5 de julho de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.09GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 11,3W

1ª fase do Programa Mais Luz para a Amazônia beneficiará 4,3 mil famílias 

Iniciativa do Governo Federal busca levar energia limpa à população da Amazônia Legal por meio das placas solares 

Autor: 29 de setembro de 2021Brasil
1ª fase do Programa Mais Luz para a Amazônia beneficiará 4,3 mil famílias 

O MME (Ministério de Minas e Energia) entregou, nesta quarta-feira (29), as primeiras ligações de energia elétrica do Programa Mais Luz para a Amazônia nos municípios da Ilha do Marajó, no estado do Pará.

Os investimentos na região, nesta primeira etapa do programa, somam mais de R$ 98 milhões. O montante será usado para atender mais de 4,3 mil famílias que vivem sem eletricidade nas cidades de Bagre, Breves, Chaves, Curralinho e Melgaço.

De acordo com o Ministério, também está em andamento a instalação de 9 mil sistemas de geração fotovoltaica nos municípios de Curralinho, Portel e Melgaço. O custo total da primeira etapa é de R$ 361 milhões, sendo R$ 325 milhões provenientes do Governo Federal.

Segundo o ministério, paralelamente à instalação da energia nestes três municípios, novos contratos serão firmados com a distribuidora Equatorial Pará para garantir a extensão do benefício aos 16 municípios do arquipélago, incluindo residências, postos de saúde, escolas, igrejas e demais unidades de uso comunitário.

Mais Luz para a Amazônia 

Lançado em fevereiro de 2020, o programa Mais Luz para a Amazônia tem como objetivo levar energia limpa e renovável à população de regiões remotas dos estados que compõem a Amazônia Legal e que ainda não têm acesso à energia elétrica, como Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Tocantins e Maranhão.

A iniciativa prevê a utilização de fontes renováveis de geração de energia elétrica e a substituição de pequenos geradores de energia elétrica a diesel ou gasolina, que hoje são a única fonte de energia elétrica de muitas famílias que vivem nestas regiões.

Leia também: MME aprova manual do Programa Mais Luz para a Amazônia.

O principal objetivo é contribuir para a redução da emissão de gases de efeito estufa e incentivar o uso sustentável dos recursos da floresta amazônica. O serviço será oferecido por meio da instalação de painéis fotovoltaicos.

O programa ainda destinará recursos a projetos que visem o atendimento de domicílios situados nas regiões remotas da Amazônia Legal, e privilegiará o caráter social do investimento. 

Segundo o MME, a próxima etapa do programa já está em andamento e vai levar energia para as famílias que moram em áreas remotas nos estados do Amazonas, Maranhão e Rondônia.

Nova linha de transmissão 

Também nesta quarta-feira, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, inaugurou, em Boa Vista (RR), juntamente com o presidente Jair Bolsonaro, a Usina Termelétrica Jaguatirica II e a pedra fundamental para construção da linha de transmissão que conectará Roraima ao Sistema Interligado Nacional (SIN). 

O Linhão tem extensão de aproximadamente 715 km, sendo 425 km no estado de Roraima e 290 km no Amazonas. De acordo com  o governo, cerca de 122 km da linha de transmissão cruzam a terra indígena Waimiri Atroari, margeando a BR-174, rodovia federal que liga as duas capitais. 

O processo de licenciamento terá que atender às regulamentações nacionais e internacionais. “Estão previstos 36 meses para conclusão do empreendimento”, informou Bento Albuquerque, durante a cerimônia. 

 

Crédito da imagem: Amazonas Energia.

Henrique Hein

Henrique Hein

Atuou como repórter no jornal Correio Popular e na Rádio Trianon. Possui experiência em produção de podcast, programas de rádio, entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Acompanha o setor de energia solar fotovoltaica, cobrindo as editorias de Mercado e Tendências; Negócios e Empresas; Cases e Bastidores da Política.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.