na fiscalização contra as distribuidoras. “Cabe a nós fiscalizarmos e aplicarmos a força da Aneel para exigir o cumprimento da obrigação. Esse é um ponto que precisamos (diretores) discutir melhor”, disse ele.

O diretor Fernando Mosna também criticou a atitude das distribuidoras e disse que seria importante que a Agência ouvisse esclarecimentos dos agentes de fiscalização da própria ANEEL para que todos possam entender o que está acontecendo e qual é o momento que o país vive em relação a essas fiscalizações. 

“Está sendo visto que as distribuidoras estão descumprindo a lógica dos estudos. Eu mesmo já recebi dezenas de e-mails do Brasil inteiro mostrando como foram feitos os estudos das distribuidoras. Não só não categorizam e qualificam a negativa (do parecer de acesso) como impossibilitam que se tenha uma contra argumentação (por parte do consumidor)”, disse ele. 

Além de Tili e Mosna, Hélvio Guerra também expressou sua opinião a respeito do tema e da atuação da ANEEL nos casos de inversão de fluxo. 

“Eu pensei em estupefato, eu pensei em pasmado, eu pensei em petrificado. Porque olha, se uma agência reguladora determina que alguém faça alguma coisa e um agente regulado diz que não fará, e nós não fazemos absolutamente nada, eu fico petrificado. Fechem-se as reguladoras, porque não estamos fazendo aquilo que devemos fazer”, disse ele. 


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Um comentário

  • EMERSON SANTANA DE ALMEIDA disse:

    CANAL SOLAR,SE O CIDADÃO, E APENAS 8 A 9 MILHOES DE BRASILEIROS TEVE CONDIÇÕES DE COMPRAR E INSTALAR UM SISTEMA FV SOLAR ,NUM BRASIL DE 215 MILHÕES,ATE ENTÃO, POIS O PODER DE COMPRA DA CLASSE SOCIAL NA GERACAO DESTRIBUIDA É FRACO,

    E SE NÃO BASTASSE,ESSAS MÁFIAS DONOS DE SISTEMAS DE DESTRIBUICAO DE ENERGIA, TUDO TEREM FEITO PARA DESGRAÇAR ESSA NOVAÇÃO,DESDE 2012, E A BONDADE DE DEUS,MANTENDO A FÉ DO DESAMPARADO POVO BRASILEIRO,QUE A TODA FALTA DE RESPEITO E DIGNIDADE TEM DE SE SUJEITAR,DESSA ESCÓRIA,

    E QUE AGORA,ATÉ PARA ANEEL,SE LIXAM COMO SE NÃO EXISTISSEM,FATO QUE DE FATO É GRITANTE,O CORPO MOLE E A PSEUDO COMPLACÊNCIA DESSA ANEEL,COM AS MÁFIAS DE DISTRIBUIÇÃO,COMO SE ATÉ VIRANDO AS COSTAS,FRENTE A TANTA GRAVIDADE,ATÉ ENTÃO,

    QUE FECHEM AS PORTAS,POR NÃO SERVIREM PRA NADA,

    E O JUDICIÁRIO PONHA AS DISTRIBUIDORAS, APÁTRIDAS, NA CADEIA!!

    O CABARÉ QUE ISSO SE TORNOU,É QUE NÃO PODE CONTINUAR!!

    ESQUECAMOS AS TAIS ASSOCIAÇÕES DE CLASSE,QUE COBRAM DE MILHARES DE ASSOCIADOS, E É SÓ CONVERSA, CONFETE, E MAIS NADA!!

    QUEM MANDA E MOVIMENTA,E FAIS AS COISAS ACONTECEREM ECONOMICAMENTE NUMA NAÇÃO, É O SEU POVO!!

    A VERDADE DOI,MAS DANE SE ESSA CORJA DE CIAS DE DISTRIBUIÇÃO, QUE SE CREEM DONOS DE TUDO E DE TODOS,A DÉCADAS, EMPURRADO O QUE QUEREM,GUELA ABAIXO AO CIDADÃO, E ANEEL,NADA!!

    E QUANTO A VOCES CANAL SOLAR,SE ACHAREM QUE NÃO DEVA PUBLICAR O MEU COMENTÁRIO, SOU SINCERO EM LHES DIZER:: REAVALIEM MELHOR O LEGIMO PAPEL DE VOCES,POIS CONVERSA MOLE,NÃO ENCHE A BARRIGA DE NINGUÉM!! TAMOS DE SAC….CHEIO!!

    EMERSON.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.