26 de fevereiro de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,28GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 4,88 GW

Megatendências para 2030: um bom momento para olhar à frente

Você sabe quais temas irão pautar a sociedade em que viveremos em 2030?

Autor: 4 de fevereiro de 2021fevereiro 5th, 2021Opinião
Megatendências para 2030: um bom momento para olhar à frente

O ano de 2021 começou com esperança devido ao início da vacinação em diversos países. Mas, ao mesmo tempo, com apreensão por conta do avanço da segunda onda da pandemia.

Porém, de uma coisa precisamos estar certos: a pandemia vai passar e as oportunidades continuarão logo ali, num futuro que se aproxima a cada dia.

Pensar no futuro é ainda mais importante após a eleição do democrata Joe Biden, que já em seus primeiros dias de governo impôs uma inflexão na política americana, em direção ao multilateralismo na política externa e no retorno dos Estados Unidos como protagonistas no combate ao aquecimento global.

Por isso, economistas, investidores, governos e empresas estão se debruçando sobre quais devem ser as grandes tendências para 2030. Um grupo de especialistas, com o patrocínio da 3M, analisou mais de 180 artigos internacionais relacionados a tecnologia, sustentabilidade, urbanização, entre outros.

Aqui no Brasil, a FIESP/CIESP realizou a mesma tarefa e publicou suas conclusões, enfatizando as oportunidades para o nosso país. Existe uma forte convergência nos dois estudos: a crise climática, a demanda crescente por energia e alimentos e o surgimento de novas tecnologias. Estes temas irão pautar a sociedade em que viveremos em 2030.

Vou tomar a liberdade de resumir em três pontos:

1) Maior demanda por alimentos

Para o Brasil, o crescimento da demanda global por alimentos representa uma enorme oportunidade. O estudo da FIESP/CIESP salienta que, apesar do país ter grande capacidade no agronegócio, precisará desenvolver novas tecnologias que ampliem sua penetração no exterior.

Um desafio crescente é a desertificação que avança em importantes regiões do país. Para isso, as indústrias de reutilização da água e de dessalinização deverão crescer. Sabemos que a energia solar terá um papel cada vez maior, tanto no fornecimento de energia no campo, quanto na redução das emissões de carbono que aceleram a desertificação.

A fonte solar já possui, hoje, uma potência instalada 32% maior do que a soma de todas as termelétricas a carvão e usinas nucleares brasileiras, que totalizam 5,6 GW.

2) Aumento na demanda por energia

O Brasil tem um dos maiores potenciais energéticos em energias renováveis do mundo, que inclui, principalmente, a fonte hidrelétrica. Ao mesmo tempo, praticamente não utiliza seu enorme potencial em energia solar. Por isso, o relatório da FIESP/CIESP destaca que a energia solar é uma grande oportunidade.

Em 2020, testemunhamos o vigoroso crescimento de 60% na capacidade instalada da GD (geração distribuída), mesmo durante a pandemia. O crescimento deste segmento no Brasil também representa uma grande oportunidade para a criação de empregos.

Durante o ano passado, conforme apontou a ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), foram gerados mais de 86 mil empregos no setor. Apesar desse crescimento, apenas 0,5% dos 85 milhões de consumidores brasileiros utilizam a energia solar.

3) Novas tecnologias, crescimento da produtividade e da urbanização

A tecnologia da informação e a inteligência artificial irão moldar um novo padrão de produção e consumo no mundo, em 2030. Cidades inteligentes irão utilizar a energia de maneira mais racional, com menores desperdícios.

Ao mesmo tempo, o consumo doméstico, como assistimos durante a pandemia, está migrando fortemente para o comércio online e irá consolidar-se nesse canal. Com isso, novas oportunidades de produtos, serviços e empregos ligados à distribuição, à cultura, à economia criativa e à saúde – que terá que dar conta de uma população mais velha – irão florescer em cidades cada vez maiores e populosas.

A mobilidade urbana será primordialmente alimentada por veículos elétricos. O que reforça a tendência de maior demanda por energia, representando oportunidade evidente para a geração solar distribuída e para o armazenamento doméstico de energia.

Essa economia será voltada a um consumidor consciente de seu papel na sustentabilidade e no combate ao aquecimento global. Esse novo perfil do consumidor irá favorecer a transformação para uma economia verde e sustentável, que talvez não esteja completa em 2030, mas certamente se encontrará a meio caminho disso.

Há um artigo curioso na Revista Forbes, de Afdhel Aziz, deste ano recomendando algumas mudanças de estilo de vida que pessoas comuns podem adotar para ajudar a resolver a crise climática:

  • Consumir mais energia solar;
  • Consumir menos proteínas animais e;
  • Só investir em fundos comprometidos com a economia verde.

Por tudo isso, a energia solar está no centro de uma profunda transformação que irá moldar o Brasil e o mundo de 2030 . Ainda que o ano de 2021 esteja impregnado de preocupações, precisamos olhar para o futuro e trabalhar para que os investimentos aconteçam, colocando em prática nossos projetos.

As oportunidades estão aí, são muitas e ainda prometem um mundo melhor para as futuras gerações.

