Dia 3 Intersolar Europe: feira atraiu 110 mil participantes

Capô de carro com células solares foi um dos destaques do evento
Dia 3 Intersolar Munique
The smarter E Europe é a maior feira para a indústria de energia na Europa. Imagem: The smarter E Europe/Reprodução

Após três dias de exposição com muitas novidades, a The smarter E Europe recebeu aproximadamente 110 mil profissionais da indústria de 176 países, batendo recorde no número de participantes.

O evento também atingiu outros marcos. Ao todo, foram 19 salas de exposição e uma área externa de 206 mil metros quadrados, além de 3.008 expositores de 55 países.

As conferências e eventos paralelos também quebraram alguns recordes este ano, pois atraíram mais de 2,5 mil participantes de todo o mundo. A próxima edição da The smarter E Europe será de 7 a 9 de maio de 2025, reunindo a Intersolar Europe, ees Europe, Power2Drive Europe e a EM-Power Europe.

Veja as novidades que o Canal Solar conferiu no último dia de exposição.

Capô de carro com células solares

O Fraunhofer ISE (Fraunhofer Institute for Solar Energy Systems) apresentou um protótipo de um capô de carro com painéis solares integrados em sua superfície. 

A grande inovação está no processo de laminação 3D, que permite a moldagem das células fotovoltaicas em superfícies curvas, adaptando-se perfeitamente ao design automotivo.

Ao Canal Solar, pesquisadores do Fraunhofer explicaram que a ideia central desta tecnologia não é substituir completamente as recargas elétricas convencionais, mas sim fornecer uma carga adicional enquanto o veículo está em movimento ou estacionado sob o sol. 

Atualmente, um dos maiores desafios para os veículos elétricos é o tempo de recarga e a disponibilidade de pontos de carga. Com células solares no capô ou no teto, os veículos poderiam estender sua autonomia, oferecendo aos motoristas mais flexibilidade e eficiência energética.

Em entrevista ao Canal Solar, um dos pesquisadores disse que grandes montadoras como Audi, BMW e Mercedes estão interessadas em explorar esta tecnologia. 

Na avaliação dele, esta tecnologia tem potencial para ser mais do que apenas uma curiosidade; pode se tornar uma solução prática e amplamente adotada no futuro.

Capô com células FV da Fraunhofer ISE. Imagem: Canal Solar

Inversores para plantas de GC

Outro destaque no estande Fraunhofer ISE, que foi apresentado pela engenheira da empresa, é o inversor medium voltage, voltado para plantas de geração centralizada. O que seria?

Atualmente, os inversores utilizados nesses projetos trabalham com uma tensão no lado AC de 800 V. Essa arquitetura que estão propondo, que ainda está sendo estudada em laboratório, trabalha com 1.500 V AC – o que reduziria perdas em cabeamento e principalmente diminuiria a espessura dos cabos em corrente alternada. 

Além disso, ela afirmou que as trilhas da placa com um todo diminuiriam também, o que faz que a máquina seja mais compacta, aqueça menos no design e consiga utilizar menos ventilação forçada. 

Do outro lado da conta, há coisas que serão acrescentadas. Primeiro, os chaveadores terão que trabalhar com tensões maiores, então tem que ser componentes mais parrudos. Já com relação aos disjuntores, fusíveis, tudo que será conectado na parte AC terá que ser para 1.500 V.

A companhia disse ainda que não tem nenhum fabricante especialmente olhando para essa solução, mas acreditam que à medida que forem introduzindo os testes em campo e os resultados forem aparecendo, pode ser que seja uma tendência.

O Canal Solar questionou ainda referente às normas. Atualmente, o mercado trabalha com a NBR 5410 que vai até 1.000 V AC. Se os profissionais começarem a trabalhar com 1500 V AC, teria que ser criada outra norma para média tensão, o que torna o projeto mais complicado. 

A engenheira disse que existe um movimento de criar uma nova norma entre de baixa e média tensão. No caso, seria uma intermediária. 

Solução não passou ainda por testes em campo. Foto: Canal Solar

GoodWe lança microinversor e inversor trifásico

A fabricante GoodWe apresentou seu novo microinversor com uma potência de até 2 kW. Segundo a empresa, uma das grandes vantagens deste produto é seu sistema de comunicação WiFi inteligente, além de ser possível conectar quatro microinversores em cada cabo tronco.

Este sistema permite que o microinversor mais próximo do roteador da casa do consumidor se configure automaticamente como o “master” da rede, comunicando-se eficientemente com os outros microinversores e tornando a comunicação mais robusta e confiável.

Além do microinversor, a GoodWe lançou um inversor trifásico híbrido com aplicação de baterias de alta voltagem. A fabricante também exibiu suas baterias de alta voltagem, onde cada pack de bateria tem uma capacidade de 5 kWh e pode ser empilhado de forma paralela, permitindo uma fácil expansão do sistema.

