27 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.02GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Câmara dos Deputados adia votação do PL 5829

Proposta recebida com otimismo pelas entidades do setor deverá ser votada após o feriado de Tiradentes

Autor: 20 de abril de 2021Brasil
Câmara dos Deputados adia votação do PL 5829

A Câmara dos Deputados encerrou a sessão extraordinária desta terça-feira (20) sem votar o projeto de lei que visa a criação do Marco Legal da GD (geração distribuída) no Brasil.

O PL 5829, de autoria do deputado Silas Câmara (Republicanos-AM) e que tem como relator o deputado Lafayette Andrada (Republicanos/MG), deverá agora ser discutido somente após o feriado de Tiradentes, celebrado nesta quarta-feira (21).

“Não deve ser votado mais hoje. Pode ser votado na quinta (22) ou na semana que vem. Vamos continuar trabalhando. Hoje, o dia foi muito produtivo. Trouxemos muitos para o nosso lado”, destacou Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica),

Inicialmente, a proposta estava prevista para ser votada no início do ano passado, mas acabou sendo postergada devido à pandemia da Covid-19.

O tema foi retomado somente em dezembro, quando a Câmara votou pela urgência do texto, permitindo com que o documento pulasse algumas etapas dentro do processo de tramitação e fosse direto para votação em Plenário.

Nos últimos meses, o texto substitutivo apresentado por Lafayette tem motivado diversos debates sobre o assunto, com a realização de webinários e pesquisas. O parlamentar defende a aprovação do documento, alegando que ele ajudará a “democratizar o uso da energia solar no país”.

Segundo o relator, a aprovação é necessária tendo em vista que o país ainda não conta com uma legislação específica para o setor. O parlamentar também destacou, durante o webinário realizado pelo Canal Solar, que o texto é equilibrado e remunera as distribuidoras.

O texto substitutivo tem sido avaliado positivamente por associações e profissionais do setor. A proposta é vista com otimismo e a expectativa é que ela resolva o impasse da falta de uma legislação para o segmento de geração distribuída.

 Leia também: Profissionais recebem com otimismo o novo texto-base do PL 5829

Já os grandes grupos econômicos, formados em sua grande maioria pelas distribuidoras de energia, se mostraram contrários ao projeto. No entendimento das associações de GD, a rejeição ao texto tem como objetivo proteger as receitas e os lucros de monopólios que faturam pela energia elétrica consumida.

O que prevê o Marco Legal da GD?

O substitutivo apresentado pelo deputado Lafayette de Andrada propõe o pagamento gradual, pelos consumidores com geração distribuída, pelo uso da infraestrutura elétrica, por meio da chamada TUSD fio B das distribuidoras e concessionárias.

Adicionalmente, o texto estabelece ainda uma transição de dez anos para a mudança do regime em relação ao modelo atual, em linha com as diretrizes do Conselho Nacional de Política Energética.

As mudanças passariam a vigorar após 12 meses da publicação da Lei e garantem a manutenção das regras atuais aos consumidores pioneiros, trazendo mais segurança jurídica e regulatória aos consumidores que geram a própria energia elétrica renovável.

Para os sistemas de geração junto à carga, de geração compartilhada, EMUC, autoconsumo até 200 kW e as fontes renováveis despacháveis terão cronograma gradual de pagamento da TUSD Fio B que sobe de 0% em 2022 até 100% em 2033.

Henrique Hein

Henrique Hein

Atuou como repórter no jornal Correio Popular e na Rádio Trianon. Possui experiência em produção de podcast, programas de rádio, entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Acompanha o setor de energia solar fotovoltaica, cobrindo as editorias de Mercado e Tendências; Negócios e Empresas; Cases e Bastidores da Política.

Um comentário

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.