19 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,4GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,5GW

Procel: ações de eficiência energética evitam custo de R$ 4,1 bi em 2022

No total, foram economizados 22,20 bilhões de kWh, correspondente a 4,5% do consumo total de eletricidade do Brasil

Autor: 7 de junho de 2023Setor Elétrico
3 minutos de leitura
Procel: ações de eficiência energética evitam custo de R$ 4,1 bi em 2022

Eficiência energética é um conceito que visa produzir mais com o menor gasto energético, mas sem comprometer a qualidade do serviço. Foto: Pixabay

Em 2022, as ações do Procel (Programa de Conservação de Energia Elétrica) resultaram em uma economia de R$ 22,20 bilhões de kWh, equivalente ao abastecimento de uma cidade de 11,16 milhões de residências durante um ano, segundo relatório divulgado na última terça-feira (06).

Esse montante representou uma economia de energia correspondente a 4,5% do consumo total de eletricidade do Brasil no ano passado, evitando um custo de R$ 4,14 bilhão. Dessa forma, as ações impediram a emissão de 942 mil toneladas de gás carbônico ou o mesmo que as emissões de 323 mil veículos por ano.

Leia também

Programa busca aumentar eficiência energética da indústria

As principais ações de eficiência energética do programa são: Procel Reluz (investimentos em modernização da iluminação pública), Procel Educação (ações em escolas sobre consciência ambiental) e o Selo Procel (selo de eficiência de equipamentos eletroeletrônicos).

Por meio do Procel Reluz, sistemas de iluminação pública são instalados nos municípios, com economia financeira para as prefeituras e aumento da segurança para a população. No Procel Educação, a temática da eficiência energética é apresentada para diversas faixas etárias, tendo como foco não apenas os contextos escolares, mas também o cotidiano dos alunos.

O Selo Procel fornece insumos para que a compra dos equipamentos seja feita não somente pelo preço do produto, mas pela sua eficiência energética, o que influencia diretamente no custo mensal da conta da energia elétrica.

ad hoymiles

No setor da indústria o Procel está presente através de ações que promovem o uso eficiente da energia, reduzindo custos financeiros e ambientais. Essas ações se concretizaram em 2022 por meio do programa Aliança 2.0 e do projeto de sistemas termossolares para indústrias de bebidas.

No âmbito do fomento de projetos em eficiência energética, há o programa FGEnergia, em parceria com o BNDES, que oferece garantia financeira a micro, pequenas e médias empresas para a contratação de financiamento de seus projetos.

O Procel é um programa que visa incentivar o uso racional de energia elétrica e foi instituído em 1985 pelos ministérios de Minas e Energia e da Indústria e Comércio. Após 37 anos sob gestão estatal, neste mês a Eletrobras transferiu a secretaria executiva do programa para Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBPar), conforme preconizado na Lei 14.182/21.

“O MME, como coordenador do Grupo Coordenador de Conservação de Energia Elétrica (GCCE) e presidente do Comitê Gestor de Eficiência Energética (CGEE), instâncias de governança do Programa, tem acompanhado e apoiado este processo, buscando manter a conexão entre as partes interessadas, e atuando para assegurar o seu alinhamento às normas e diretrizes governamentais, com foco na continuidade do bom desempenho do programa”, diz o MME em nota.

Wagner Freire

Wagner Freire

Wagner Freire é jornalista graduado pela FMU. Atuou como repórter no Jornal da Energia, Canal Energia e Agência Estado. Cobre o setor elétrico desde 2011. Possui experiência na cobertura de eventos, como leilões de energia, convenções, palestras, feiras, congressos e seminários.

Um comentário

  • Cássio Facio disse:

    A eficiência energética é nota 10. Eu acredito que gerar a própria energia é ainda muito, mas muito mesmo, mais eficiente que qualquer programa de eficiência. É nota 1000. Gerar a própria energia traz muito mais benefícios que a eficiência energética. O problema é que ainda temos que pagar o uso da rede para que os pobres não paguem a energia dos ricos que geram. Deixo algumas perguntas: Por que a eficiência não paga um subsídio para os pobres também? Por que não existem financiamentos do BNDS para que quer produzir mais energia e melhorar ainda mais todos os benefícios para a população, para o país e para o planeta? Por que esses benefícios ainda não foram valorados pelos orgãos competentes? Acredito que não seja interessante que o consumidor cativo se liberte. Hora de iniciar a instalação e atualização de sistemas de geração fotovoltaica já existentes em sistema híbridos, ou até mesmo isolados.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.