2 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Incêndio em sistema FV reforça importância de empresas capacitadas

Painéis solares pegam fogo e mostram a necessidade de avaliar a qualidade de equipamentos e empresas

Autor: 10 de novembro de 2021julho 7th, 2022Brasil
2 minutos de leitura
Incêndio em sistema FV reforça importância de empresas capacitadas

Ao total, oito módulos solares foram danificados

Um incêndio aconteceu, nesta segunda-feira (9), em uma loja de roupas localizada em Rio Claro, interior de São Paulo. Por volta das 11h, lojistas da região perceberam uma fumaça saindo do sistema fotovoltaico instalado no telhado do estabelecimento.

De acordo com o empresário Luiz Eduardo Thomé, proprietário da loja, o corpo de bombeiros foi acionado e o fogo controlado. Ninguém ficou ferido. Ao total, oito módulos solares foram danificados.

As causas do incidente ainda não foram divulgadas. Para o engenheiro Diego Fernandes, da INE3 Energia, algum erro no projeto, na instalação ou até mesmo na qualidade dos equipamentos utilizados pode ter sido o motivo do problema. “Para isso, recomendo que seja executado um estudo em campo com laudo de um especialista para tentar identificar a origem”, explicou Fernandes.

O barato sai caro

Este é mais um caso de incêndio que atingiu um sistema fotovoltaico. Em setembro, o segundo andar de um escritório de contabilidade, localizado na cidade de Goiânia (GO), pegou fogo. Funcionários da companhia e vizinhos observaram que as chamas estavam saindo do inversor, instalado no teto do prédio.

Portanto, situações como estas, por exemplo, reforçam a ideia da necessidade de empresas de instalação capacitadas. Inclusive, quando o preço de um projeto aparenta ser mais atrativo do que o normal, o barato pode sair caro.

Leia também

Proteção contra arco elétrico nos inversores fotovoltaicos

O Canal Solar apurou o caso ocorrido no comércio em Rio Claro e constatou que o consumidor, após diversas pesquisas, optou pela contratação da empresa integradora avaliando apenas o preço. Outra companhia, que também ofertou suas soluções para o cliente, afirmou que não conseguiu fechar o contrato com o mesmo devido à impossibilidade de cobrir o valor.

“Só o preço dos nossos materiais, sem margem de revenda, estava dando o preço total do concorrente, contemplando além dos materiais, a mão de obra e o projeto de engenharia”, disse uma fonte ouvida pelo Canal Solar. “Incêndios como este são bem sérios. É uma questão de segurança, de respeito com o cliente final. Infelizmente, situações parecidas estão aumentando bastante no Brasil”, afirmou.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.

7 comentários

  • Vladimar Moyzeis da Vitória disse:

    Infelizmente isso é quase regra nesse nosso Brasil, me faz lembrar o início da instalação de gás veicular, que como também envolve segurança as normas e exigências eram bem rígidas, mas… o tempo foi passando, o propinoduto atuando e hoje está como está.

  • JOSE ROBERTO disse:

    Lamentável o que tem de “profissionais” despreparados fazendo com que pessoas se iludam e tomem prejuízos muitas vezes imensuráveis…

  • Uma das informações importantes a passar para o cliente final, é de que: “A maioria dos inversores são classificados para instalação ao ar livre”; porém com grau de proteção IP-65 (à prova de poeira e água).
    Ou seja, a instalação pode ser feita onde não haja alta incidência solar, como por exemplo, em uma área-gourmet aberta, área de serviço; já no telhado o inversor superaquece causa danos e oferece altíssimo risco.

  • Parabéns pela divulgação do fato e principalmente pela correta e digna e profissional atuando na apuracão da notícia por traz do ocorrido.

  • Não especificamente pode ter somente essas duas opções que foi citado na matéria, veja que o colega categoricamente, fala erro na instalação projeto ou má qualidade do produto.. Podemos ter uma falha até mesmo em produtos de boa qualidade .. Quem fez ou estudou básico de em ciências dos matérias ou passou por alguma especialização em analises de falha , sabemos que o primeiro erro e ter ideias pre concebidas .. Podemos ter inúmeras falhas até msm uma falha em um conector MC4 em um módulos que seja de boa qualidade .. Ressaltar a segurança a qualidade da primordial, mais sem ficar com ideias pre concebidas , ou matérias que em tese seria uma artigo mais técnico mais que coloca mais dúvida que do que ajuda o setor …

  • Ricardo disse:

    Isso pq a norma pede q o inversor não seja instalado no teto… realmente, incompetência! Esses deveriam sair do mercsdo. Para isso, um conjunto de normas devem ser elaboradas para evitar esse tipo de situação… vamos à ABNT!

  • Ronaldo Pepi disse:

    Erro básico da empresa instaladora ao utilizar estrutura de fixação com altura mínima inferior a 10cm recomendada pelos fabricantes de módulos fotovoltaicos.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.