Como a China se tornou uma potência em energia solar?

Incentivos do governo, linha de crédito a preços atrativos foram alguns dos impulsionadores
3 minuto(s) de leitura
China domina energia solar
China domina o mercado de energia solar. Foto: Freepik/Reprodução

No mercado de energia solar, a China é conhecida por ser a maior potência mundial na fabricação e na exportação de equipamentos fotovoltaicos, revendendo produtos para todo o planeta.

Um estudo divulgado pela Wood Mackenzie aponta que a China será responsável por mais de 80% da capacidade global de fabricação de polisilício, wafer, células e módulos fotovoltaicos até 2026.

Esse domínio se dará mesmo com o crescimento de outros mercados, como dos Estados Unidos, da Índia e da União Europeia, que, nos últimos anos, passaram a adotar políticas mais agressivas de incentivo à produção desses insumos.  

Segundo o estudo, somente em 2023, a China teria investido mais de US$ 130 bilhões na indústria solar – o que ajuda a fazer com que a sua capacidade seja suficiente para atender à demanda anual de todo o planeta até 2032. 

No Brasil, inclusive, a maioria das marcas utilizadas pelos integradores e profissionais do setor vem do mercado chinês. 

Somente em 2023, foram mais de 20 GW em módulos fotovoltaicos importados da China – um volume 15% superior em relação a 2022, segundo dados da Infolink Consulting. 

Mudança de chave 

A China investe em fontes de energias limpas há bastante tempo. Contudo, o crescimento acelerado e que a fez desgarrar dos demais países para dominar de vez a cadeia global de energia solar teve início no começo desta década em meio a forte crise imobiliária que atingiu o país. 

Em 2021, o Grupo Evergrande surpreendeu a todos ao entrar com um pedido de proteção contra falência, o que causou uma turbulência gigantesca no segmento imobiliário chinês, que até hoje não se recuperou.  

Preocupado com os impactos econômicos, o governo da China precisou agir e a medida escolhida para conter a crise foi investir em novas tecnologias que poderiam dominar o mercado mundial num futuro não tão distante.

Assim, o trio tradicional de carros-chefe da economia na China: roupas, móveis e eletrodomésticos, deu lugar aos painéis solares, carros elétricos e baterias de lítio.

Nesse sentido, os incentivos de municípios foram fundamentais para a geração de produtos com custos menores, enquanto que os bancos estatais forneceram empréstimos a taxas de juros baixas.

Reação

Recentemente, a China anunciou que vai acelerar ainda mais a construção de fazendas de painéis solares, além de projetos eólicos e hidrelétricos, segundo o primeiro-ministro Li Qiang.

Em resposta à situação, o governo dos Estados Unidos colocou subsídios que cobrem grande parte do custo de fabricação de painéis solares e parte do custo da instalação. 

Já a Comissão Europeia, por sua vez, calculou no relatório de janeiro deste ano que empresas chinesas poderiam fabricar painéis solares de US$ 0,16 a US$ 0,19 por watt de capacidade de geração. 

 


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal