1 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Nova política industrial propõe produção de células fotovoltaicas no Brasil

Adalberto Maluf, secretário do Meio Ambiente, destaca que plano ainda prevê fabricação de chips e matérias-primas

Autor: 24 de janeiro de 2024Brasil
5 minutos de leitura
Nova política industrial propõe produção de células fotovoltaicas no Brasil

Foto: Canal Solar

A nova política industrial do Brasil, lançada nesta terça-feira (22), com as diretrizes para o período de 2024 a 2026 e que contempla uma série de metas a serem atingidas pelo país até 2033, contém em seu teor alguns tópicos importantes para o setor de energia solar. 

Em entrevista ao Canal Solar, Adalberto Maluf, secretário do MMA (Ministério de Meio Ambiente Mudanças do Clima), destaca os principais pontos que englobam o setor fotovoltaico na nova política nacional, que tem como objetivo principal retomar o papel do poder público como ferramenta do desenvolvimento da indústria.

De acordo com o secretário, a iniciativa tem grande foco no fomento das energias renováveis e na promoção da bioeconomia. Dentro dessa estrutura, um dos primeiros programas é a criação de uma cyberinfrastrutura nacional, custeada com recursos do FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento de Ciências e Tecnologia).

Ao todo, serão mais de R$ 335 milhões para que as empresas brasileiras possam ampliar o domínio tecnológico na cadeia produtiva das renováveis, com foco especial energia solar, termossolar e eólica. 

“Temos também dentro da missão de transição energética alguns programas, sendo o primeiro deles o Energias da Amazônia, que tem o foco de descarbonizar os sistemas isolados, na qual a maior parte dessa geração é feita à diesel”, disse ele.

“Então, a descarbonização viria fazendo sistemas isolados solar com sistemas híbridos, em especial associados com armazenamento, que é uma das áreas que o Governo acredita que tem um potencial enorme de crescimento”, ressaltou o secretário.  

Outra novidade enfatizada por ele foi com relação ao PADIS (Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores). Maluf explica que o programa foi ampliado para a inclusão de novos componentes e dispositivos de semicondutores.

Adalberto Maluf, secretário do MMA. Foto: Canal Solar

“Esse é um pleito muito antigo de toda a indústria de resolver um pouco da distorção que existia. Quem importava direto tinha REIDI e não pagava PIS/COFINS, já que quem fabricava localmente comprava alguns desses insumos com PIS/COFINS (…) Prevê-se mais 2.1 bilhões para as renúncias fiscais que serão feitas dentro do programa”, destacou o secretário.

O profissional comentou ainda durante a entrevista que o Brasil também ampliou o prazo desses incentivos para dezembro de 2026 e também outras ações diretas e indiretas para atrair investimentos na fabricação de chips, projetos, matérias-primas e insumos. 

“Essa é uma das áreas que o Governo pretende focar e a grande meta é trazer a produção de células (fotovoltaicas) para cá. Então, hoje várias áreas do Governo estão juntas tentando viabilizar isso”, garantiu. 

Outro item dentro do eixo de contratações públicas citado por Maluf foi a iniciativa do Governo de colocar a energia solar nas obras do Minha Casa Minha Vida, medida essa aprovada pelos deputados e senadores no ano passado com a Lei 14.620/23.

“O Governo estima que o país pode ter pelo menos 2 GW de energia solar só no Minha Casa Minha Vida. E, pela primeira vez, exige conteúdo local e margem de preferência também na compra que está situada dentro do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento)”, comentou. 

Por fim, outra área que envolve o setor de energia solar citada pelo secretário é o desenvolvimento de pesquisa e financiamento, com linhas não reembolsáveis. Ou seja, recursos financeiros concedidos sem a exigência de uma devolução futura.

Esse tipo de financiamento é concedido às instituições científicas e tecnológicas nacionais, públicas ou privadas, sem fins lucrativos, para a execução de projetos de desenvolvimento científico e tecnológico, de infraestrutura de pesquisa, bem como de capacitação de recursos humanos. 

Os mecanismos e critérios para avaliação, habilitação e seleção dos projetos são definidos pela Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), segundo diretrizes e temas estratégicos definidos nas instâncias de deliberação relacionadas à origem dos recursos e tendo como parâmetros os planos e políticas do Governo Federal.

Os projetos podem ser realizados tanto por instituições isoladamente como em grupos ou em cooperação com empresas. “Vamos ter recursos não reembolsáveis para o desenvolvimento de componentes e equipamentos de renováveis com foco em solar, eólico e hidrogênio”, finalizou Maluf. 

Nova política industrial

A nova política industrial lançada nesta semana é destinada especificamente para seis áreas: agroindústria; bioeconomia; complexo industrial de saúde; infraestrutura, saneamento, moradia e mobilidade; transformação digital; e tecnologia de defesa.

A proposta foi construída ao longo do último semestre pelo CNDI (Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial), composto por membros de 23 ministérios e 50 representantes de setores produtivos. 

Durante a apresentação do novo plano, também foi informado que R$ 300 bilhões em financiamentos serão disponibilizados até o ano de 2026 e que o montante será gerido, sobretudo, pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico Social).


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.