27 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.99GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Trina Vertex 660 W estarão disponíveis no Brasil a partir do 2º semestre

Trina Solar anunciou que a produção da linha Vertex 660W+ começará no Q3, mas já está recendo pedidos

Autor: 14 de abril de 2021maio 14th, 2021Brasil
Trina Vertex 660 W estarão disponíveis no Brasil a partir do 2º semestre

A Trina Solar já está recebendo pedidos para seus módulos de 660 W+ com células de 210 mm. Segundo a fabricante, a produção dos painéis começará a partir do terceiro trimestre deste ano. 

O anúncio foi dado na tarde desta quarta-feira (14) durante o webinário “Desafios e tendências da energia fotovoltaica no Brasil em 2021”, realizado pela fabricante em parceria com o Canal Solar

O evento contou com a participação do vice-presidente para América Latina e Caribe da Trina, Alvaro García Maltrás, do gerente de Produtos da Trina, Guilherme Torrão e do diretor da Greener, Márcio Takata.

“Os módulos estarão disponíveis no mercado no final deste ano, tanto monofacial como bifacial. Eles são mais pensados para grandes usinas”, explicou Maltrás.

“Já chegamos na maior célula do mercado e da indústria, considerando o custo beneficio. Então, o custo aceitável e previsto para os próximos cinco anos é de uma célula de 210 mm”, explicou Guilherme Torrão, gerente de Produtos da Trina.

Segundo a Trina, os painéis Vertex 660W+ de potência ultra alta possuem eficiência de 21,6% e é voltado para usinas de grande porte. A fabricante ainda destacou que o módulo possui LCOE mais baixo, BOS reduzido e tempo de retorno mais curto.

Saiba mais: O que é o LCOE e como utilizar nos projetos fotovoltaicos?

De acordo com o datasheet do painel, o design do módulo fornece produção de energia otimizada sob condições de sombreamento entre filas, possui menor coeficiente de temperatura (-0,34%), e alcança até 25% de ganho de potência adicional na parte de trás, dependendo do albedo.

Ainda durante o webinário, Takata apresentou as expectativas para o setor de GC (geração centralizada). Segundo estimativas da Greener, aproximadamente 4,1 GW de projetos solares entrarão em operação até 2022 neste segmento.

Para ele, o evento destacou a relevância a evolução tecnológica no setor fotovoltaico, sobretudo do segmento de módulos fotovoltaicos, que tem um papel fundamental na estruturação e na implementação de projetos mais eficientes do ponto de vista técnico e financeiro. 

“Esse ornamento é fundamental para que a energia gerada seja cada vez mais eficiente, acessível e competitiva. Isso é fundamental, sobretudo agora no cenário de mercado livre e com a forte ampliação nesse mercado, onde já foram contratados no Brasil mais de 4,8 GW de projetos, através de contratos bilaterais, de PPA’s  de empreendimentos de alta produção por diferentes perfis de consumidores”, ressaltou.

Investimento no Brasil

Durante o evento, Alvaro Maltrás destacou que a fabricante está expandindo sua atuação no Brasil. “O nosso crescimento no Brasil ano passado foi muito forte, 60% em relação ao ano anterior, e nós pretendemos continuar com essa tendência esse ano. A Trina está aumentando a sua equipe local no Brasil, como apresentado o crescimento do setor solar no país, maior do que poderíamos nos outros anos, em todos os segmentos, tanto em GD e GC”.

Giuliana Olivieri

Giuliana Olivieri

Atuou como produtora de programa de entrevista na Rádio Brasil Campinas, além de elaboração de reportagens diárias, edição de áudio e vídeo. Desde 2020, acompanha o mercado fotovoltaico, cobrindo a editoria de Mercado e Negócios. Graduanda em Jornalismo na PUC Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.