Mundo deve agir rapidamente para reduzir emissões de carvão, diz AIE

Relatório da Agência Internacional de Energia pede uma ação política imediata para conduzir transições seguras
17-11-22-canal-solar-Mundo deve agir rapidamente para reduzir emissões de carvão, diz AIE
Atualmente, existem cerca de 9 mil usinas a carvão em todo o mundo. Foto: Envato Elements

De acordo com relatório publicado pela IEA (Agência Internacional de Energia), o mundo deve agir rapidamente para reduzir significativamente as emissões de dióxido de carbono do carvão, a fim de evitar impactos graves das mudanças climáticas.

O estudo indicou ser preciso uma ação política imediata para mobilizar o financiamento maciço para alternativas de energia limpa ao carvão e garantir segurança, transições acessíveis e justas, especialmente em economias emergentes e em desenvolvimento.

A nova análise da empresa, que faz parte da série World Energy Outlook , mostra que a esmagadora maioria do atual consumo global de carvão ocorre em países que se comprometeram a atingir emissões líquidas zero.

No entanto, longe de diminuir, a demanda global por carvão tem se mantido estável em níveis recordes na última década. Se nada for feito, a IEA apontou que tais emissões, por si só, derrubariam o mundo além do limite de 1,5°C.

“Mais de 95% do consumo mundial de carvão ocorre em países que se comprometeram a reduzir suas emissões a zero líquido”, disse Fatih Birol, diretor executivo da IEA.

“Mas, embora haja um impulso encorajador para a expansão da energia limpa nas respostas políticas de muitos governos à atual crise energética, um grande problema não resolvido é como lidar com a enorme quantidade de ativos de carvão existentes em todo o mundo”, ressaltou.

Segundo ele, o carvão é a maior fonte de emissões de CO2 de energia e a maior fonte de geração de eletricidade em todo o mundo, o que destaca o dano que está causando ao clima e o enorme desafio de substituí-lo rapidamente, garantindo a segurança energética.

Cada caminho futuro para o setor de energia global que evite impactos severos da mudança climática envolve reduções precoces e significativas nas emissões relacionadas ao carvão. O relatório deixa claro que não existe uma abordagem única para reduzir as emissões de carvão.

O novo Índice de Exposição de Transição de Carvão da IEA destaca os países onde as dependências do carvão são altas e as transições provavelmente serão mais desafiadoras: Indonésia, Mongólia, China, Vietnã, Índia e África do Sul se destacam. “Uma série de abordagens, adaptadas às circunstâncias nacionais, é essencial”, concluiu Birol.

Como reduzir o carvão?

Dados do IEA apontam que, atualmente, existem cerca de 9 mil usinas a carvão em todo o mundo, representando 2.185 GW de capacidade. O perfil de idade varia muito por região, de uma média de mais de 40 anos nos Estados Unidos a menos de 15 anos em economias em desenvolvimento na Ásia.

As instalações industriais que usam carvão são igualmente duradouras, com decisões de investimento definidas para serem tomadas nesta década que, em grande parte, moldarão as perspectivas para o uso de carvão na indústria pesada nas próximas décadas.

“As transições de carvão são complicadas pela idade relativamente jovem das usinas em grande parte da região da Ásia-Pacífico. Se operada por tempos de vida e taxas de utilização típicos, a frota movida a este combustível fóssil existente em todo o mundo, excluindo as usinas em construção, emitiria mais do que as emissões históricas até o momento de todas as usinas a carvão que já operaram”, explicou a Agência.

De acordo com o estudo, uma escala massiva de fontes limpas de geração de energia, acompanhada por melhorias em todo o sistema em eficiência energética, é a chave para desbloquear reduções no uso de carvão para energia e reduzir as emissões de ativos existentes.

Em um cenário em que as atuais promessas climáticas nacionais são cumpridas no prazo e na íntegra, a produção das usinas a carvão ininterruptas existentes cai cerca de um terço entre 2021 e 2030, com 75% substituídas por energia solar e eólica.