Gustavo Tegon

Gustavo Tegon

Gustavo Tegon é diretor de Vendas da Canadian Solar, consultor de empresas, investidor de startups e palestrante especializado em vendas com foco em desenvolvimento da área comercial, fidelização e encantamento de clientes através do Atendimento customizado para cada mercado. Vivência na prática os desafios de vender. Responsável por posicionar multinacionais em mercados estratégicos e já ter faturado mais de um bilhão de reais em negócios.

3 comentários

  • Avatar Asterio Vieira disse:

    Como podermos prever um avanço na tecnologia de captação da energia solar?
    Temos receio de investir em uma tecnologia agora que, daqui a alguns anos, estará obsoleta, se o playback é de 5 anos ou mais.

  • Avatar Claudio Jose Pereira Andrade disse:

    Muito bom estes artigos dobre energia solar. Espero artigos tambem dobre energia did ventos e da agua

  • Avatar Cassia R García Santiago disse:

    Boa materia , gostaria de receber mais informações sobre energia solar e se possível , alguma pesquisa de regiões do Estado de SP consideradas de oportunidade para este investimento .

Comentar

Opinião

O que esperar para o setor solar em 2021?

Não haveria luz se não fosse a escuridão. A frase de Lulu Santos é da década de 1980 e ilustra muito bem o nosso 2020. Começamos o ano sob a sombra das incertezas político-econômicas, mas experiência é para isso. Enquanto a gente consegue enxergar, não para de caminhar. Pensando assim, a Aldo Solar iniciou 2020 reforçando os laços com os maiores fornecedores mundiais para continuar a oferecer o que há de melhor no mundo em equipamentos, tecnologia e uso de energia solar. Apesar da pouca claridade, nosso “norte” já está estabelecido: incentivar cada vez mais o ato de produzir energia…
22 de dezembro de 2020
Opinião

Como a energia solar deve se tornar um diferencial competitivo nas indústrias?

A história das organizações tem nos mostrado, através do tempo, o quão importante é a gestão de custos para que determinada empresa possa, além de sobreviver, mostrar-se competitiva e estabelecer diferenciais em relação aos seus concorrentes. Não importa se você é adepto de teorias mais clássicas de administração como as de Fayol ou Taylor, ou se está familiarizado e aplica o que há de mais novo na gestão, como as teorias de oceano azul e vermelho, organizações exponenciais e design thinking. Um ponto em comum de qualquer uma dessas teorias é: assim como as nossas unhas precisam ser cortadas constantemente,…
29 de outubro de 2020
Opinião

Código Brasileiro de Energia Elétrica: o que esperar para a GD?

Nosso país possui uma série de leis, decretos, portarias e medidas provisórias que regulamentam o setor elétrico brasileiro. Hoje, qualquer pessoa que  se disponha a entender, ou pelo menos a começar a entender um pouco da complexidade deste segmento, enfrenta algumas dificuldades iniciais. Como responsável pela setor de Regulação da Bluesun do Brasil, destaco que o primeiro entrave está no fato de que a legislação não se encontra compilada. Em decorrência disso, mais árdua se torna a tarefa de descobrir as normas que regem o setor. Sem dúvida, esses dois pontos dificultam em muito o estudo, a consulta e a…
19 de outubro de 2020
Opinião

Como a Lei Geral de Proteção de Dados vai impactar o marketing digital?

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), sancionada em 14 de agosto de 2018, passou a vigorar a partir de 18 de setembro de 2020 e causará impactos em empresas de diversos setores, incluindo o marketing, que tem os dados como a principal fonte de análise para compreender a efetividade das estratégias traçadas. Para que a lei pudesse passar a valer, era necessário a criação, por parte do Governo Federal, de um órgão regulador – a ANPD (Agência Nacional de Proteção de Dados) –, que se deu em 27 de agosto de 2020, quando o Senado aprovou a Medida…
5 de outubro de 2020
Opinião

Banco Mundial divulga dados do potencial da energia solar na América Latina

Muito ainda precisa ser feito quando o assunto é explorar o potencial de energia solar fotovoltaica na América Latina, apesar do crescimento do setor na região. Está claro que há muito trabalho por fazer e que, com o apoio massivo dos governos e de todos os segmentos da sociedade, o desenvolvimento traria incontáveis benefícios. Alguns números relevantes foram divulgados pelo Banco Mundial, que vale a pena conferir nesse post. Ferramenta mede potencial de produção de energia solar Um relatório divulgado pelo Banco Mundial revela que um quinto da população do planeta distribui-se entre 70 países com alto potencial para exploração…
29 de setembro de 2020
Opinião

Manutenção dos incentivos no ICMS para solar em MG

Com a publicação da REN 482 (Resolução Normativa 482/2012) da ANEEL, desde 17 de abril de 2012 restou estabelecida a possibilidade de o consumidor cativo gerar sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis ou cogeração qualificada, e fornecer o excedente para a rede de distribuição de sua localidade – trata-se da micro e minigeração distribuídas de energia elétrica, inovações que aliam economia financeira, consciência socioambiental e autossustentabilidade. Sob esse aspecto, destaca-se que a energia elétrica proveniente de unidades micro ou minigeradoras distribuídas não se enquadra na hipótese de incidência constitucionalmente prevista para o ICMS (Imposto sobre Circulação de…
10 de setembro de 2020