27 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.02GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Carregador bidirecional alimenta equipamentos e casas a partir do veículo elétrico

A Nissan exibiu durante o Electric Experience, evento dedicado a mobilidade elétrica, o Wallbox Quasar 7,4 kW.O carregador bidirecional com tecnologia V2G (Vehicle To Grid), fornecido pela Electric Mobility Brasil, possibilita carregar um veículo...
Autor: 3 de dezembro de 2021dezembro 6th, 2021Brasil
Carregador bidirecional alimenta equipamentos e casas a partir do veículo elétrico

Para demonstrar o funcionamento do Wallbox Quasar 7,4 k, foi utilizado o Nissan Leaf

A Nissan exibiu durante o Electric Experience, evento dedicado a mobilidade elétrica, o Wallbox Quasar 7,4 kW.

O carregador bidirecional com tecnologia V2G (Vehicle To Grid), fornecido pela Electric Mobility Brasil, possibilita carregar um veículo elétrico e enviar a energia armazenada no carro para a rede ou aparelhos elétricos.

Para demonstrar o funcionamento do carregador bidirecional, foi utilizado o Nissan Leaf – único veículo comercializado pela montadora no Brasil que permite a utilização deste tipo de carregador.

Durante a demonstração, o veículo forneceu energia para a mesa de som do DJ Bruno Martini. (Veja vídeo abaixo).

Eduardo José de Sousa, CEO da Electric Mobility, enfatiza que a principal vantagem do carregador V2G é suprir picos de energia.

“Durante a noite, o consumo de energia baixa bastante, mas existe um pico de energia durante a tarde, onde temos indústrias, ar-condicionados, escritórios funcionando e isso cria um grande pico de energia. O carro elétrico pode ser a solução para fornecer energia durante este pico. Ou seja, o veículo elétrico é carregado durante o dia e depois disponibiliza a energia armazenada para o consumo de eletricidade da casa durante a noite, suprindo este pico”.

Ele ainda destaca outros benefícios que a tecnologia traz para o setor elétrico. “Digo que a grande vantagem é aliviar grandes investimentos em infraestrutura, em geração em centrais elétricas, centrais hídricas, linha de transmissão, linha de distribuição. Ou seja, evitará estes custos futuros em infraestrutura de energia. Pode virar até um negócio para quem compra um carro, pois hoje já existem estudos para que consumidores vendam a energia gerada em casa. Então, poderá carregar o carro durante a noite, ou seja, você compra energia durante a noite, e durante a tarde poderá vender essa energia”, acrescenta.

Questionado se o equipamento pode ser usado para enviar energia armazenada no carro para a rede, Sousa explica que este tema já está sendo discutido pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). “Hoje já existem alguns painéis de discussão sobre como vai funcionar essa integração. A ANEEL já está analisando essa nova tecnologia, a V2G, e está reunindo informações para definir quais serão as regras e como deve funcionar”, conta.

O equipamento bidirecional que a Electric Mobility Brasil instalou no evento para a Nissan é fabricado pela Wallbox. A empresa já vendeu mais de 66 mil carregadores elétricos em todo o mundo de janeiro a setembro de 2021 e prevê fechar o ano com receitas globais em torno de USD $79 milhões. No Brasil, a Electric Mobility Brasil será a representante oficial no país da fabricante do carregador.

Funcionamento da tecnologia V2G

O V2G é uma tecnologia de carregamento bidirecional, que pode transformar um veículo elétrico em uma bateria sobre rodas, permitindo que um carro elétrico seja carregado e retorne a energia armazenada no veículo de volta à rede elétrica, se necessário. A técnica foi pioneira no Japão.

O carregador bidirecional pode ser programado para se comportar como uma fonte de energia conectada em paralelo à rede, assim como os inversores solares on-grid fazem. O sistema tem sua injeção de potência controlada através de aplicativos ou pela própria interface com o carro. Dessa forma, é possível programar quanta potência o usuário deseja que o seu veículo descarregue na rede, ou ainda os horários de carga e descarga preferidos. O exemplo mostrado na reportagem atinge até 7,4 kW de potência de descarga e pode ser controlado pelo celular ou diretamente pelo veículo.

“Podemos enxergar o V2G como um sistema de baterias assim como os usados em soluções híbridas ou off-grid no solar, ou seja, com o auxílio de sensores e do próprio carregador bidirecional do veículo, podemos implementar soluções de backup quando há falta de energia na rede pública, ou ainda, como um meio de prover alívio nas contas dos clientes que pagam tarifas horárias mais caras durante o período de pico”, explica o engenheiro eletricista Mateus Vinturini.

“A possibilidade de usar o seu veículo como bateria nesses cenários aumenta ainda mais a importância de entendermos os sistemas híbridos e como podemos nos beneficiar deles. Sem dúvida alguma, o V2G é uma tecnologia disruptiva que deve mudar a maneira como entendemos o papel do veículo elétrico e do armazenamento de energia no geral”, conclui.

Ericka Araújo

Ericka Araújo

Desde 2020, acompanha o mercado fotovoltaico. Possui experiência em produção de podcast, programas de entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Em 2019, recebeu o Prêmio Jornalista Tropical 2019 pela SBMT (Sociedade Brasileira de Medicina Tropical) e o Prêmio FEAC de Jornalismo. Já atuou como repórter e apresentadora da Rádio Brasil Campinas. Formada pela PUC Campinas.

Um comentário

  • Marcos disse:

    São Incríveis as possibilidades do mercado de energia pelos anos vindouros. Estou com um ano como prossumidor e desde então lendo muito sobre esse mundo. Torço para que nosso país estabeleça políticas que continuem a favorecer os investimentos das Pessoas Físicas e Jurídicas no avanço energético e sustentabilidade.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.