Em discurso na Cúpula de Líderes sobre o Clima, Brasil destaca fontes limpas

Presidente afirmou que país possui uma das matrizes energéticas mais limpas, com investimentos em energias renováveis
Em discurso na Cúpula de Líderes sobre o Clima, presidente destaca fontes limpas
Foto: Al Drago / Bloomberg

Nesta quinta-feira (22) e sexta (23), dirigentes de diversos países se reuniram na Cúpula de Líderes sobre o Clima, convocada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. 

O objetivo do encontro realizado virtualmente foi debater quais dever ser as principais medidas climáticas que as maiores economias do mundo planejam adotar nos próximos anos.

O presidente Jair Bolsonaro participou da reunião, por videoconferência do Palácio do Planalto, na manhã de quinta e iniciou seu discurso destacando que o Brasil ‘é detentor da maior biodiversidade do planeta e potência agro-ambiental e está na vanguarda do enfrentamento ao aquecimento global’.

Além disso, afirmou que a queima de combustíveis é o fator negativo que mais afeta o meio ambiente. “Ao discutirmos mudança do clima, não podemos esquecer a causa maior do problema: a queima de combustíveis fósseis ao longo dos últimos dois séculos”, disse.

Ele ainda ressaltou a participação das fontes limpas na matriz energética brasileira. “No presente, respondemos por menos de 3% das emissões globais anuais. Contamos com uma das matrizes energéticas mais limpas, com renovados investimentos em energia solar, eólica, hidráulica e biomassa”.

Meta ambiciosa

Durante o seu discurso, dirigido ao presidente Biden, Bolsonaro afirmou que determinou que a neutralidade climática do Brasil seja alcançada até 2050, antecipando em 10 anos a sinalização anterior.

“Entre as medidas necessárias para tanto, destaco aqui o compromisso de eliminar o desmatamento ilegal até 2030, com a plena e pronta aplicação do nosso Código Florestal. Com isso reduziremos em quase 50% nossas emissões até essa data”, disse.

Reconhecendo que será uma tarefa complexa, Bolsonaro destacou que medidas de comando e controle são vitais para alcançar esta meta. “Apesar das limitações orçamentárias do Governo, determinei o fortalecimento dos órgãos ambientais, duplicando os recursos destinados às ações de fiscalização”.

Antes de encerrar seu discurso, Bolsonaro ainda afirmou que “diante da magnitude dos obstáculos, inclusive financeiros, é fundamental poder contar com a contribuição de países, empresas, entidades e pessoas dispostas a atuar de maneira imediata, real e construtiva na solução desses problemas”.

Confira o discurso do presidente

Foto: Al Drago/Bloomberg

Imagem de Ericka Araújo
Ericka Araújo
Head de jornalismo do Canal Solar. Apresentadora do Papo Solar. Desde 2020, acompanha o mercado fotovoltaico. Possui experiência em produção de podcast, programas de entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Em 2019, recebeu o Prêmio Jornalista Tropical 2019 pela SBMT e o Prêmio FEAC de Jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal