29 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Mercado varejista aposta em solar para reduzir gastos com conta de luz

Lojas Cem, Magazine Luiza e Assaí Atacadista são algumas das empresas do setor que já aderiram à tecnologia. 

Autor: 8 de julho de 2021julho 14th, 2021Brasil
3 minutos de leitura
Mercado varejista aposta em solar para reduzir gastos com conta de luz

O setor varejista e de serviços brasileiro tem investido cada vez mais recursos em projetos de eficiência energética, com o objetivo de buscar alternativas para reduzir as despesas com a conta de luz e também ajudar o meio ambiente.

É o caso de empresas como a Lojas Cem, que, no começo desta semana, divulgou, nas redes sociais, que está instalando painéis solares em todas as suas lojas. 

A Magazine Luiza também não ficou de fora. Em julho do ano passado, a empresa já havia fechado um acordo com a GreenYellow para instalação de energia solar em 214 de suas 1,1 mil lojas. A parceria contou com investimentos da ordem de R$ 18 milhões.

Pouco tempo depois, em fevereiro deste ano, foi a vez da Lojas Americanas anunciar a inauguração de duas novas usinas de geração solar. Com entrega prevista para julho, o grupo visa ampliar para 30% a parcela da energia oriunda de fontes renováveis.

A energia produzida pelas plantas será distribuída para cerca de 70 lojas físicas da rede, em Pernambuco e no Distrito Federal. Atualmente, a companhia conta com quatro usinas próprias, sendo três hidrelétricas e uma de biogás, estrutura com a qual abastece cerca de 150 unidades.

Outro segmento que também vem se movimentando são as grandes redes de supermercado e de atacado. O grupo Assaí Atacadista, por exemplo, estabeleceu, neste ano, a redução de 30% de suas emissões de carbono até o final de 2025. Para isso, trabalha para migrar 100% de seu parque de lojas de 2020 (184 unidades) para o mercado livre de energia até dezembro deste ano, a partir do aporte em fontes como a eólica, solar e biomassa.

Benefícios

Segundo dados da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), o comercial – que engloba o de varejo e de serviços –  ocupa, atualmente, a segunda posição no ranking entre as classes de consumo, sendo responsável por quase 73 mil sistemas instalados no país (15% do total) e mais de 2 GW da potência instalada (36,7%), ficando atrás somente do mercado residencial.

De acordo com Alexandre Borin, gerente da unidade solar da Fronius do Brasil, com a energia fotovoltaica, um lojista brasileiro consegue gerar eletricidade suficiente para manter o seu sistema de refrigeração por 24 horas, além de iluminação, climatização e movimentação de fornos e outros equipamentos, a um custo de 80% a 95% menor do que a eletricidade convencional, dependendo do tamanho da instalação.

O executivo destacou também que, tendo em vista a vida útil do sistema, estimada em 20 anos, um investimento com retorno em apenas um quarto desse período já é mais que excelente para qualquer negócio, “especialmente para o varejo, que normalmente trabalha com margens baixas devido à alta competitividade”, ressaltou. 

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.