4 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Renováveis devem cobrir quase toda a alta da demanda de energia até 2025

Economias emergentes e em desenvolvimento na Ásia são as forças motrizes por trás desse ritmo, aponta IEA

Autor: 8 de fevereiro de 2023Indicadores
6 minutos de leitura
Renováveis devem cobrir quase toda a alta da demanda de energia até 2025

EA destaca a necessidade de implantação acelerada de tecnologias de energia limpa. Foto: Reprodução

As energias renováveis ​​devem cobrir quase todo o crescimento da oferta de eletricidade nos próximos três anos, pois, juntamente com a energia nuclear, atendem à grande maioria do aumento da demanda global até 2025, tornando improvável ​​aumentos significativos nas emissões de carbono do setor energético.

Essa é a análise do novo relatório da IEA (Agência Internacional de Energia). Depois de desacelerar ligeiramente no ano passado para 2% em meio à turbulência da crise global de energia e condições climáticas excepcionais em algumas regiões, espera-se que o crescimento da demanda acelere para uma média de 3% nos próximos três anos.

De acordo com o estudo, as economias emergentes e em desenvolvimento na Ásia são as forças motrizes por trás desse ritmo mais rápido, que representa um avanço em relação ao crescimento médio de 2,4% durante os anos anteriores à pandemia.

Espera-se que mais de 70% do aumento na demanda global de eletricidade nos próximos três anos venha da China, Índia e Sudeste Asiático, embora ainda existam incertezas consideráveis ​​sobre as tendências na China, à medida que sua economia emerge das rígidas restrições da Covid-19.

Prevê-se que a participação da China no consumo global aumente para um novo recorde de um terço até 2025, ante um quarto em 2015. Ao mesmo tempo, as economias avançadas estão buscando expandir o uso de eletricidade para substituir os combustíveis fósseis em setores como como transporte, aquecimento e indústria.

“A crescente demanda mundial por eletricidade deve acelerar, adicionando mais do que o dobro do consumo atual de eletricidade do Japão nos próximos três anos”, disse Fatih Birol, diretor executivo da IEA.

“A boa notícia é que as energias renováveis ​​e nucleares estão crescendo rápido o suficiente para atender a quase todo esse apetite adicional, sugerindo que estamos perto de um ponto de inflexão para as emissões do setor de energia”, apontou.

Na visão dele, os governos agora precisam permitir que as fontes de baixas emissões cresçam ainda mais rapidamente e reduzam as emissões para que o mundo possa garantir o fornecimento seguro de eletricidade enquanto atinge as metas climáticas.

Embora a geração de energia a gás natural na União Europeia deva cair nos próximos anos, com base nas tendências atuais, uma alta significativa no Oriente Médio deve compensar parcialmente essa queda.

Os picos acentuados nos preços do gás natural em meio à crise energética, por sua vez, alimentaram o aumento dos preços da eletricidade em alguns mercados, especialmente na Europa, provocando debates nos círculos políticos sobre as reformas no projeto do mercado de energia.

Enquanto isso, os declínios esperados na geração a carvão na Europa e nas Américas provavelmente serão acompanhados por um aumento na região da Ásia-Pacífico, apesar do aumento na implantação de energia nuclear e no reinício de usinas em alguns países, como o Japão.

Segundo a IEA, isso significa que, depois de atingir um recorde histórico em 2022, as emissões de dióxido de carbono (CO2) da geração global de energia devem permanecer no mesmo nível até 2025.

Perda de receita devido à sujeira no módulo deve chegar a quase R$ 40 bi

Outros dados

O forte crescimento das renováveis ​​significa que sua participação no mix global de geração de energia deve aumentar de 29% em 2022 para 35% em 2025, com a queda da participação da geração a carvão e gás.

Como resultado, a intensidade de CO2 da geração global de energia continuará diminuindo nos próximos anos. A Europa resistiu a essa tendência global no ano passado, no entanto.

Para a Agência, a intensidade de CO2 da geração de eletricidade da Europa aumentou como resultado do maior uso de carvão e gás em meio a quedas acentuadas na produção de energia hidrelétrica, devido à seca e energia nuclear, devido ao fechamento e manutenção de usinas.

Entretanto, a pesquisa enfatizou que esse revés será temporário, pois as emissões de geração de energia da Europa devem diminuir em média cerca de 10% ao ano até 2025.

Tendências de demanda de energia

As tendências de demanda de eletricidade variaram amplamente por região em 2022. O consumo da Índia aumentou fortemente, enquanto o crescimento da China foi mais moderado devido à sua política de Covid-0 pesando na atividade econômica.
Os Estados Unidos, por exemplo, registraram um aumento robusto na demanda, impulsionado pela atividade econômica e maior uso residencial em meio a um verão mais quente e um inverno mais frio do que o normal.

Segundo o estudo, a demanda na União Européia se contraiu devido ao inverno excepcionalmente ameno e uma queda no consumo de eletricidade no setor industrial, que reduziu significativamente a produção devido aos altos preços da energia e interrupções no fornecimento causadas pela invasão russa da Ucrânia.

A queda de 3,5% na demanda da UE foi a segunda maior queda percentual desde a crise financeira global em 2009, sendo a maior a contração excepcional devido ao choque da Covid em 2020.

Descarbonização precisa acelerar

O novo relatório da IEA observou ainda que a demanda e o fornecimento de eletricidade em todo o mundo estão se tornando cada vez mais dependentes do clima, com condições extremas sendo um tema recorrente em 2022. Além da seca na Europa, houve ondas de calor na Índia, resultando no maior pico de demanda de energia do país.

Da mesma forma, as regiões central e oriental da China foram atingidas por ondas de calor e secas, o que fez com que a demanda por ar-condicionado aumentasse em meio à redução da geração hidrelétrica na província de Sichuan. Os Estados Unidos também viram fortes tempestades de inverno em dezembro, provocando grandes interrupções de energia.

Portanto, a IEA destacou a necessidade de descarbonização mais rápida e implantação acelerada de tecnologias de energia limpa. Ao mesmo tempo, à medida que a transição para energia limpa ganha ritmo, o impacto dos eventos climáticos na demanda de eletricidade se intensificará devido ao crescimento da eletrificação do aquecimento, enquanto a parcela de renováveis ​​dependentes do clima continuará a crescer no mix de geração.

“Nesse mundo, será crucial aumentar a flexibilidade dos sistemas de energia, garantindo a segurança do fornecimento e a resiliência das redes”, concluiu a Agência Internacional de Energia.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.