24 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,8GW

Brasil é o segundo país da América do Sul em capacidade renovável

País fica atrás somente do Paraguai e à frente de nações como Uruguai e Colômbia, segundo estudo da KPMG

Autor: 5 de fevereiro de 2024Transição energética
3 minutos de leitura
Brasil é o segundo país da América do Sul em capacidade renovável

Energia solar têm sido uma das fontes protagonistas da transição energética no continente. Foto: Freepik

O Brasil é o segundo país com o maior percentual de capacidade instalada em energia renovável da América do Sul, com 78% de sua eletricidade sendo gerada por fontes com baixa ou nenhuma emissão de carbono, como solar e eólica. 

O país fica à frente de nações como Uruguai (70%) e Colômbia (68%), mas fica atrás do Paraguai, que já tem 100% de sua energia produzida por fontes limpas, segundo dados do estudo “Transição Energética na América do Sul, divulgado pela KPMG. 

Nos demais países do continente, como Equador, Chile, Peru e Argentina, a participação das renováveis (embora apresente crescimento significativo no último triênio) ainda não ultrapassou os 60% da capacidade total de geração. 

No caso do Paraguai, o bom desempenho ocorre devido à existência de três usinas hidrelétricas (Itaipu, Yacyretá e Acaray), responsáveis por quase a totalidade do consumo no país.

Paraguai tem 100% da energia gerada por fontes limpas, sobretudo hídricas. Foto: Bnamericas/Reprodução

A pesquisa, que se baseia em dados de 2010 a 2022 do Instituto de Energia, destaca também que a geração de energia limpa na América do Sul registrou taxas médias de crescimento 4%, 6%, e 9% nos anos de 2020, 2021 e 2022, respectivamente. 

De acordo com o levantamento, a ascensão das fontes renováveis na região foi impulsionada, principalmente, pelas políticas governamentais voltadas à diversificação da matriz energética.

As energias solar e eólica têm sido as protagonistas desse movimento, embora algumas fontes menos exploradas, como a geotérmica e a biomassa, também estejam ganhando espaço. 

Entre 2010 e 2019, a capacidade de geração de energia renovável na América do Sul, incluindo a hidrelétrica, cresceu de 147 milhões de kW para 220 milhões de kW, revelam os dados da pesquisa.

Desafios

Apesar dos avanços promissores, a América do Sul enfrenta desafios importantes para acelerar ainda mais a transição energética visando atingir os objetivos do Acordo de Paris. Entre eles, a necessidade de: 

  • Aprimorar políticas e regulamentações para fazer um direcionamento mais claro dos mercados na direção das energias renováveis;
  • Facilitar o acesso ao capital necessário para financiar projetos de energias renováveis, enfrentando questões macroeconômicas, como taxas de juros elevadas e inflação;
  • Acelerar a implementação de projetos de energia renovável;
  • Investir em soluções de armazenamento de energia, de modo a garantir o fornecimento contínuo de eletricidade oriunda de fontes intermitentes, como solar e eólica;
  • Mitigar os impactos das energias renováveis sobre a biodiversidade;
  • Facilitar a obtenção de licença social para operar, evitando assim potenciais conflitos com as comunidades locais.

“Para aproveitar plenamente esse potencial (renovável), é crucial superar as barreiras atuais e aprimorar a infraestrutura, garantir a estabilidade financeira e lidar com as questões socioeconômicas”, disse Manuel Fernandes, sócio-líder do setor de energia e recursos naturais da KPMG na América do Sul. 

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.