7 de maio de 2021

Carrinho

Vinícola no RS foi a primeira da América Latina a usar energia solar

No projeto inicial, foi investido R$ 1,3 milhão para implementar 600 painéis fotovoltaicos

Autor: 12 de março de 2021Brasil
Vinícola no RS foi a primeira da América Latina a usar energia solar

A vinícola Guatambu, localizada na cidade de Dom Pedrito (RS), é a primeira da América Latina a operar por meio da energia solar. 

Ao todo, o sistema fotovoltaico da vinícola possui 600 painéis Canadian e quatro inversores ABB. A economia gerada é de cerca de 85% na conta de energia elétrica. 

A implantação do sistema fotovoltaico foi feita pela Inove Energias Renováveis, fornecedora de soluções e eficiência energética, e possui uma capacidade de geração de energia anual de 180 MW a 200 MW.

Segundo Valter José Potter, proprietário e diretor da vinícola, o incentivo para gerar a própria energia foi o elevado custo com a conta de luz da vinícola e a vontade de produzir energia limpa e renovável.

A energia fotovoltaica não foi a primeira opção de Potter, porém se tornou a mais viável economicamente. Antes da implementação das usinas, foram feitos estudos para a viabilidade de energia eólica. 

“Após um ano e meio de estudo, veio o veredicto: vento médio. Em resumo, precisaria de um grande investimento em geradores eólicos que demorariam entre 15 e 20 anos para se pagar. Na sequência, partimos para o projeto de energia solar. Instalamos um piloto de 18 placas solares para pesquisa e testes durante dois anos e meio e foi um sucesso”, explica o proprietário.

Em 2016, foram investidos R$ 1,3 milhão para a implementação de um parque solar com 600 painéis fotovoltaicos, com o retorno previsto de aproximadamente seis anos.

“Estou muito satisfeito com o investimento, tanto que já estamos investindo em mais um parque solar a fim de atender outras demandas da fazenda, como a secagem de grãos, bombas de irrigação e o pivô central”, afirma o proprietário. 

A vinícola já está prevendo chegar a mil painéis solares instalados, a meta é que todo o empreendimento seja autossuficiente, incluindo a pecuária e a agricultura. 

O sistema, além da economia com energia, reduz a emissão de poluentes e devolve à rede de energia sua produção excedente. A iniciativa de gerar a própria energia através da luz solar inspirou os outros negócios da região.  

“No início, os outros proprietários acreditaram que seria algo fora de contexto, hoje já tem umas 108 casas, sete a oito fazendas com painéis solares, na região. Também prédios comerciais, engenho de arroz, e mesmo um hospital da Santa Casa, de São Gabriel”, afirma Potter.

Giuliana Olivieri

Giuliana Olivieri

Jornalista com experiência em produção de programa de entrevistas, reportagens diárias e edição de áudio. Graduanda em Comunicação Social na PUC-Campinas.

Comentar