23 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,8GW

Nova alíquota para importação de painéis solares entra em vigor no Brasil

Saiba o que muda com a Resolução Gecex nº 541, que já está valendo desde segunda-feira (1º)

Autor: 3 de janeiro de 2024janeiro 4th, 2024Mercado
5 minutos de leitura
Nova alíquota para importação de painéis solares entra em vigor no Brasil

Foto: Freepik

Passou a vigorar em todo o Brasil, nesta segunda-feira (1º), uma série de determinações promulgadas pelo Governo Federal, entre elas a Resolução Gecex nº 541, que trata sobre o aumento do imposto de importação para painéis solares. 

Com isso, a alíquota passa agora a ser de 9,6%, sob alegação de que a adoção da medida ajudará a estimular a produção nacional de módulos fotovoltaicos. 

Para dar tempo do mercado se adaptar as mudanças, foram estabelecidas cotas isentas de importação, em valores decrescentes até 2027 de:

  • US$ 1,13 bilhão entre janeiro e junho de 2024; 
  • US$ 1,01 bilhão entre julho de 2024 e junho de 2025; 
  • US$ 717 milhões entre julho de 2025 e junho de 2026; 
  • US$ 403 milhões entre julho de 2026 e junho de 2027.

“Foi criado um mecanismo híbrido, com 30% das cotas sendo destinadas aos grandes importadores”, explica Wladimir Janousek, secretário de Indústria e Comércio do INEL (Instituto Nacional de Energia Limpa) e profissional que vem acompanhando todo o processo de desenvolvimento da nova resolução. 

Segundo ele, a regulamentação conta com regras específicas tanto para as empresas que se enquadram dentro dos 30% da cota global quanto para as demais que se enquadram nos outros 70%.

Entre elas, Janousek chama atenção para os saldos das cotas e que não acumulam para o próximo período. Ou seja, se quem adquirir o benefício e não o consumir dentro do período vigente, não terá o restante da cota incorporado no saldo do período subsequente.

O profissional avalia ainda que o aumento da alíquota de importação de módulos não deve ser encarada pelo mercado como uma preocupação, uma vez que o preço dos painéis solares, sobretudo chineses, está no seu menor preço e com perspectivas de novas quedas ao longo do ano.

“Módulos, principalmente monofaciais, estão sendo vendidos no mercado a um preço muito menor e já estamos vendo uma certa liquidação na China, porque todos os fabricantes estão com estoques elevados e querem liquidar até a metade de fevereiro, que é quando ocorre o ano novo chines”, comentou. 

Segundo ele, somente nesta primeira reserva de cotas, entre janeiro e junho de 2024, estima-se que o volume de painéis solares e com isenção de imposto some entre 7,5 GW até 8,7 GW, dependendo do preço médio. 

Regras para obtenção das cotas

O Governo Federal publicou uma norma complementar que estabelece os critérios para alocação da primeira cota global para importação de módulos fotovoltaicos entre janeiro e junho deste ano.

Ficou definido que a parcela de 30% da cota global para grandes empresas será de US$ 339,16 milhões e que esse valor será direcionado às entidades cujo volume importado tenha representado montante igual ou superior a 2% do total das importações brasileiras verificadas no período de dezembro de 2022 a novembro de 2023.

A relação das empresas contempladas com a respectiva parcela da cota de importação será disponibilizada no site Siscomex e o pedido de licença de importação deverá ser realizado até o dia 30 de abril de 2024.

A resolução determina ainda que os saldos das cotas não solicitadas no prazo, bem como os saldos decorrentes de cancelamentos, vencimentos e substituições de licenças de importação, serão redistribuídos, a partir do dia 2 de maio de 2024, para a parcela referida a 70% da cota global. 

Para as demais empresas serão destinados US$ 791,39 milhões por ordem de registro dos pedidos de licença de importação no Siscomex. 

Será concedida inicialmente a cada empresa a quantidade máxima, podendo cada importador obter mais de uma licença de importação, desde que a soma das quantidades informadas seja inferior ou igual ao limite fixado.

Informações complementares

Ficou definido também que o importador deverá declarar, no campo “Informações Complementares” da licença de importação que, caso solicitado, se compromete a apresentar ao Decex (Departamento de Operações de Comércio Exterior), em até 30 dias contados a partir da exigência formulada no Siscomex, o Conhecimento de Embarque e a Fatura Comercial, que ampara a importação. 

Em caso de importação por conta e ordem de terceiros, deve-se mencionar o nome do adquirente ou empresa contemplada, com o seu respectivo CNPJ para associação.

“O Decex, mediante exigência formulada no Siscomex, poderá solicitar a apresentação de documentação que comprove o efetivo embarque da mercadoria no exterior como requisito para o deferimento do pedido de licença de importação que indicará a disponibilidade de saldo para atendimento do pedido e alocará provisoriamente a cota solicitada para a empresa pleiteante”, destaca o documento.

Além disso, a efetiva concessão da cota estará condicionada à apresentação, pela empresa, da documentação solicitada no módulo de anexação eletrônica de documentos do Siscomex, com a devida vinculação do dossiê à licença de importação em até 30 dias contados a partir da exigência formulada no Siscomex, observado o prazo de vigência da cota.


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.