28 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,84GW

Preço das baterias de íon-lítio cai 89% em 2021

Pesquisa da BloombergNEF indica que as contínuas reduções de custos são um bom presságio para o futuro dos VEs

Autor: 16 de dezembro de 2021Mundo
Preço das baterias de íon-lítio cai 89% em 2021

Preço das baterias de íon-lítio caiu para US$ 132 / kWh em 2021. Foto: Envato Elements

Segundo pesquisa realizada pela BNEF (BloombergNEF), os preços das baterias de íon-lítio, que estavam acima de US$ 1.200 / kWh em 2010, caíram para US$ 132 / kWh em 2021, ou seja, uma redução de 89%.

Isso representa também uma queda de 6% em relação aos US$ 140 / kWh em 2020. As contínuas reduções de custos são um bom presságio para o futuro dos VEs (veículos elétricos), que dependem da tecnologia de íon de lítio, apontou o estudo.

No entanto, a BNEF relatou que o impacto do aumento dos preços das commodities e do aumento dos custos dos principais materiais, como eletrólitos, pressionou a indústria na segunda metade do ano.

Esses valores são uma média de vários usos finais de bateria, incluindo diferentes tipos de VEs, ônibus e projetos de armazenamento estacionário. Para pacotes de BEVs (carros elétricos com bateria) em particular, os preços eram de US$ 118 / kWh em uma base média ponderada por volume em 2021.

No nível de célula, os preços médios de BEVs eram de apenas US$ 97 / kWh. De acordo com a BloombergNEF, isso indica que, em média, as células representam 82% do preço total da embalagem.

Em uma base regional, os custos das baterias eram mais baratos na China, US$ 111 / kWh. Os pacotes nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo, são 40% e 60% mais caros, respectivamente. Isso reflete, na visão da BNEF, a relativa imaturidade desses mercados, a diversificada gama de aplicações e, para o limite superior da gama, baixo volume e pedidos sob medida.

Leia mais: Preço da bateria de lítio deve cair 68% até 2050

Mais dados

O relatório ainda mostra que os preços das baterias de íon-lítio continuaram caindo em 2021 à medida que a adoção da química catódica de baixo custo, conhecida como fosfato de ferro-lítio (LFP), aumentou e o uso de cobalto em cátodos à base de níquel continuou a diminuir. Em média, as células LFP eram quase 30% mais baratas do que as células NMC (níquel-cobalto-manganês) em 2021.

Porém, mesmo produtos químicos de baixo custo como o LFP, que está particularmente exposto aos preços do carbonato de lítio, sentiram a “mordida” dos custos crescentes em toda a cadeia de abastecimento. Desde setembro, os produtores chineses aumentaram os preços LFP entre 10-20%.

Com base em tendências históricas, a BNEF prevê que em 2024 os preços médios das embalagens deverão ser inferiores a US$ 100 / kWh. É em torno deste ponto de preço que os fabricantes de automóveis devem ser capazes de produzir e vender VEs para o mercado de massa ao mesmo preço (e com a mesma margem) como veículos de combustão interna comparáveis ​​em alguns mercados.

Entretanto, a BloombergNEF afirmou que os valores mais altos das matérias-primas significam que, no curto prazo, os preços médios das embalagens podem subir para US$ 135 / kWh em 2022 em termos nominais. Na ausência de outras melhorias que possam mitigar esse impacto, isso pode significar que o ponto em que os preços caem abaixo de US$ 100 / kWh pode ser adiado em dois anos.

Consequentemente, nas projeções da empresa, isso afetaria a acessibilidade do veículo elétrico ou as margens dos fabricantes e poderia prejudicar a economia dos projetos de armazenamento de energia.

“Embora os preços das baterias de íon-lítio tenham caído de modo geral em 2021, na segunda metade do ano os valores aumentaram. Estimamos que, em média, o preço de uma célula NMC (811) seja US$ 10 / kWh mais alto no quarto trimestre do que nos primeiros três meses do ano, com preços agora fechando em US$ 110 / kWh”, disse James Frith, chefe de pesquisa de armazenamento de energia da BNEF e principal autor do relatório.

“Isso cria um ambiente difícil para os fabricantes de automóveis, especialmente aqueles na Europa, que precisam aumentar as vendas de VEs para atender aos padrões de emissões médios da frota. Essas montadoras podem agora ter que fazer uma escolha entre reduzir suas margens ou repassar custos, sob o risco de adiar a compra de um VE”, completou.

Para Kwasi Ampofo, chefe de metais e mineração da BloombergNEF, os preços do lítio aumentaram substancialmente este ano como resultado de restrições nas cadeias de fornecimento globais, aumento da demanda na China e Europa e as recentes restrições à produção no país asiático.

“O caminho para alcançar US$ 100 / kWh é claro, embora o momento agora pareça mais incerto. Em 2021, uma onda de fabricantes de automóveis lançou roteiros de tecnologia de bateria delineando como os preços podem ser reduzidos abaixo de US$ 100 / kWh. Empresas como a Renault e a Ford anunciaram publicamente metas de US$ 80 / kWh até 2030”, relatou.

Conclusão

A pesquisa da BNEF concluiu que o investimento contínuo em P&D, com a expansão da capacidade em toda a cadeia de abastecimento, ajudará a melhorar a tecnologia de baterias e reduzir os custos na próxima década.

A BloombergNEF espera que as tecnologias de próxima geração, como silício e ânodos de metal de lítio, eletrólitos de estado sólido e novos materiais catódicos e processos de fabricação de células, desempenhem um papel importante na viabilização dessas reduções de preço.

Leia mais: Como adaptar um sistema fotovoltaico existente para o uso com baterias

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.