2 de agosto de 2021

Carrinho

Ensaio de inversores fotovoltaicos e a sua vida útil

Inversores passam por diversos testes para garantir os princípios básicos de seu funcionamento

Autor: 9 de julho de 2020abril 30th, 2021Artigos técnicos
Ensaio de inversores fotovoltaicos e a sua vida útil

Os inversores fotovoltaicos são submetidos a uma série de exaustivos testes e ensaios em laboratório, a fim de garantir a melhor eficiência desses produtos quando expostos às situações do mundo real.

Essa não é uma exclusividade dos inversores. Todo produto industrializado possui testes e ensaios específicos para garantir o seu funcionamento para àquelas condições pré-estabelecidas de acordo com o seu propósito.

Por exemplo, um automóvel deverá possuir testes específicos e rígidos quanto à sua estabilidade, frenagem, impactos frontais e laterais, além de outros aspectos do veículo, simulando as condições do mundo real, que podem acontecer eventualmente.

Estes testes, além de garantir a maior proteção, conforto e experiência para os usuários, garantem também a vida útil dos produtos que compõe a sua montagem.

Levando esta analogia para o mundo da energia solar, os inversores também passam por diversos testes para garantir os princípios básicos de seu funcionamento.

Após realizados todos os testes e ensaios, os fabricantes devem encaminhar os seus produtos para as certificações locais, realizadas por órgãos competentes de cada país ou região, que assim como a própria empresa fabricante, entende que um determinado produto deverá cumprir algumas condições de funcionamento e segurança para que o mesmo seja comercializado, e assim chegue até a sua casa ou empresa.

Além dos testes previstos em normas, os fabricantes comprometidos com elevados padrões de qualidade, realizam ensaios extras, com o objetivo de assegurar que em hipótese alguma, os produtos não atinjam os níveis de confiabilidade exigidos pelo mercado.

A seguir, serão listados alguns destes ensaios adicionais.

  • Teste de impacto

Teste de impacto

O teste: O equipamento é submetido a um impacto de 10 Nm em locais em posições pré-definidas.

Objetivo: Garantir a resistência da carcaça, especialmente quando este for utilizado em ambientes comerciais e em instalações com pé-direito elevado.

  • Teste de Poeira

Teste de Poeira

O teste: Um ventilador é responsável por lançar uma fina camada de talco sobre o inversor.

Objetivo: Assegurar a impermeabilidade do equipamento à poeira.

  • Teste de performance em baixa temperatura

Teste de performance em baixa temperatura

O teste: O inversor é exposto à extremas flutuações na temperatura e umidade.

Objetivo: Garantir a robustez e funcionamento do inversor em localidades com condições climáticas extremas.

  • Teste de queda

Teste de queda

O teste: O equipamento é submetido a uma queda, de altura pré-definida em relação ao solo, em uma superfície sólida.

Objetivo: Assegurar além da resistência, a estabilidade do equipamento em caso de queda.

  • Teste de resistência aos raios ultra-violetas (UV)

Teste de resistência aos raios ultra violetas UV

O teste: O inversor é exposto por um longo período de tempo à luz solar de alta intensidade (em laboratório).

Objetivo: Garantir o funcionamento e vida útil do equipamento em ambientes onde não é possível realizar o abrigo dos inversores.

  • Teste de compatibilidade eletromagnética (EMC)

Teste de compatibilidade eletromagnética EMC

O teste: Observar os efeitos da radiação e emissões na frequência de 30 MHz à 1GHz.

Objetivo: Assegurar a compatibilidade com outros equipamentos eletrônicos, sem que haja qualquer tipo de interferência, seja de outros equipamentos no inversor, como do inversor em outros equipamentos.

  • Teste de grau de proteção

Teste de grau de proteção

O teste: Um spray de água atinge o Inversor em pleno funcionamento.

Objetivo: Garantir a proteção e vedação do equipamento quanto à entrada de água.

  • Teste de durabilidade

Teste de durabilidade

O teste: O equipamento é submetido a variações da temperatura ambiente de -20°C à +100°C.

Objetivo: Assegurar a resiliência do dispositivo, especialmente para instalações externas, onde o inversor é exposto às mais diversas condições climáticas.

  • Teste de salinidade

Teste de salinidade

O teste: Uma mistura salina é lançada em direção ao inversor por um longo período de tempo (dias).

Objetivo: Assegurar a resistência à corrosão, garantindo o melhor funcionamento do inversor em regiões com alta concentração de sal (regiões costeiras).

Conclusão

Testes como mostrados acima, têm como objetivo estressar os inversores de acordo com as condições que podem ser encontrados em campo, e atestando a qualidade, durabilidade e confiabilidade dos produtos.

É importante ressaltar que estes testes vão além do que as normas exigem (ex.: ABNT NBR 16149 e certificação INMETRO – Portaria n.º 004 de 2011), garantindo sempre a melhor performance, independente da região na qual o equipamento irá operar.

Assegura-se desta maneira, a vida útil elevada do equipamento, que pode ultrapassar os 20 anos de operação.

Vale lembrar que a Fronius, como uma das pioneiras no mercado de energia solar na Europa, possui inversores instalados e operantes desde meados dos anos 90.

Portanto, a atenção aos detalhes e a utilização de critérios de aceitação mais exigentes (além dos limites exigidos em norma) atestam que os equipamentos foram bem projetados, e estão prontos para suportar as condições de campo.

Benefício para os projetistas e os proprietários, que ganham maior confiabilidade e possibilidade de gerar mais energia em suas plantas fotovoltaicas.


Ariel Martins

Ariel Martins

Bacharelado em engenharia elétrica com mais de 8 anos de experiência em equipamentos de distribuição de baixa tensão, incluindo sistemas fotovoltaicos.

Comentar