Investimentos globais na fabricação de baterias aumentaram 60% em um ano 

Dados fazem parte do novo relatório publicado pela IEA (Agência Internacional de Energia) nesta semana
3 minuto(s) de leitura
Investimentos globais na fabricação de baterias aumentaram 60% em um ano 
Foto: IEA/Reprodução

Os investimentos em energia solar mais do que duplicaram no ano passado em todo o mundo na comparação com o mesmo período de 2022, enquanto que os aportes na fabricação de baterias registraram uma elevação da ordem de 60%

Os dados fazem parte do Advancing Clean Technology Manufacturing o novo relatório da IEA (Agência Internacional de Energia, na sigla em inglês), publicado nesta segunda-feira (06). 

A pesquisa também pontuou que os investimentos na produção de cinco tecnologias de energia limpa (solar, eólica, baterias, eletrolisadores e bombas de calor) acumulou mais de US$ 200 bilhões no ano passado. 

Tratou-se de um aumento de mais de 70% em relação a 2022,  representando pouco mais de 4% do crescimento mundial do PIB (Produto Interno Bruto).

Para Fatih Birol, diretor executivo da AIE, a produção recorde de plantas fotovoltaicas e de baterias está impulsionando não só a transição energética, como fazendo as empresas expandirem suas fábricas para aumentarem a produção de mais produtos. 

O executivo destacou ainda que, pelos cálculos da IEA, cerca de 40% dos investimentos na produção de energia limpa no ano passado foram em instalações que deverão entrar em funcionamento em 2024 e que, no caso das baterias, essa percentagem sobe para 70%. 

“Embora ainda seja necessário um maior investimento para algumas tecnologias, a direção da viagem é clara. Os decisores políticos têm uma enorme oportunidade de conceber estratégias industriais com transições para energias limpas no seu núcleo”, afirmou ele. 

Produção e preço por regiões

De acordo com o relatório da IEA, a produção de energias renováveis ainda é dominada por algumas regiões, como a China – que abriga, atualmente, mais de 80% da capacidade global de fabricação de módulos fotovoltaicos. 

No entanto, o estudo pontua que o fabrico de células de bateria poderá tornar-se menos concentrado geograficamente até ao final desta década se todos os projetos anunciados forem concretizados.

Um exemplo citado no estudo são os casos da Europa e dos Estados Unidos, que podendo atingir, cada um, cerca de 15% da capacidade instalada global até o fim de 2030. 

Em termos de preços, a China continua a ser o produtor com os custos mais baixos de todas as tecnologias de energia limpa. As instalações de produção de baterias, energia eólica e solar são normalmente 20% a 30% mais caras para construir na Índia do que na China, e 70% a 130% mais caras nos Estados Unidos e na Europa. 

“No entanto, estima-se que a grande maioria dos custos totais de produção destas tecnologias (70% a 98%) provém de custos operacionais, que incluem fatores de produção como energia, mão-de-obra e materiais – o que implica que as disparidades nos custos de produção observadas hoje não são imutáveis ​​e podem ser influenciado pela política”, finaliza o relatório.


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Imagem de Henrique Hein
Henrique Hein
Atuou no Correio Popular e na Rádio Trianon. Possui experiência em produção de podcast, programas de rádio, entrevistas e elaboração de reportagens. Acompanha o setor solar desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal