27 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,82GW

Espírito Santo lançará programa de incentivo às fontes renováveis

Projeto realizado em parceria com a ABSOLAR visa atrair mais investimentos para o ES

Autor: 18 de novembro de 2020novembro 24th, 2020Brasil
Espírito Santo lançará programa de incentivo às fontes renováveis

O governo do Espírito Santo (ES), por meio da secretaria de Desenvolvimento, anunciou, durante o segundo episódio do ABSOLAR Inside by Intersolar, que lançará nos próximos dias um programa de geração de energia renováveis, o GERAR.

Segundo o anúncio, o projeto irá trabalhar alguns eixos de atuação, como regulamentação, desburocratização, incentivos tributários e acesso à rede, para permitir que todos os procedimentos realizados com as concessionárias seja simplificado, seja na parte de financiamentos ou desenvolvimento regional.

“Além de incentivar as renováveis, contribuindo com a redução das emissões de gases do efeito estufa, essa iniciativa possibilitará ter linhas de crédito para que possamos conseguir no Espírito Santo mais empresas atuando nessa área e dando uma contribuição na matriz energética”, disse Renato Casagrande, governador do estado.

Marcos Kneip, secretário de Desenvolvimento, também destacou que o GERAR está sendo implementado para que o investidor possa vir para o Estado e aplicar com segurança, agilidade e em um ambiente desburocratizado.

“É a vocação do Espírito Santo a geração fotovoltaica, uma vez que temos uma incidência solar muito importante para quem investe em GD (geração distribuída). Temos ainda um ambiente extremamente competitivo e sadio para todos aqueles que querem investir”, completou Kneip.

Parceria com ABSOLAR

O projeto foi realizado em parceria com a ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), que ajudou no processo de construção dos eixos principais. “A meta é triplicar os investimentos em solar no ES. Se conseguirmos, vamos bater o primeiro bilhão de reais em aportes no Estado”, apontou Rodrigo Sauaia, CEO da ABSOLAR.

“Depois de lançar o programa, o nosso trabalho tem que aumentar para conseguirmos fazer com que as empresas participem desse desenvolvimento sustentável. Ou seja, que elas venham ao Espírito Santo, abram negócios, gerem empregos e viabilizem projetos. E a ABSOLAR vai ajudar a catalisar esse processo”, explicou o executivo.

De acordo com Sauaia, um exemplo de projeto a ser seguido é o Goiás Solar, criado em fevereiro de 2017, em parceria com a ABSOLAR, que tem como objetivo atender a questão emergente da microgeração e minigeração distribuída a partir de fontes renováveis, em especial a fotovoltaica, viabilizando a atração e o fomento de empreendimentos.

“Ao final de 2017, fizemos um balanço para ver como foi o avanço com o uso dessa tecnologia. Na época, o estado [de Goiás] estava na 14ª colocação do ranking nacional de GD. Agora, está em sexto. Portanto, significa que, além de ganhar posições, atraiu investimentos muito representativos na área fotovoltaica, gerando emprego de qualidade para a população”, comentou.

“Atualmente, o Espírito Santo está em 16º no ranking dos estados. É uma posição mais ou menos equivalente ao que Goiás tinha. O Estado do ES foi, historicamente, muito dependente, do ponto de vista energético, de recursos fósseis, mas vem  investindo e tendo uma nova visão para a solar e fontes renováveis. Então, essa é uma oportunidade de desbravar o novo mercado cheio de potenciais clientes a utilizaram essa tecnologia”, concluiu o especialista.

Energia solar no Espírito Santo

Segundo dados da ABSOLAR, o estado do Espírito Santo tem 71,9 MW de potência instalada em GD solar. Ao total, são 5.335 sistemas de geração fotovoltaica de pequeno porte, que abastecem 6.296 unidades consumidoras.

“Quando pensamos em aportes, são mais de R$ 350 milhões que já foram investidos pelos empresários do setor e pelos consumidores capixabas, gerando mais de 2.150 empregos para brasileiros abrirem novas oportunidades nesse momento tão difícil de pandemia que estamos vivendo”, disse Rodrigo Sauaia.

“Cabe dizer também que o Poder Público teve importantes benefícios econômicos com a solar. Isso inclui mais de R$ 95 bilhões em recursos de arrecadação que serão distribuídos entre Governo Federal, Estadual e Municipal, ajudando a recompor o caixa público depois de um ano que o Governo teve que gastar bastante com saúde e apoio financeiro para a população”, relatou.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.