27 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.02GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Isenção de ICMS para equipamentos fotovoltaicos é aprovada em SP

Decisão da Alesp inclui painéis e aquecedores solares à lista de componentes isentos do imposto

Autor: 27 de abril de 2022Política
Isenção de ICMS para equipamentos fotovoltaicos é aprovada em SP

Plenário Juscelino Kubitschek, em São Paulo. Foto: Carol Jacob

A Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) aprovou, em sessão realizada nesta terça-feira (26), com a decisão do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) de isentar o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço) para equipamentos fotovoltaicos.

O decreto legislativo n. 2.518, de 26/04/2022, publicado no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (27), inclui painéis e aquecedores solares de água à lista de componentes voltados para a geração de energia renovável que possuem a isenção do imposto.

O documento manifesta concordância ao Convênio 24/22, que alterou os códigos fiscais NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) no Convênio 101/97 mantendo a isenção do ICMS.

“A solar é uma alternativa eficaz e barata dentro do nosso país. Temos que incentivar que cada vez mais as famílias, empresas e instituições usem a energia fotovoltaica“, destacou o deputado Carlão Pignatari, presidente da Alesp.

Impacto no setor solar

Para Hewerton Martins, presidente da Associação do Empreendedor Solar, o decreto é fundamental pois traz segurança fiscal para quem trabalha com energia solar.

“O mesmo evita riscos de cobranças indevidas e indiscriminatórias de impostos, encarecendo assim os produtos. Além disso, tranquila as distribuidoras, fabricantes e integradores, no sentido de que podem transitar com as mercadorias sem o risco de parar numa aduaneira fiscal”, enfatizou.

O deputado estadual Castello Branco (PL), um dos principais articuladores para que o estado isentasse o ICMS para os equipamentos fotovoltaicos, ressaltou que a aprovação da Alesp foi uma conquista história.

“É um marco regulatório, pois abre um precedente de não se cobrar mais um dos impostos mais caros do país em cima de uma energia que é o sol. Sem dúvida é um grande avanço. Aumenta geração de emprego e renda familiar e beneficia, inclusive, o agronegócio – segmento no qual a solar já é uma realidade”, finalizou.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de dois anos, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.