Esse declínio na produção de carvão é ainda mais acentuado em um cenário consistente em atingir emissões líquidas zero até 2050 e limitar o aquecimento global a 1,5 °C. No Cenário Net Zero até 2050, o uso de carvão cai 90% até meados do século.

Uma condição importante, na visão da IEA, para reduzir as emissões de carvão é parar de adicionar novos ativos ininterruptos movidos a carvão aos sistemas de energia.

As aprovações de novos projetos diminuíram drasticamente na última década, mas existe o risco de que a atual crise energética promova uma nova prontidão para aprovar usinas movidas a carvão, especialmente considerando a conclusão do relatório de que cerca de metade das 100 instituições financeiras que apoiaram o carvão projetos relacionados desde 2010 não fizeram nenhum compromisso para restringir esse financiamento, e outros 20% fizeram apenas promessas relativamente fracas.

Apoio dos governos

Segundo a entidade, os governos podem fornecer incentivos para que os proprietários de ativos se adaptem à transição. A economia favorável para a geração limpa de eletricidade, por si só, não será suficiente para garantir uma rápida transição do carvão para a geração de energia.

As usinas de carvão são muitas vezes protegidas da concorrência do mercado, em alguns casos porque são de propriedade de concessionárias incumbentes, em outros porque os proprietários privados são protegidos por contratos inflexíveis de compra de energia.

“Nossa análise mostra que fora da China, onde o financiamento de baixo custo é a norma, o custo médio ponderado de capital dos proprietários e operadores de usinas de carvão é de cerca de 7%. O refinanciamento para reduzir isso em 3% aceleraria o ponto em que os proprietários recuperam seu investimento inicial, abrindo caminho para que um terço da frota global de carvão seja aposentado em dez anos”, relataram.

A colaboração internacional, o apoio financeiro público e as abordagens bem concebidas que incorporam a necessidade de transições centradas nas pessoas serão essenciais para afastar-se do carvão inabalável.

Estimativas da IEA destacam que as transições energéticas criarão milhões de empregos em energia limpa, embora não necessariamente nos mesmos lugares que os empregos perdidos no carvão, e as habilidades necessárias em muitos casos podem ser diferentes.

Embora seja improvável que absorva todo o emprego perdido no setor de carvão, a mineração mineral crítica pode oferecer novas oportunidades industriais e fontes de receita para empresas e comunidades até então dependentes do carvão.

Outras análises

Michael R. Bloomberg, enviado especial do secretário-geral da ONU para Ambição e Soluções Climáticas e fundador da Bloomberg LP e da Bloomberg Philanthropies , disse que as usinas de energia movidas a carvão estão em declínio, mas não no ritmo adequado para salvar vidas e ganhar a batalha contra as mudanças climáticas. “Ao aumentar o investimento em energia limpa, podemos eliminar completamente as usinas de carvão nas economias avançadas até 2030 e no resto do mundo até 2040”.

“Do outro lado dessa transição está uma economia mais forte e comunidades mais saudáveis ​​– e temos não há tempo a perder para chegar lá. Este relatório especial da IEA é um guia essencial sobre as medidas práticas que os governos e o setor privado podem adotar, incluindo instituições financeiras e investidores”, afirmou.

Arifin Tasrif, ministro de Energia e Recursos Minerais da Indonésia , compartilha da mesma premissa e acrescentou que reduzir as emissões de carvão na escala e na velocidade necessárias para atingir as promessas de zero líquido será um desafio significativo, principalmente para mercados emergentes e economias em desenvolvimento, incluindo a Indonésia.

Ja Teresa Ribera Rodríguez, vice-primeira-ministra e ministra da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico da Espanha, finalizou dizendo que o país está empenhado em acelerar a transição energética tanto para a segurança climática quanto para a segurança do abastecimento.

“Tendo fechado nossas minas de carvão até 2018 e 90 % da nossa capacidade de geração de carvão apenas nos quatro anos subsequentes, a Espanha fez um grande esforço para alcançar uma transição energética justa e equilibrada, principalmente para as regiões e trabalhadores que dependiam da mineração de carvão e das usinas termoelétricas”, enfatizou.

Imagem de Mateus Badra
Mateus Badra
Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal