21 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,80GW

China aposta no setor elétrico brasileiro

Atualmente, grande empresas chinesas já atuam no mercado fotovoltaico brasileiro

Autor: 7 de outubro de 2020outubro 28th, 2020Brasil
China aposta no setor elétrico brasileiro

A relação entre Brasil e China segue se estreitando cada vez mais. A diretora-executiva do Conselho Empresarial Brasil-China, Claudia Trevisan, revelou, na semana passada, em painel temático realizado no Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico, que cerca de 43% do estoque de investimentos chineses no Brasil são destinados ao setor elétrico.

“Houve um aumento expressivo que transformou o segmento no principal pilar dos investimentos chineses no Brasil”, explicou Claudia.

O setor de petróleo e gás vem em seguida, com 28% dos aportes chineses. Segundo a diretora, há 20 anos a relação econômica entre os dois países era pequena, mas veio se intensificando e  em 2010 houve o maior volume de investimentos, um montante de US$ 13 bilhões.

Zhao Jianqiang, CEO da CTG (China Three Gorges Corporation) no Brasil, considera o país como um mercado fundamental e que quer ampliar a participação por aqui. O executivo diz se impressionar com o modo como o Brasil desenvolve o seu setor elétrico, baseado na energia limpa.

Já Qu Yuhui, ministro-conselheiro e porta-voz da embaixada da China no Brasil, lembrou que as  empresas chineses conseguiram êxito nas suas investidas no Brasil nos últimos anos, o que lhes deu experiência para a sua expansão. Para ele, o pós-pandemia traz desafios e oportunidades para os países emergentes.

Atualmente, grande empresas chinesas já atuam no mercado fotovoltaico brasileiro. Entre elas, a BYD, Risen, Trina, Jinko, JA Solar, DAH Solar e Yingli brigam por participação no mercado brasileiro com equipamentos importados.

Fernando Castro, diretor de vendas da Risen, destacou essa relação entre Brasil e China e comentou que o mercado fotovoltaico deve expandir mundialmente cada vez mais.

“Em nossos estudos, devido market share interno e outras condições favoráveis, a Índia, China, Estados Unidos e Brasil serão os líderes em compra de equipamentos de energia solar durante os próximos 10 a 20 anos”, acrescentou Castro.

 

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.