26 de fevereiro de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,28GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 4,88 GW

Inovação viabiliza vacina em tempo recorde e impulsiona a energia solar

A corrida pelo desenvolvimento da vacina contra a Covid-19 pode servir de exemplo para outros setores

Autor: 2 de fevereiro de 2021Opinião
Inovação viabiliza vacina em tempo recorde e impulsiona a energia solar

Por mais que a gente tente desviar, o assunto de 2020 e parte de 2021, ao menos até agora, é a pandemia. E um dos subtemas que mais chamaram a atenção foi a corrida, desde o ano passado, pelo desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19.

Nunca havia sido desenvolvida uma vacina com menos de quatro anos de estudos em laboratório e testes de campo. Em média este processo dura dez anos. 

As vacinas contra a Covid-19, já com um volume considerável de aplicações em outros países e que agora chegam ao Brasil, foram e continuam sendo desenvolvidas durante a pandemia, cerca de 12 meses para cá.

Já existia o conhecimento sobre o coronavírus e as infecções que ele provoca, a síndrome respiratória aguda grave, desde 2003.

O Sars-Cov 2, que provoca a Covid-19, surgiu com força total ao final de 2019 na China e se espalhou muito rapidamente por todo o mundo, acometendo milhões de pessoas e causando um número absurdo de mortes.

O mundo vem tentando aprender com o que talvez seja a maior crise sanitária da história, com reflexos que atingem a produção e a economia com uma força nunca vista. Mas se tentamos aprender, alguma coisa vai ficar.

Uma lição que todos os setores podem absorver é que o compartilhamento de informações, como ocorreu entre os diversos países que se apressaram a desenvolver um imunizante, pode ser determinante para o sucesso da empreitada. Investimentos maciços entram nessa equação, sem os quais não seria possível o desenvolvimento.

A necessidade, o conhecimento e os esforços levaram ao sucesso na criação da vacina, provavelmente o maior “case” de inovação no biênio 20/21. 

E quando se fala em inovação, o setor de energia solar ganha destaque. Com o desenvolvimento de novas soluções, com preços mais acessíveis, o setor mostra que o interesse de uso, o surgimento de linhas de financiamento e a adesão de um maior número de pessoas, diminui os custos em escala e permite que o setor avance. 

Prova disso é que a partir de 2012, quando despontou comercialmente no Brasil, até os dias de hoje, a energia solar teve seu preço reduzido em 80% – de US$ 100 o MWh para cerca de US$ 20.

O Brasil vem se destacando na corrida pela energia solar, mais limpa e barata. Em 2020, a capacidade instalada saltou de 4,6 GW para 7,5 GW, com destaque para o aumento de sistemas considerados de escala pequena, como os instalados em telhados, fachadas de edifícios e pequenos terrenos, a chamada  GD (geração distribuída), com aumento de 2,2 GW. Estima-se que o número chegue a 12,6 GW neste ano.

Em termos de investimento, cerca de 80% dos R$ 13 bilhões saíram de projetos de geração distribuída. A projeção para 2021 é que a autogeração atraia mais R$ 17,2 bilhões, o equivalente a 76% dos R$ 22,6 bilhões estimados para todo o setor pela ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica).

Pode até parecer injusta a comparação do desenvolvimento da vacina que salva vidas com o aprimoramento do setor de energia solar, mas ambos são alimentados com inovação. Este parece ser o combustível para que a humanidade possa sobreviver em um mundo mais confortável em todos os sentidos. 

No momento em que a energia solar deixar de ser vista apenas como uma solução ecológica e passar a ser vista em massa como solução econômica, o setor, por meio da inovação, será capaz de desenvolver maneiras de tornar o conceito e a prática mais acessíveis e, assim, trocando informações e direcionando investimentos corretamente, se desenvolver como um todo.

Aldo Pereira Teixeira

Aldo Pereira Teixeira

Presidente fundador da ALDO, empresa sediada em Maringá – PR, com 37 anos no mercado e mais de 13.000 clientes entre revendedores e instaladores em todo o Brasil. A ALDO é uma das líderes em soluções para a geração de energia solar no Brasil. www.aldo.com.br

Comentar

Opinião

O que esperar para o setor solar em 2021?

