19 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,4GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,5GW

BNDES anuncia que será neutro em carbono até 2050

Durante a COP-27, banco divulga documento com o planejamento estratégico para alcançar o net-zero

Autor: 18 de novembro de 2022Brasil
4 minutos de leitura
BNDES anuncia que será neutro em carbono até 2050

BNDES aposta em sustentabilidade. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O BNDES divulgou na COP-27, que está sendo realizada em Sharm El Sheikh, no Egito, um documento com seus compromissos para o clima.

Em alinhamento com a Nationally Determined Contributions (NDC – em português Contribuição Nacionalmente Determinada), o mesmo destacou que será neutro em carbono até 2050.

O banco afirmou que é o primeiro a fazê-lo entre os bancos de desenvolvimento internacionais e de forma abrangente a todas as operações.

Para assumir este compromisso, divulgaram o documento “Clima e desenvolvimento – A contribuição do BNDES para uma transição justa”, no qual organiza as ações, aprovadas no planejamento estratégico, que estão sendo e serão tomadas para alcançar o net-zero.

“Os compromissos serão contabilizados para todos os negócios do banco, incluindo a carteira de crédito direto, indireto e participações acionárias”, explicou Bruno Aranha, diretor de Crédito Produtivo e Sociambiental.

BNDES anuncia programa para aquisição de créditos de carbono regulares

“Além de ser neutro em carbono em todas as operações até 2050, os nossos novos projetos terão seus inventários de emissões detalhados e oportunamente serão neutralizados”, completou.

Segundo a instituição, as contribuições para o clima e desenvolvimento são alinhadas à estratégia climática nacional, com resultado nos mais diversos setores, como energia, logística e mobilidade urbana, por exemplo.

Parceria

O documento contou ainda com o apoio técnico da WayCarbon, empresa de base tecnológica e consultoria estratégica com foco exclusivo em sustentabilidade e mudança do clima, viabilizado por meio de uma parceria do BNDES com o UK Pact (Governo Britânico).

“As instituições financeiras possuem responsabilidade de contribuir com a justiça climática, analisando também quais os riscos climáticos dos projetos financiados e, consequentemente, seu impacto no respectivo território”, avaliou Laura Albuquerque, gerente sênior de Consultoria na WayCarbon.

“Esse projeto com BNDES deve se tornar referência mundial em transição climática justa pelo engajamento das empresas da carteira de crédito direta e definição de metas e estratégias de transição para o net-zero, além da mobilização de agentes financeiros, públicos e privados para apresentação de inventário de emissões de GEE (Gases do Efeito Estufa)”, ressaltou.

Estratégias do BNDES

Segundo o documento, para alcançar esses compromissos de transição climática, foram traçadas ainda estratégias transversais e estratégias específicas aos setores-chave.

As estratégias transversais incluem a busca do engajamento das empresas e instituições financeiras repassadoras dos recursos do BNDES, tanto em relação à elaboração de inventários de emissões de GEE, quanto à definição de metas e incorporação de boas práticas relativas ao clima.

Já as estratégias setoriais complementam as abordagens transversais. As ações com foco no setor de energia incluem: o apoio à descarbonização da matriz energética brasileira por meio de projetos de eficiência energética e a produção e aproveitamento de biogás e biometano.

Além disso, incluem a geração por fontes renováveis, como a estruturação de projetos de hidrogênio verde para consumo doméstico e internacional, bem como a promoção de tecnologias de captura e estocagem de carbono (CCUS) nas atividades de biogás/biometano.

O tema de eletrificação e uso de fontes renováveis na logística ferroviária e mobilidade urbana será um dos tópicos centrais da atuação do BNDES no setor de logística e mobilidade, assim como o incentivo ao transporte urbano de alta capacidade e baixa emissão.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.