26 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,8GW

PL 2703: próximos passos após aprovação na Câmara

É preciso entender que, para modificar a Lei 14.300, existem mais passos a serem tomados

Autor: 7 de dezembro de 2022Política
4 minutos de leitura
PL 2703: próximos passos após aprovação na Câmara

Com 260 votos a favor e 83 contra, o PL 2703/2022 foi aprovado nesta terça-feira (6) pela Câmara dos Deputados. Foto: Reprodução

A aprovação do PL 2703 na Câmara dos Deputados foi recebida com otimismo pelo setor solar, uma vez que pode alterar o prazo da Lei 14.300 e adiar para julho de 2023 as novas regras da geração distribuída fotovoltaica.

Apesar da aprovação na Câmara é preciso entender que existem mais passos a serem tomados antes de dar certo a prorrogação do prazo, afinal o PL precisa seguir o rito processual para, então, modificar a Lei 14.300.

Então, quais são os próximos passos?

Antes de entender o que virá, é necessário compreender o processo desde o início.

Câmara dos Deputados

O primeiro passo foi dado em 1 de novembro com a apresentação do PL 2703/2022 na Câmara pelo deputado Celso Russomanno.

O autor explicou ao Canal Solar que a motivação foi defender os consumidores que desejam gerar sua própria energia e que têm sido prejudicados por dificuldades impostas pelas distribuidoras.

Dias depois, em 7 de novembro, foi apresentado um requerimento de urgência para que a proposta tramitasse em regime de urgência.

O requerimento foi aprovado no dia 22 de novembro e o PL passou a tramitar em regime de urgência. O que significava que a proposta poderia ser pautada a qualquer momento nas sessões seguintes do Plenário da Câmara dos Deputados.

Com o requerimento aprovado, foi designado o deputado Beto Pereira como relator do texto.

Lembrando que a designação de um relator faz parte da tramitação de todos os projetos de leis. Neste caso, o autor do projeto PL 2703 é o deputado Celso Russomanno e o relator é o deputado Beto Pereira.

A função do relator é fazer uma leitura do texto apresentado pelo autor e elaborar um parecer. Este relatório é lido no plenário antes que seja iniciada a discussão e votação da proposta.

Com o relator designado e o relatório elaborado, é esperado que o PL seja colocado para discussão e votação na ordem do dia.

A Ordem do Dia é publicada pela Câmara antes do dia da sessão. Nela contém todos os itens que deverão ser apreciados. Importante ressaltar que  segundo o regimento interno, os primeiros itens a serem votados são os requerimentos e as matérias que constam na Ordem do Dia.

Ainda de acordo com o regimento interno da Câmara, projetos em regime de urgência têm preferência.

A primeira vez que o PL 2703 foi incluído  na Ordem do Dia foi em 23 de novembro. Porém, não foi discutido em Plenário. O mesmo aconteceu nos dias 29 e 30 de novembro e 1 de dezembro.

Então, depois de ser incluída quatro vezes na ordem do dia, a proposta foi finalmente apreciada pelos deputados no dia 6 de dezembro e, apesar de um requerimento pedindo a retirada da pauta, o projeto de lei foi aprovado por 260 votos favoráveis contra 83.

Senado Federal

Compreendido os passos já tomados, vamos saber quais serão os próximos.

Com a aprovação na Câmara dos Deputados, a proposta segue para o Senado Federal. Após o recebimento da proposta no Senado, há diversos caminhos, a depender das decisões tomadas pelos senadores.

Em um cenário em que os senadores analisam e aprovam o texto segue para sanção ou veto do presidente da República, que tem prazo de 15 dias úteis para sancionar ou vetar o projeto, no todo ou em partes.

Caso os senadores façam alterações, o texto retorna à Câmara dos Deputados, que analisa apenas as mudanças, optando por aceitá-las ou por recuperar o texto original aprovado pelos deputados. E em seguida, o texto é encaminhado para sanção do presidente, respeitando o prazo de 15 dias mencionado anteriormente.

Se o PL não for aprovado, a proposta é arquivada e a Lei 14.300 não sofre as alterações propostas pelo PL 2703.

Importante ressaltar que, devido ao recesso do Senado, é preciso que o PL 2703 seja votado até 22 de dezembro. Isso porque o recesso começa dia 23 e só acaba em fevereiro, quase um mês depois da data de início da Lei 14.300.

Sanção ou veto do presidente

Em um cenário que o presidente sancione o texto sem vetos, ele se torna Lei e é publicado no DOU (Diário Oficial da União).

Caso haja vetos, a parte sancionada se torna Lei e é publicada no DOU e os vetos voltam para análise do Congresso Nacional em uma sessão conjunta da Câmara e do Senado.

Se esses vetos forem mantidos, a Lei fica como foi sancionada. Se os vetos forem derrubados, os trechos passam a integrar a lei.

Ericka Araújo

Ericka Araújo

Head de jornalismo do Canal Solar. Apresentadora do Papo Solar. Desde 2020, acompanha o mercado fotovoltaico. Possui experiência em produção de podcast, programas de entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Em 2019, recebeu o Prêmio Jornalista Tropical 2019 pela SBMT e o Prêmio FEAC de Jornalismo.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.