Não haveria luz se não fosse a escuridão. A frase de Lulu Santos é da década de 1980 e ilustra muito bem o nosso 2020. Começamos o ano sob a sombra das incertezas político-econômicas, mas experiência é para isso. Enquanto a gente consegue enxergar, não para de caminhar. Pensando assim, a Aldo Solar iniciou 2020 reforçando os laços com os maiores fornecedores mundiais para continuar a oferecer o que há de melhor no mundo em equipamentos, tecnologia e uso de energia solar. Apesar da pouca claridade, nosso “norte” já está estabelecido: incentivar cada vez mais o ato de produzir energia…
22 de dezembro de 2020
Opinião

Como a energia solar deve se tornar um diferencial competitivo nas indústrias?

A história das organizações tem nos mostrado, através do tempo, o quão importante é a gestão de custos para que determinada empresa possa, além de sobreviver, mostrar-se competitiva e estabelecer diferenciais em relação aos seus concorrentes. Não importa se você é adepto de teorias mais clássicas de administração como as de Fayol ou Taylor, ou se está familiarizado e aplica o que há de mais novo na gestão, como as teorias de oceano azul e vermelho, organizações exponenciais e design thinking. Um ponto em comum de qualquer uma dessas teorias é: assim como as nossas unhas precisam ser cortadas constantemente,…
29 de outubro de 2020
Opinião

Código Brasileiro de Energia Elétrica: o que esperar para a GD?

Nosso país possui uma série de leis, decretos, portarias e medidas provisórias que regulamentam o setor elétrico brasileiro. Hoje, qualquer pessoa que  se disponha a entender, ou pelo menos a começar a entender um pouco da complexidade deste segmento, enfrenta algumas dificuldades iniciais. Como responsável pela setor de Regulação da Bluesun do Brasil, destaco que o primeiro entrave está no fato de que a legislação não se encontra compilada. Em decorrência disso, mais árdua se torna a tarefa de descobrir as normas que regem o setor. Sem dúvida, esses dois pontos dificultam em muito o estudo, a consulta e a…
19 de outubro de 2020
Opinião

Como a Lei Geral de Proteção de Dados vai impactar o marketing digital?

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), sancionada em 14 de agosto de 2018, passou a vigorar a partir de 18 de setembro de 2020 e causará impactos em empresas de diversos setores, incluindo o marketing, que tem os dados como a principal fonte de análise para compreender a efetividade das estratégias traçadas. Para que a lei pudesse passar a valer, era necessário a criação, por parte do Governo Federal, de um órgão regulador – a ANPD (Agência Nacional de Proteção de Dados) –, que se deu em 27 de agosto de 2020, quando o Senado aprovou a Medida…
5 de outubro de 2020
Opinião

Banco Mundial divulga dados do potencial da energia solar na América Latina

Muito ainda precisa ser feito quando o assunto é explorar o potencial de energia solar fotovoltaica na América Latina, apesar do crescimento do setor na região. Está claro que há muito trabalho por fazer e que, com o apoio massivo dos governos e de todos os segmentos da sociedade, o desenvolvimento traria incontáveis benefícios. Alguns números relevantes foram divulgados pelo Banco Mundial, que vale a pena conferir nesse post. Ferramenta mede potencial de produção de energia solar Um relatório divulgado pelo Banco Mundial revela que um quinto da população do planeta distribui-se entre 70 países com alto potencial para exploração…
29 de setembro de 2020
Opinião

Manutenção dos incentivos no ICMS para solar em MG

Com a publicação da REN 482 (Resolução Normativa 482/2012) da ANEEL, desde 17 de abril de 2012 restou estabelecida a possibilidade de o consumidor cativo gerar sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis ou cogeração qualificada, e fornecer o excedente para a rede de distribuição de sua localidade – trata-se da micro e minigeração distribuídas de energia elétrica, inovações que aliam economia financeira, consciência socioambiental e autossustentabilidade. Sob esse aspecto, destaca-se que a energia elétrica proveniente de unidades micro ou minigeradoras distribuídas não se enquadra na hipótese de incidência constitucionalmente prevista para o ICMS (Imposto sobre Circulação de…
10 de setembro de 2020