Ao Canal Solar, a companhia comentou que uma vantagem do novo inversor trifásico é a configuração de acoplamento DC, onde os módulos fotovoltaicos e as baterias compartilham o mesmo barramento de corrente contínua. 

Isso permite que a energia excedente seja armazenada nas baterias e usada para carregar qualquer tipo de carga durante o período noturno, aumentando a eficiência do sistema.

O novo inversor trifásico híbrido da GoodWe está previsto para ser lançado no mercado brasileiro em breve, trazendo consigo essas inovações que prometem otimizar ainda mais o uso da energia solar no país.

Outra novidade da empresa é a comunicação do inversor com seu carregador veicular, proporcionando uma recarga eficiente para veículos elétricos. Esta característica é útil para aumentar o fator de simultaneidade e evitar a injeção de energia excedente na rede, permitindo que os veículos elétricos sejam carregados durante os períodos de maior geração de energia solar.

Fronius expõe inversor híbrido de 12 kW

De olho no comportamento do setor fotovoltaico na Alemanha e nas oportunidades crescentes, como a tendência para sistemas maiores, a Fronius criou o inversor híbrido de 12 kW e o está exibindo na Intersolar Munique. Outros produtos da empresa são novas caixas de comutação para energia de emergência e novos dispositivos para o setor de C&I.

Solinteg lança inversores e fecha parcerias

O último dia da Intersolar Europe foi marcado por um movimento intenso no estande da Solinteg. Entre os destaques da fabricante está o lançamento do HSH-3~5kW, que se destacou por sua integração de alta eficiência. Além disso, a empresa apresentou sua séria de inversores híbrido, o Integ M Series 2nd Gen Hybrid Inverter.

Outro produto que chamou a atenção foi o carregador AC EV que, segundo a empresa, foi amplamente elogiado por seu design inteligente e conveniente. De acordo com a companhia, o carregador promete facilitar a vida dos usuários de veículos elétricos, oferecendo uma solução prática e eficiente para as necessidades diárias de recarga.

A empresa também anunciou uma parceria estratégica com a TÜV Rheinland, uma das principais empresas de certificação e inspeção do mundo. A cerimônia de assinatura da parceria foi um dos pontos altos do primeiro dia.

Estande da Solinteg no evento. Imagem: Solinteg/Reprodução

Huawei exibe soluções para diferentes cenários de aplicação

A Huawei Digital Power exibiu suas soluções de última geração FusionSolar Smart PV+ESS em todos os cenários na Intersolar Europe 2024. Ocupando uma grande área na Intersolar Europe, a empresa apresentou soluções para cenários de utilidade pública, ESS, C&I e residencial.

Segundo a companhia, a solução Huawei FusionSolar C&I OASIS é uma solução completa que integra inversores, bateria e carregadores para ajudar vários setores a se tornarem ecológicos e com baixo teor de carbono, fornecendo segurança ativa em nível de sistema e recursos mais fortes para fornecimento de energia verde e suporte à rede elétrica.

Estande da empresa na feira. Imagem: Huawei/Reprodução

PV Combiner Box e Weather Station 

A Weidmüller exibiu no evento a sua PV Combiner Box para projetos de geração centralizada. O produto é baseado em um design padronizado com placa de circuito impresso.

Além disso, conta com tecnologia PUSH IN integrada – que reduz o tempo de montagem e minimiza o risco de erros e suas consequências, sem necessidade de ferramenta para crimpagem e/ou manutenção. Inclusive, a primeira ordem de compra foi feita para o Brasil – o que mostra o protagonismo do mercado brasileiro.

Outro destaque ficou por conta do PV Weather Station – caixa meteorológica fotovoltaica que fornece informações ​​sobre todos os parâmetros climáticos importantes. Valores como temperatura, irradiância, velocidade e direção do vento, precipitação, umidade relativa e muito mais podem ser registrados permanentemente. 

As caixas certificadas são equipadas de acordo com os requisitos específicos do cliente, como condições ambientais, elétrica e transmissão de dados. Estão prontos para uso imediato, extremamente robustos e protegidos contra todas as influências climáticas.

Segundo Mauro Sirtoli, gerente de Energias Renováveis da Weidmüller, além de prover a solução de estação meteorológica para a planta, conforme as obrigatoriedades, foi adicionado uma funcionalidade onde é possível ter uma micro scada para plantas de GD (geração distribuída). 

Confira, abaixo, um vídeo explicativo feito por ele sobre como monitorar a planta para ter ganho de receitas. 

