28 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,83GW

Mudanças no mercado chinês podem afetar preços dos módulos fotovoltaicos no Brasil

China pode ter reflexos no setor solar no Brasil quando o assunto é módulos solares

Autor: 6 de julho de 2020setembro 30th, 2020Brasil
Mudanças no mercado chinês podem afetar preços dos módulos fotovoltaicos no Brasil

O governo chinês planeja eliminar os FITs (Feed-In-Tariff) e subsídios para a energia solar a partir de 2021. O anúncio foi feito por Ru Jialin, pesquisador do Departamento de Assuntos Públicos da CPIA (Associação da Indústria Fotovoltaica da China), durante lançamento do relatório Global Market Outlook 2020-2024 da Solar Power Europe.

O especialista em mercado fotovoltaico Márcio Takata, diretor da Greener, aponta que a eliminação dos incentivos dos FITs na China pode ter reflexos no setor solar no Brasil quando o assunto é módulos solares. Segundo Takata, se o plano do governo chinês realmente se concretizar, o país poderia ter uma menor demanda na compra de módulos, o que contribuiria para a manutenção ou redução no preço mundial dos mesmos.

“Essa redução dos FITs muda o modelo de compensação de energia na China. Sendo o mercado chinês muito importante, pode-se ter reflexos no preço dos módulos fotovoltaicos no Brasil e em outros países”, explicou Takata.

Já Fernando Castro, diretor de vendas da Risen, afirmou que o cenário é incerto.O fim dos subsídios no mercado interno chinês poderia elevar a exigência de qualidade das células e módulos mono PERC. O setor em 2021 sofrerá grandes alterações, que em breve saberemos dizer com mais clareza”.

Daniel Pansarella, gerente de vendas da Trina Solar no Brasil, ressalta que o governo chinês sempre cogita eliminar os FITs, “mas depois lançam outros modelos de pacotes de subsídios”.

Sobre a China

Dados da CPIA apontam que a China alocou neste ano 1,5 bilhão de RMB (cerca de US$ 211 milhões) para incentivos no mercado solar, dos quais 500 milhões de RMB (cerca de US$ 71 milhões) são alocados para energia solar em telhados residenciais e 1 bilhão de RMB (cerca de US$ 142 milhões) para projetos fotovoltaicos em outras modalidades. Em comparação com 2019, o orçamento de subsídios foi reduzido em 50%, de 3 bilhões de RMB (cerca de US$ 427 milhões).

O órgão também divulgou suas expectativas de crescimento para o setor solar em 2020 e para os próximos cinco anos. Para 2021 e 2022, o mercado solar chinês deverá ver mais volumes com 40 e 50 GW, respectivamente. Mas, somente em 2023, a demanda solar deverá exceder os níveis alcançados em seu ano recorde de 2017, no qual 53 GW foram implantados. Assim, a previsão é de cerca de 60 GW em 2024 e 65 GW em 2025.

O que é o FIT?

O FIT são tarifas, subsidiadas pelo governo, estabelecidas com contratos de longo prazo, geralmente maiores que 15 anos, para a geração por fonte renovável de energia, independentemente de sua utilização (autoconsumo ou para exportação).

O valor da tarifa (em unidades monetárias por kWh) é estabelecido pelo governo com base no custo de geração, a depender da fonte e do tipo de instalação, por exemplo. O incentivo à produção de energia vem do fato de que o valor pago pela energia injetada na rede é maior que o da comprada da distribuidora.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.