4 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

APsystems se mantém à frente na compatibilidade com novos módulos FV

Ecori explica o ciclo de renovação tecnológica da fabricante, que está acompanhando as tendências do mercado mundial

Autor: 12 de setembro de 2022novembro 30th, 2022Tecnologia e P&D
4 minutos de leitura
APsystems se mantém à frente na compatibilidade com novos módulos FV

Estande da Ecori na Intersolar South America 2021. Foto: Reprodução

A Ecori Energia Solar, maior distribuidora da APsystems no mundo, permanece acompanhando o movimento acelerado da expansão de módulos de alta potência, que são uma tendência no mercado mundial.

“Na edição 2021 da Intersolar, trouxemos dois lançamentos da APsystems: o DS3D (microinversor monofásico de 2000 W) e o QT2D (microinversor de maior potência do mundo, com 3600 W para configurações trifásicas)”, contou Rodrigo Matias, diretor comercial da Ecori.

“Esses dois equipamentos acompanham o movimento de expansão de potência de módulos e, mais do que isso, mantêm o mercado brasileiro preparado para módulos com mais potência, buscando uma eficiência cada vez maior de watts por metro quadrado”, explicou.

Segundo Matias, é importante destacar a velocidade que o setor está ganhando em termos de evolução de tecnologia. “De 2020 para 2021, a Ecori trouxe para o mercado os módulos de 500 W. Agora, em 2022, mais uma vez reforçamos nosso pioneirismo ao apresentar os de 665 W”, enfatizou.

DS3D e o QT2D: lançamentos da APsystems na Intersolar 2021. Foto: Reprodução

DS3D e o QT2D: lançamentos da APsystems na Intersolar 2021. Foto: Reprodução

Com esse dinamismo, de acordo com a empresa, o mercado brasileiro de inversores fotovoltaicos precisa se manter compatível com os módulos cada vez mais potentes. Por isso, com microinversores com corrente de entrada de 20 A por canal, a APsystems mantém a compatibilidade de seu portfólio com módulos com correntes em torno de 18 A, como é o caso dos painéis de 665 W atuais.

“A mudança não ocorre apenas por uma questão técnica, mas também por aspectos estratégicos, uma vez que a APsystems já está preparada para o futuro dos painéis de potência ainda mais alta que 665 W”, afirmaram.

“De olho no futuro, precisamos pensar em equipamentos que trabalhem com os módulos de mais alta potência disponíveis no mercado, como é o caso do DS3D e do QT2D. Além disso, temos que estar preparados para tecnologias de maior potência de módulos fotovoltaicos que certamente virão pela frente”, relatou.

Segundo ele, é importante dizer que o mercado brasileiro continua caminhando na direção dos painéis mais potentes disponíveis e isto se encaixa perfeitamente na proposta do ciclo de renovação tecnológica da APsystems.

“Uma tecnologia como essa prevê, justamente, um ciclo muito longo de operação do sistema com baixíssimo investimento, acompanhando tudo que vai acontecer em termos de desenvolvimento tecnológico”, finalizou.

Detalhamento técnico

João Souza, engenheiro responsável técnico da Ecori, ressaltou que a mudança no portfólio da APsystems não é apenas técnica. A modificação é bem significativa, mas também há ajustes de aspecto comercial e estratégico.

“Do ponto de vista técnico, a gente vê uma mudança na questão da própria eletrônica de potência embarcada, na redução em 25% dos componentes eletrônicos que estão dentro do produto e a disposição física dos dispositivos de modo a promover maior dissipação térmica”, comentou.

“Os módulos fotovoltaicos evoluíram muito rapidamente e foi um avanço bem expressivo, que faz muita diferença. Até pouco tempo atrás os módulos fotovoltaicos de maior disponibilidade no mercado eram os de 330 W”, exemplificou.

Evolução dos inversores

Com essa rápida evolução de potência dos módulos, é fundamental que os inversores fotovoltaicos também consigam acompanhar esse desenvolvimento.

“Sempre de olho no que há de mais tecnológico, a APsystems saiu na frente do mercado ao lançar os microinversores multimódulos, que são uma tendência”, disse a companhia.

Além de ser a única fabricante de microinversores trifásicos, o modelo QT2D, que é a sua segunda geração de microinversores trifásicos, também é o microinversor com maior potência (3600 W) do mercado. Ele possui quatro canais de entrada e capacidade para oito módulos de alta potência, como por exemplo os de 665W.

“Aumentamos a potência do equipamento, mantendo o tamanho e reduzindo a quantidade de componentes. Uma mudança de estratégia para trabalhar com quatro entradas e oito módulos com potências até superiores a 665 W”, esclareceu Souza.

“Daqui a pouco, teremos painéis com potências ainda maiores e esses equipamentos não estarão obsoletos. Sabemos que cada vez mais os módulos estão aumentando sua potência e esse novo portfólio da APsystems, apresentado na Intersolar do ano passado, está mais do que preparado para isso e para o que vier pela frente”, concluiu.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.