6 de julho de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.09GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 11,3W

Atraso na homologação de sistemas FV prejudica consumidores

No Brasil, distribuidoras de energia levam meses para agendar vistorias técnicas e ligar sistemas já instalados

Autor: 2 de junho de 2022Notícias
Atraso na homologação de sistemas FV prejudica consumidores

Residência com sistema de energia solar instalado e homologado. Foto: Canal Solar

Com colaboração de Ericka Araújo

Tony Saad, CEO da Sunset Engenharia Elétrica Fotovoltaica, há anos trabalha com a comercialização de sistemas de energia solar para clientes do mercado de GD (geração distribuída) na região da Grande São Paulo. 

Com a popularização da tecnologia, o número de pedidos tem aumentado, acompanhado pelo iminente crescimento da empresa. 

No entanto, apesar dos bons resultados obtidos, algo que não muda em sua rotina são as constantes reclamações de clientes com relação às eventuais demoras da Enel-SP no processo de homologação dos sistemas vendidos pela companhia.

“A nossa sorte é que os clientes sabem que usufruirão do sistema por mais de 20 anos. Então, esse atraso inicial de alguns meses, se torna um pouco menos amargo, mas há clientes que já acumulam mais de R$ 3 mil em prejuízos com o sistema parado”, explica Saad. 

Ele conta ainda que, em alguns casos, há demora da distribuidora em realizar uma vistoria técnica aos clientes ultrapassa os 120 dias.

“Tenho um caso atrasado há mais de quatro meses e que já passou pela Ouvidoria da Enel, da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) e, agora está no Procon, que pediu prazo para dar uma resposta até dia 6 deste junho”, conta ele.

Apesar de grave, a situação vivenciada por Saad está longe de ser apenas um caso isolado, já que outros integradores ouvidos pelo Canal Solar também denunciam problemas com essa e outras distribuidoras

“Eu tenho obras no Rio de Janeiro, nas quais a Enel está empurrando com a barriga há quatro meses. Os clientes já entraram com processo e nós já envolvemos à ANEEL. Por enquanto, não tivemos resultados”, afirma Othon Procópio, engenheiro de aplicação da Solis Solar.

“Também já tivemos problemas com a Light por demora de resposta e descumprimentos de prazo em mais de três meses. O cliente liga e muitas vezes o funcionário fala que não pode ajudar, mas que se ele quiser pode continuar tentando ligar. É um absurdo!”, reforçou ele. 

No Reclame Aqui, um dos principais sites do país de questionamentos contra empresas sobre atendimento, compra, venda, produtos e serviços, diversas reclamações contra a maioria das distribuidoras do país são registradas todas as semanas quando o assunto se refere ao atraso na homologação de sistemas fotovoltaicos em usinas de GD.

Homologação de sistemas FV

Reclamações recentes de consumidores contra as distribuidoras. Foto: Reprodução/Reclame Aqui

Procuradas pelo Canal Solar, tanto a Enel quando a Light não responderam aos questionamentos feitos por e-mail até o momento da publicação da reportagem. 

Prazos e implicações 

De acordo com a Resolução Normativa n° 1.000 – o atual arcabouço regulatório em vigência no país – o prazo para análise dos projetos de GD para emissão do parecer de acesso é de 15 dias para os casos sem necessidade de obras na rede de distribuição de energia e de 30 dias para os casos onde há necessidade de obras. 

Já o prazo de análise dos projetos de minigeração é de até 45 dias, independente da necessidade de obras na rede, enquanto as consultas de acesso de análise tem prazo de 30 dias. 

A Resolução também prevê que a instalação do medidor bidirecional  junto da vistoria, com os prazo para a realização do serviço condicionados a tensão do local, conforme abaixo:

  • 5 dias úteis em instalações com conexão até 2,3 kV;
  • 10 dias úteis em instalações com conexão entre 2,3 kV e 69 kV;
  • 15 dias úteis em instalações com conexão maior que 69 kV.

Casos a distribuidora desrespeita os prazos, pode ficar sujeita a penalidades. Porém, mesmo nos casos em que a distribuidora sofre penalizações, os consumidores acabam sendo prejudicados pela demora, já que ficam com sua geração pronta, mas sem a possibilidade de injeção na rede.

Henrique Hein

Henrique Hein

Atuou como repórter no jornal Correio Popular e na Rádio Trianon. Possui experiência em produção de podcast, programas de rádio, entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Acompanha o setor de energia solar fotovoltaica, cobrindo as editorias de Mercado e Tendências; Negócios e Empresas; Cases e Bastidores da Política.

3 comentários

  • Paulo César Amorim - Engenheiro eletricista disse:

    Senhores, ja ouvi relatos que tem gente ganhando dinheiro para adiantar processos, ou seja, quem paga tem resultados rápidos e quem não paga dança e que espere sentado pois vai demorar e muito. Que esses reclamações cheguem a PF, MP e outros e que se realmente existirem esses aproveitadores corruptos que paguem na forma da lei.

  • Obadias Alves Ferreira disse:

    Quais são os principais motivos de atraso
    alegados pela concessionárias?

  • Meu nome é Ivonildo, sou proprietário da JP Solar.
    Tenho vivenciado esta absurdo desde o ano passado. Este ano são 4 Instalações, 1 na Light e 3 na Enel que com atrasos desde fevereiro. Inclusive tivemos que protocolar novamente alguns pedidos, pois as ARTs venceram.
    Todos sabemos que hoje a indicação do cliente é o melhor marketing para divulgação de nossos serviços. E essa demora por parte das concessionárias esta frustrando nosso clientes e assim denegrindo a imagem de nossa empresa, pois ao fecharmos o negócio informamos o cronograma e o mesmo não está sendo cumprido.
    Nosso cliente geralmente financia o sistema e o não cumprimento do prazo pelas concessionarias acarreta o pagamento da conta de energia elétrica junto com a prestação do financimento.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.