MC4 é um produto ou um padrão de conector para sistemas FV?

Stäubli patenteou recentemente a tecnologia como sua propriedade intelectual junto ao INPE
MC4 é um produto ou um padrão de conector para sistemas FV?
Conectores MC4 foram desenvolvidos para sistemas de energia solar. Foto: Stäubli/Reprodução

Os conectores MC4 foram especialmente desenvolvidos para sistemas de energia solar, sendo empregados nos terminais positivo e negativo dos módulos fotovoltaicos e também utilizados nos cabos que fazem a conexão das strings com as stringboxes e dessas para os inversores.

Contudo, diferentemente do que grande parte do mercado pensa, a tecnologia não é um tipo de conector, mas, sim, é um produto criado e desenvolvido pela Stäubli no começo deste século.

No mercado europeu, norte-americano e até australiano, o produto foi patenteado pela empresa há muitos anos, algo que até então ainda não havia acontecido no Brasil.

Contudo, recentemente, a Stäubli decidiu patentear o produto MC4 como sua propriedade intelectual também no mercado brasileiro junto ao INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial).

“Entramos com toda documentação necessária e foi um processo que ocorreu de forma segura, porque já tínhamos a patente no mercado europeu”, explica William Mass, gerente de desenvolvimento de negócios da Stäubli.

Ele explica, com isso, que hoje a marca MC4 no Brasil está remetida a equipamentos conectores para sistemas fotovoltaicos e não pode mais ser utilizada por outras empresas que não seja a Stäubli.

“Temos trabalhado com um escritório de advocacia que tem nos auxiliado para fazer uma pesquisa de mercado e identificar quem são as empresas que estão utilizando a marca MC4 indevidamente”, revelou Mass.

Segundo ele, o escritório está entrando em contato com as empresas que vendem conectores do “tipo MC4” para explicar a situação.

“Se a empresa se negar a retirar a marca, emitimos uma carta extrajudicial para alertar a empresa quanto a utilização indevida da marca, sendo que último estágio será um processo judicial, visando proteger a marca MC4 com relação as empresas que utilizam cópias ou outras marcas de conectores”, explicou Mass.

Benefícios da patente para o mercado

Apesar de parecer uma medida autoritária à primeira vista, Mass salienta que, como todo o mercado nacional conhece o MC4 como um padrão de conector e não como um produto da Staubli, isso pode trazer problemas para muitas instalações.

“Entendemos que essa medida vai levar um tempo até o mercado se adaptar, mas o ponto positivo é que o integrador vai entender que o MC4 é um produto e não um padrão”, comentou Mass, que prosseguiu:

“Com isso, ele vai atrás de informação para saber qual é o produto de melhor qualidade para usar na sua instalação, evitando riscos potenciais no futuro. A chance do Brasil ter uma redução no número de incêndios por conta disso, por exemplo, é grande”, destacou o profissional.

Tecnologia Multilam presente no MC4 Original

De acordo com Willian Mass, um diferencial importante que o MC4 original possui é a tecnologia Multilam, presente nos contatos elétricos dos conectores MC4 e que visam reduzir a resistência do contato elétrico.

Ou seja, a tecnologia Multilam tem como principal objetivo otimizar a transmissão de energia a médio e longo prazo, trazendo mais confiabilidade e performance nos pontos de conexões de corrente contínua para sistemas fotovoltaicos.

Segundo o executivo da Staubli, a mensagem que fica é “evite cópias e produtos de baixíssima qualidade e busque produtos que vão trazer segurança para você e que não sejam sumariamente precisem ser da Stäubli. Até porque também temos no mercado nacional, outras empresas com outros produtos de muita qualidade”, finalizou Mass.


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Imagem de Henrique Hein
Henrique Hein
Atuou no Correio Popular e na Rádio Trianon. Possui experiência em produção de podcast, programas de rádio, entrevistas e elaboração de reportagens. Acompanha o setor solar desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal