Alta na tarifa é janela de oportunidade para investimento em energia solar

Em Minas Gerais, a fatura deverá ficar 11% mais cara, de acordo com a Cemig
Canal Solar Alta na tarifa é janela de oportunidade para investimento em energia solar
Tarifa de energia em Minas poderá superar, facilmente, o valor de R$ 1 por kWh. Foto: Prefeitura de Bom Despacho/Divulgação

As tarifas elétricas residenciais registraram aumento de 70% nos últimos oito anos, entre 2015 e 2022. A elevação supera uma inflação de 58% (IPCA) e de 9% no mercado livre de energia, no mesmo período, de acordo com uma recente pesquisa da Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia).

Em 2023, em Minas Gerais, a fatura deverá ficar 11% mais cara, de acordo com a Cemig, superando, e muito, os 5,96% previstos para o IPCA para o ano.

A alta resulta de diversos fatores, entre eles a liminar concedida pelo STF (Supremo Tribunal Federal) suspendendo o cálculo diferenciado na cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o setor de energia elétrica.

Em Minas, a tarifa sem os tributos atualmente é de R $0,653 por kWh consumido. Com os impostos, o valor passa para aproximadamente R$ 0,833 por kWh gasto.

Os mineiros também sentirão o impacto de outra norma. A ANEEL autoriza as empresas de energia elétrica a aplicar uma revisão tarifária a cada quatro anos, e em abril, a Cemig deverá divulgar em quanto ficará este aumento.

Ou seja, a tarifa de energia em Minas poderá superar, facilmente, o valor de R$ 1 por kWh, sem considerar a aplicação das “bandeiras tarifárias” usadas como forma de tentar inibir o consumo de energia elétrica nos meses de estiagem.

Neste cenário, o investimento em energia solar se torna cada vez mais atraente e acessível, com linhas de crédito generosas.

Do ponto de vista econômico, o dinheiro aplicado para a compra e instalação dos equipamentos começa a “se pagar” já no primeiro dia de uso, com payback de quatro a sete anos, dependendo do estado onde está instalado.

Como a vida útil das placas é de até 25 anos, o usuário pagará apenas a taxa de uso da rede de energia elétrica por um período de 18 a 21 anos.

Além disso, o excedente de energia produzida e não utilizada pode ser negociado com a própria empresa de distribuição local ou por meio de cooperativas, o que ajuda a reduzir o tempo de pagamento do montante investido.

Esta energia excedente pode ser usada até por quem não tem espaço para colocar as placas na propriedade. Por meio de cooperativas e planos de assinatura, é possível conseguir desconto médio na conta de luz de 10% a 20%, dependendo do contrato, desde que dentro da mesma área de concessão das operadoras.

Independentemente da solução escolhida para adotar a energia solar, o bolso e o planeta agradecem.


As opiniões e informações expressas são de exclusiva responsabilidade do autor e não obrigatoriamente representam a posição oficial do Canal Solar.

Imagem de Bruno Catta Preta
Bruno Catta Preta
Bruno Catta Preta, diretor de relações institucionais da Genyx. Coordenador da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar) em Minas Gerais. Graduação em Administração de Empresas.

Uma resposta

  1. Vida útil das placas 25 anos???

    Este é o período da garantia de performance, ou seja período que o fabricante garante que o painel irá gerar acima de 80% da potência nominal da placa.
    No caso da AE Solar, são 30 anos.

    A partir deste período a placa continua gerando e depende da degradação do silício, material da célula fotovoltaica, e da qualidade da fabricação, para que não tenha aquecimentos, principalmente nas conexões entre células, que acelera a degradação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal