24 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.98GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Inversores de 1500 V são a nova aposta da Solis para 2021 no Brasil

Empresa lança novos modelos de 250 kW e 255 kW – considerados os maiores inversores do tipo string do mundo

Autor: 24 de março de 2021março 25th, 2021Notícias
Inversores de 1500 V são a nova aposta da Solis para 2021 no Brasil

Durante webinário realizado pela Solis, o engenheiro eletricista da empresa Pedro Almeida comentou sobre os novas apostas da companhia para usinas solares fotovoltaicas no Brasil em 2021, e destacou os inversores de 1500 V como uma tendência de mercado. 

“Esses dois modelos (250 kW e 255 kW) que estamos lançando são os maiores inversores do tipo string do mundo. Mas aí vem a pergunta: porque utilizar um inversor fotovoltaico string e não utilizar um centralizado, de maior potência?”, indagou Almeida. 

“O inversor string tem uma série de vantagens com relação ao centralizado, como por exemplo maior número de MPPTs. Nesse modelo, de 255 kW, ele tem 14 – maior quantidade de MPPTs do mundo – e um total de 28 entradas CC, possibilitando maior flexibilidade ao projeto”, ressaltou. 

Ademais, o especialista disse que tal equipamento fornece também maior flexibilidade na instalação, pois são de menor peso e, consequentemente, possuem um transporte facilitado. “São ainda produtos que não necessitam de uma ‘combiner box’, ou seja, você consegue conectar os módulos diretamente ao inversor”. 

Mas por que operar em 1500 V e não em uma tensão mais baixa, que seria num nível mais seguro? “Existem algumas razões para isso. Primeiro, com uma tensão mais alta de 1500 V conseguimos construir strings mais longas, conseguimos diminuir a quantidade de strings em paralelo e ainda temos uma redução de custo com cabeamento e também no sistema de proteção”, explicou o engenheiro. 

Outras características

Segue, abaixo, outras características apontadas por Pedro Almeida com relação aos inversores de 1500 V:

  • Eficiência máxima de 99%;
  • Permite sobrecarregamento maior até que 200%, se for necessário;
  • Compatibilidade com módulos de alta potência, acima de 500 W, e bifaciais;
  • Capacidade de saída contínua em alta temperatura, ou seja, conseguem operar de forma eficiente mesmo em ambientes mais hostis. Por exemplo, em 50 °C a potência de saída vai gerar 220 kW. Comparando a outros modelos disponíveis no mercado, é o maior valor de potência nessa temperatura;
  • Projeto sem fusíveis e livre de manutenções;
  • Proteção IP66 para instalações ao ar livre e ambientes rigorosos;
  • Função Anti-PID integrada para melhorar a eficiência do sistema. A medida que o inversor vai parando de gerar energia, quando vai anoitecendo, por exemplo, ele ativa essa função para minimizar as perdas pelo efeito PID;
  • Suporta conexão “Y” no lado CC, já que tem uma corrente de entrada maior – chega a 13 A;
  • Possui uma interface reserva para conexão de sistema de armazenamento CC e suporta função de compensação de reativo (SVG) e conexão a redes fracas; 
  • Para cada MPPT é possível uma corrente de entrada de até 26 A;
  • Tensão nominal CA de 800 V.
Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de dois anos, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.