29 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Projetos híbridos e flutuantes ganharão espaço a partir do 2º trimestre

Gerente geral da TBEA avalia que redução no preço das baterias e custo-benefício das usinas flutuantes explicam projeções

Autor: 11 de janeiro de 2024janeiro 12th, 2024Entrevistas
4 minutos de leitura
Projetos híbridos e flutuantes ganharão espaço a partir do 2º trimestre

Antônio Salgueiro, gerente geral da TBEA. Foto: TBEA/Divulgação

Depois de um primeiro semestre de 2023 desafiador e que foi impactado por uma série de fatores regulatórios, econômicos e climáticos, o setor de energia solar viu na queda recorde de preços dos painéis solares uma melhora gradativa nos segmentos de geração distribuída e centralizada. 

Para 2024, esse cenário segue otimista e com perspectivas de crescimento para projetos híbridos e usinas de energia solar flutuante, sobretudo a partir de Q2, no segundo trimestre do ano. 

Essa é a avaliação de Antônio Salgueiro, gerente geral da TBEA, fabricante chinesa de equipamentos fotovoltaicos, transformadores e equipamentos de qualidade de energia, que atua no Brasil há três anos e que promete elevar ainda mais os investimentos no país em 2024. 

“Como as regras para as flutuantes permite que se faça projetos de grande porte, nas mesmas regras de GD, a solução acaba sendo bastante efetiva”, disse ele. 

“Podemos fazer uma centena de usinas flutuantes juntas, num parque bem grande, divididos em transformadores de 1 MW, por exemplo, e trabalhar com tarifas muito interessantes”, complementou. 

Com relação às soluções em armazenamento de energia, Salgueiro disse que não só a TBEA, como todo o mercado fotovoltaico, está intensificando investimentos em projetos com o uso de baterias para 2024.

A TBEA, por exemplo, vai intensificar a venda de aplicações em BESS, em razão da redução do preço das baterias no mercado internacional e do maior interesse do mercado na solução, sobretudo em países da América Latina como Chile, Colômbia e agora Brasil. 

“A solução de BESS sempre  sofreu com a questão de viabilidade pelo alto Capex. Mas agora, com a baixa do preço das baterias, começa a ficar interessante”, afirmou ele. 

Parceria e investimentos

O gerente geral disse também ao Canal Solar que a TBEA está num momento de crescimento e de consolidação da marca no país. Ele revelou que, somente neste final de ano, a fabricante passou a comissionar mais de 750 MWac de inversores e subestações em plantas de geração centralizada.   

Outras plantas como as usinas solares de Nova Olinda, no município de Ribeira do Piauí, há cerca de 290 km de Teresina (PI), já operam a mais de seis meses com inversores centrais da TBEA, estando estas listadas por três meses consecutivos entre as melhores plantas do mercado em termos de fator de capacidade, num total de 930 mil painéis solares operando em uma área de 690 hectares. 

Parque solar de Nova Olinda, no Piauí. Foto: TBEA/Divulgação

Além disso, o executivo comentou que a TBEA se preparou em 2023 para atingir grandes objetivos em 2024. Na Intersolar South America, a empresa firmou acordos da ordem de 3,5 GWac com empresas como a Aurora, Elétron, Kroma e Próton. 

A empresa também está realizando investimentos em seu time de marketing, engenharia e financeiro, com o objetivo de terminar o ano como uma das três maiores fabricantes do segmento de inversores para usinas centralizadas no Brasil. 

“Estamos deixando a marca mais robusta e trabalhando na construção do pós-venda, que para nós é uma etapa indispensável, ainda mais no mercado de inversores”, disse ele.

“Também estamos trazendo produtos que os nossos concorrentes não têm, como skids e transformadores, fabricados por nós mesmos, onde já ultrapassamos vendas de mais 1,5 GWac deste tipo de equipamento no Brasil”, finalizou Salgueiro. 

Novidades da TBEA sendo apresentadas na Intersolar. Foto: TBEA/Divulgação


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.