4 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Integração de renováveis será crucial para descarbonização do Brasil

Fala do diretor da RCGI foi um dos pontos altos do painel “Energy Transition: What does it mean for Brazil” na COP 27

Autor: 18 de novembro de 2022dezembro 2nd, 2022Brasil
3 minutos de leitura
Integração de renováveis será crucial para descarbonização do Brasil

Brasil foi um dos destaques da COP 27 no Egito. Foto: MMA/Divulgação

O Brasil tem um conjunto de oportunidades no atual período de transição energética que é único e que fará com que o país saiba explorar e exportar esse conhecimento para o mundo.

Foi o que afirmou Julio Meneghini, diretor científico do RCGI (Centro de Pesquisa para Inovação em Gases de Efeito Estufa), na COP-27, durante o painel “Energy Transition: What does it mean for Brazil”. 

“A utilização de diferentes soluções locais que eventualmente vão ser exportadas vai permitir com que consigamos nos limitar ao aumento de 1,5 °C em relação às emissões da Revolução Industrial”, garantiu ele. 

O profissional se referiu ao Acordo de Paris, que ganhou forte mobilização mundial e que conta com o objetivo de limitar o aquecimento global em no máximo 2°C até o fim deste século, visando a neutralidade de carbono em 2050. Meneghini destacou ainda que a integração de diferentes fontes renováveis deverá ser o principal desafio brasileiro no processo de descarbonização.

“Temos um potencial enorme na questão de geração de energia eólica offshore, que, juntamente com o pré-sal e com a capacidade de armazenarmos de carbono em cavernas de sal no próprio pré-sal e nos reservatórios, torna o Brasil o eventual líder nessa área”, comentou. 

Julio Meneghini, diretor científico do RCGI. Foto: RCGI/Divulgação

Durante o evento, Meneghini também destacou que o RCGI terá a primeira planta piloto de metanol verde no fim do ano que vem. “Também vamos ter a primeira planta para a produção de hidrogênio a partir do etanol”, ressaltou. 

De acordo com ele, com essa planta, o hidrogênio poderá ter uma pegada de emissões de CO2 menor do que o hidrogênio produzido com eletricidade oriunda de energia eólica e solar, ao se considerar o ciclo de vida da produção do etanol e se estiver utilizando tecnologia de captura e armazenamento de carbono. 

A planta, localizada na USP (Universidade de São Paulo), está sendo construída em parceria com as empresas Shell, Raízen, Hytron, além do Senai Cimatec. A partir do fim de junho, a planta produzirá até 5 kg de hidrogênio por hora, que serão utilizados para abastecer três ônibus na universidade movidos a células a combustível.

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.