Cable routing clips e grounding clip

A ARaymond também esteve presente na Intersolar exibiu seu portfólio de equipamentos. Entre os destaques esteve o cable routing clips, com bordas enroladas que evitam danos aos cabos durante a passagem, design farpado para instalação instantânea e casal galvânico reduzido com alumínio. Pode ser montado ainda na borda da estrutura do módulo ou em estruturas com espessura entre 0,7 mm e 4 mm.

Outro destaque foi o grounding clip – clipe de aterramento Rayvolt® que garante a condutividade entre estruturas de alumínio e cabos elétricos revestidos. A solução pode acomodar espessuras de moldura de alumínio de 1,5 mm a 2,5 mm e cabos flexíveis multifilamentos com diâmetros de 6 mm² (h07v-k6 mm²). 

Cable routing clips da ARaymond. Foto: Canal Solar

Soluções de armazenamento e agrovoltaicas

Durante a Intersolar Europe 2024, a JinkoSolar, a uma das maiores fabricantes de painéis solares do mundo, lançou a Jinko Solar Denmark – que iniciará o fornecimento de soluções de armazenamento residencial de alta tensão para SolarToday, abrangendo as regiões DACH e Benelux a partir de junho de 2024. 

Frank Niendorf, vice-presidente da Jinko Solar para a Europa, destacou: “Com o mercado de geração distribuída em expansão na Europa, nossa parceria com a SolarToday fortalecerá nossas ambições de crescimento nos mercados fotovoltaico e de armazenamento de energia.”

Outro equipamento para aplicações residenciais é a solução all-in-one de 15 kWh da Pylon Tech. Ao todo, cada pack de bateria tem 5 kWh, e a empresa afirmou que é possível empilhar até sete módulos de baterias.

Quem também esteve presente na feira foi a Sofar, que apresentou sua solução ESS (Energy Storage System) para aplicações C&I (comerciais e industriais).

A BayWa r.e. foi outra companhia que exibiu seu portfólio de produtos. No estande, destacaram as soluções de armazenamento de baterias, mesmo em combinação com a tecnologia Floating-PV, para melhorar a integração de energia renovável.

Ademais, exibiram a solução AgriPV – enfatizando os benefícios ecológicos e econômicos para os agricultores e o potencial de combinar agricultura com energia solar – bem como apresentaram a solução para usinas flutuantes Cow-PV.

Estande da fabricante Sofar na Intersolar. Imagem: Sofar/Reprodução

Bateria portátil para varanda e cercas FV

A startup Sunbooster apresentou na Intersolar Munique uma solução em armazenamento solar portátil para varanda e afirma que esse produto atende os requisitos dos consumidores. 

Como é portátil, pode ser utilizada por exemplo por campistas que podem utilizar a bateria de 2.131 Wh. Além da bateria portátil, a startup também apresentou solução fotovoltaica vertical para cercas, com dimensões referentes às usadas na Alemanha, Suíça e Áustria.

Módulos TOPCon e tandem laminados

Durante a feira, a Tenka Solar lançou um módulo tandem com design laminado. O painel possui uma camada de TOPCon (óxido de túnel) e uma camada fotovoltaica orgânica, laminada por uma folha frontal de vidro.

A eficiência do módulo é de 29% e a potência máxima é de 1.000 W para aplicações residenciais. Os painéis serão produzidos na Itália, mas a companhia também possui uma fábrica de células TOPCon de 8 GW na China. 

No início, a empresa pretende fabricar 2 GW em módulos tandem ao ano. Os painéis terão três tamanhos e poderão ser utilizados em residências, comércios e em montagem no solo. 

Já a Qn-Solar exibiu seu portfólio de equipamentos durante a Intersolar Munique. Entre os destaques listados pela empresa foram os painéis como tecnologia TOPCon, PERC e HJT (heterojunção) 

Produto para transporte de cargas perigosas, como módulos de bateria

Pensando no crescente mercado de baterias e nas mercadorias consideradas perigosas, a Denios criou o PyroBubbles, que são pequenas bolas com tecnologia para assegurar mercadorias ao serem transportadas. 

Para ilustrar, podemos citar o exemplo do isopor. Só que esse produto tem a finalidade de proteger as caixas de transporte contra o calor. Além disso, também garante que os gases sejam filtrados e tornados inofensivos.

Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Imagem de Redação do Canal Solar
Redação do Canal Solar
Texto produzido pelos jornalistas do Canal Solar.

Uma resposta

  1. Bom dia,
    Com relação ao artigo “Inversores para plantas de GC”, achei bastante interessante e uma solução bem vinda.
    Gostaria de comentar que, diferentemente do que foi discutido no artigo, a ABNT já tem uma norma técnica para Instalações elétricas em Média Tensão c.a. sendo definida para tensões acima de 1kV em c.a. Ela é a norma ABNT NBR 14039. Desta forma, não haveria necessidade de se criar uma “faixa intermediária acima de ABNT NBR 5410 e a ABNT NBR 14039.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal