23 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,4GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,6GW

Ranking mostra as principais fabricantes de módulos de 2023

Jinko, Longi, Trina e JA Solar continuaram nas primeiras posições, onde se encontram desde 2019

Autor: 1 de março de 2024março 4th, 2024Mundo
4 minutos de leitura
Ranking mostra as principais fabricantes de módulos de 2023

Fabricação de um módulo fotovoltaico. Foto: Freepik/Reprodução

A InfoLink Consulting divulgou o ranking das principais empresas fabricantes de módulos em termos de envios em 2023. Além de trazer os destaques do ano de 2023 no mercado de módulos fotovoltaicos. Segundo a consultoria, a demanda no mercado solar permaneceu em alta em 2023. O volume de envios de painéis fotovoltaicos cresceu 78% em relação a 2022.

As principais companhias permaneceram no topo, mas houve mudanças entre as outras empresas. De acordo com a consultoria, empresas com uma diferença de até 5% no volume de envios ficaram empatadas.

Ranking módulos 2023

Imagem: InfoLink Consulting/Reprodução

Jinko, Longi, Trina e JA Solar se mantiveram nas quatro primeiras posições, como estão desde 2019. Essas empresas têm aumentado a distância para as demais, a vantagem em 2022 era de 20 GW. Já em 2023 a diferença aumentou para 30 GW.

De acordo com a consultoria, essas quatro fabricantes são responsáveis por cerca de 60% do mercado, entre as que estão ranqueadas.

Pontos notáveis

Jinko: Se beneficiaram ao optarem cedo pela tecnologia N-type. Tiveram um alto volume no primeiro semestre, crescendo 74% em relação ao ano anterior e voltaram ao primeiro lugar.

Longi: Com uma performance estável, continuaram em segundo lugar apesar de um crescimento anual de 48%, um pouco menor se comparado às principais fabricantes.

Trina: Empatado em segundo lugar com a Longi, a empresa cresceu 55% no último ano.

JA Solar: Mantendo sua estabilidade, e a um bom tempo no topo, a companhia cresceu 46% em 2023.

Tongwei: A única fabricante a entrar nos rankings tanto de módulos quanto de células. O crescimento foi de 262%.

Canadian Solar: A empresa tem obtido um bom posicionamento há mais de cinco anos.

Astronergy: O crescimento anual foi de 108%, com um aumento notável no mercado interno. Além disso, a companhia teve o segundo maior número de envios da tecnologia N-type.

Risen: Apesar de um crescimento desacelerado no ano, foi a única fabricante da lista que fez entregas de módulos N-type TOPCon e HJT.

DAS Solar: Após chegar perto do top-10 em 2022, a empresa alcançou o nono lugar em 2023.

First Solar: A única fabricante de fora da China. Desde a entrada na lista em 2020, a companhia manteve um volume de, no mínimo, 6 a 9 GW por ano. Seu crescimento deve chegar a 29% neste ano.

GCL: Após sair da lista em 2019, a GCL voltou após apresentar um crescimento anual de 494%, o maior da lista.

Yingli: Uma marca mais antiga, que vinha focando no mercado interno e explorando oportunidades internacionalmente. De acordo com a consultoria, eles conseguiram uma posição de destaque nos leilões na China no último ano, com um aumento maior que 100% em 2023.

DMEGC: A fabricante tem focado no mercado de GD Solar europeu, e teve um crescimento anual de 134%.

Crescimento do mercado interno Chinês

Com a exceção da First Solar, a quantidade de envios para o mercado internacional caiu de cerca de 50% a 55% para 40% a 45%.

Metas para 2024

Olhando para o futuro, o total de entregas deve chegar a 700 GW, tendo como base as metas das empresas na lista. Produtos de novas tecnologias devem representar pelo menos 70%, podendo chegar até a faixa de 90 a 100%.

A InfoLink projeta um aumento de 11% no aumento de demanda de módulos, cerca de 460 GW a 519 GW.


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Frederico Tapia

Frederico Tapia

Estudante de jornalismo pela UNESP do campus de Bauru. Possui experiência em produção de matérias jornalísticas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.