22 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,80GW

ANEEL aprova 1º projeto de armazenamento de energia em larga escala

As baterias de lítio serão instaladas na subestação Registro, da ISA CTEEP, em uma área de cerca de 4 mil m²

Autor: 17 de novembro de 2021Brasil
ANEEL aprova 1º projeto de armazenamento de energia em larga escala

Imagem ilustrativa do sistema de armazenamento de energia em baterias da ISA CTEEP. Foto: divulgação

A ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou, nesta terça-feira (16), o primeiro projeto de armazenamento de energia em larga escala do sistema de transmissão brasileiro.

As baterias de lítio serão instaladas na subestação Registro (SP), da ISA CTEEP, em uma área de aproximadamente 4 mil m², com porte equivalente a cerca de 30 contêineres.

As mesmas terão 30 MW de potência – o que garante o atendimento da demanda máxima do Litoral Sul, de 400 MW, beneficiando em torno de dois milhões de pessoas.

De acordo com a empresa, a tecnologia vai atuar nos momentos de pico de consumo, como um reforço à rede elétrica, assegurando energia adicional por até duas horas, totalizando 60 MWh.

“O projeto é um marco histórico para o setor elétrico e servirá como um laboratório de inovação, promovendo debates sobre como inserir armazenamento de energia em baterias, sobretudo pela sua capacidade de resposta imediata e por sua elevada flexibilidade operativa, necessária à rede de transmissão”, disse Rui Chammas, diretor-presidente da ISA CTEEP.

Imagem ilustrativa do sistema de armazenamento de energia em baterias da ISA CTEEP. Foto: divulgação

O investimento autorizado pelo regulador é de cerca de R$ 146 milhões e a previsão de entrega da obra é novembro de 2022, a fim de atender à demanda do Verão a partir de 2022/2023. A RAP (Receita Anual Permitida) devido à implantação do empreendimento será de aproximadamente R$ 27 milhões.

“O armazenamento atua como back-up para manter o suprimento de energia elétrica em momentos de pico de consumo, colaborando para o menor acionamento das usinas térmicas. Com este projeto, reforçamos ainda mais o nosso propósito de gerar valor sustentável”, destacou.

Leia mais: Armazenamento de energia no Brasil: o que falta para decolar?

No caso do sistema da ISA CTEEP, há baixo impacto ambiental, pois evitará aplicação de soluções que necessitem de geração a diesel – seriam precisos 350 mil litros do combustível para um uso equivalente, afirmou a companhia.

Ademais, ressaltaram que, com as baterias, será evitada a emissão de 1.194 toneladas de gases de efeito estufa, em dois anos da tecnologia em operação, bem como a realização de obras em áreas de preservação ambiental, como o Parque Estadual da Serra do Mar. Ainda, até a implantação do sistema, há estimativa de serem gerados cerca de 400 empregos diretos.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

3 comentários

  • Rogerio disse:

    Mateus parabéns pela importante matéria sobre armazenamento de energia.

  • Juliano disse:

    27 milhões por ano para suprimento de 30MW por 2h no verão. Será que é a tecnologia q precisamos? Será que não podíamos flexibilizar a geração solar distribuída? Seria Quem pagará essa rap serão todos os lares brasileiros incluindo os que não se beneficiarão.

  • Carlos Torres disse:

    Mais que na hora de o país dar um passo a frente! É maravilhoso e espero que expanda rápido para todos os pontos do país até que a bateria
    se torne barata e o consumidor comum use em seus pequenos sistemas solares, por que não? Se analisarmos essa situação, é mais
    obrigação que inovação. O país precisa disso desde o governo FHC quando houve o apagão. Mas é maravilhoso, projeto interessante!

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.