21 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,4GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,5GW

Plano de transição energética para maior usina de carvão da Europa

Estudo da BNEF descreve como a planta pode substituir parte de sua geração de linhito por energia eólica e solar

Autor: 1 de novembro de 2022Mundo
6 minutos de leitura
Plano de transição energética para maior usina de carvão da Europa

Usina de carvão em Belchatow, na Polônia, a maior da Europa. Foto: Reprodução

Segundo relatório do grupo de pesquisa da BNEF (BloombergNEF), a maior usina de energia a carvão da Europa pode substituir a maior parte de sua geração de linhito por energias renováveis, ​​combinadas com baterias ou capacidade térmica de baixo carbono.

Essa transição, de acordo com a empresa, reduziria os custos gerais do sistema de energia na região de Łódź, da Polônia, onde a planta está localizada, mantendo a segurança energética crítica.

A central elétrica de Belchatow desempenha hoje um papel vital na rede energética da Europa Central e é a sexta maior planta a carvão do mundo.

Foi descoberto pela BNEF que a implantação de 11 GW de energia eólica e solar na região para substituir 80% da geração de carvão de Belchatow é possível do ponto de vista do uso do solo.

Alternativamente, apontaram que cerca de 6 GW da fonte eólica e fotovoltaica combinados com uma usina de gás, biomassa ou energia de resíduos podem atingir uma produção semelhante.

Recursos de linhito se esgotarão

Os recursos locais de linhito em Belchatow provavelmente se esgotarão até 2036, forçando a usina a fechar, afirmou a pesquisa. A guerra e uma crise de energia impulsionaram a demanda recente por carvão, mas as perspectivas de longo prazo para usinas de carvão e linhito na Europa permanecem “sombrias”.

A geração de linhito cai 75% em relação a 2021-2030 na Polônia, mesmo sob altos preços de gás sustentados, segundo o estudo. Belchatow fornece um quinto da eletricidade da Polônia e está no centro do sistema de energia e da segurança energética do país. “A transição bem-sucedida da usina a carvão de Belchatow pode servir de exemplo para regiões de carvão em todo o mundo”.

Importância das renováveis

“À medida que os efeitos das mudanças climáticas pioram, a crise energética da Europa e a invasão da Ucrânia pela Rússia apenas ressaltam a necessidade urgente dos países optarem por energia limpa e reduzir sua dependência de combustíveis fósseis”, destacou Michael R. Bloomberg, enviado especial do Secretário-Geral da ONU para Ambição e Soluções Climáticas e fundador da Bloomberg LP e Bloomberg Philanthropies.

“Este novo relatório mostra um caminho promissor para substituir a maior central elétrica a carvão da Europa por fontes de energia limpas alternativas e resilientes – e pode servir de exemplo para as regiões carboníferas da Europa e do mundo que procuram colher os benefícios econômicos e de saúde da fonte renovável”, disse.

Para Joanna Maćkowiak-Pandera, CEO do Forum Energii, a construção de novas fontes de baixa emissão na região de Bełchatów deve ser iniciada o mais rápido possível para manter a segurança do fornecimento de energia em alto nível e reduzir os preços da eletricidade.

“Os recursos de linhito em Belchatow são limitados no tempo e se esgotarão em breve. Este relatório propõe opções para substituir a geração por capacidade limpa que garantirá a segurança do abastecimento da Polônia”, ressaltou.

Já Felicia Aminoff, analista de transição energética da BNEF e principal autora do relatório, relatou que existem oportunidades significativas para investimentos renováveis ​​na região de Łódź .

“Belchatow poderia co-localizar a energia eólica e solar, reaproveitando a infraestrutura de rede existente. A BloombergNEF analisou os padrões climáticos históricos e descobriu que ambas as fontes na região geralmente geram em momentos diferentes, complementando-se”, explicou.

A BNEF também constatou que pouca nova capacidade de geração está planejada atualmente para a região de Łódź. Os projetos solares de 600 MW e eólicos de 100 MW anunciados pela PGE, proprietária de Belchatow, substituiriam apenas 4% da geração de linhito da usina em 2021.

“A atual falta de planos de transição para substituir o linhito coloca a segurança energética da Polônia em risco e pode fazer com que a infraestrutura de rede valiosa em torno de Belchatow fique presa”, comentou Felicia.

Alternativas para substituição do linhito

A análise da BNEF apresentou várias alternativas para substituir o declínio na geração de linhito em Belchatow ao lado da eólica e solar fotovoltaica, incluindo usinas térmicas como gás, biomassa ou resíduos para energia.

No entanto, a disponibilidade e o preço do combustível limitaram o tamanho viável das usinas térmicas. Enquanto a Polônia está expandindo sua capacidade de importação de gás natural liquefeito para compensar as importações perdidas da Rússia, garantir investimentos para um novo gasoduto para Belchatow pode ser um desafio no atual ambiente de mercado.

É improvável, na visão da empresa, que a energia nuclear substitua a geração de linhito perdido a tempo, pois a nova capacidade geralmente leva mais de 10 anos para planejar e construir.

Planos concretos para se preparar para a aposentadoria de Belchatow e acelerar a implantação de nova capacidade de baixo carbono podem abrir as portas para que a usina se beneficie do financiamento da transição da UE.

“A Polônia tem potencial para receber cerca de 3,5 bilhões de euros para apoiar a transição de cinco de suas regiões do carvão até 2030. Esses fundos podem ajudar a região de Łódź com esforços direcionados de requalificação e novas oportunidades de desenvolvimento econômico, e reduzir o impacto da perda de empregos após a mineração de linhito e queda de geração”, apontou a pesquisa.

“Novos projetos de eletricidade limpa podem impulsionar a economia local e permitir que a região continue desempenhando um papel fundamental na produção de energia polonesa e na economia do país”, concluíram.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.