1 de março de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,28GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 4,88 GW

Responsabilidade nos projetos de energia solar fotovoltaica

Toda instalação elétrica tem um risco associado, seja ela de alta, média ou baixa tensão

Autor: 28 de julho de 2020janeiro 19th, 2021Opinião
Responsabilidade nos projetos de energia solar fotovoltaica

A partir da REN 482 (Resolução Normativa n.º 482 de 2012) da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), os consumidores de eletricidade obtiveram o direito de produzir a energia que consomem, não sendo permitido vendê-la a terceiros.

Essa possibilidade levou à necessidade de um termo para definir uma nova personalidade: quem produz e consome a sua energia elétrica.

Daí surgiu o termo “prosumidor”, um neologismo adaptado do seu congênere em inglês prosumer, criado pelo escritor norte americano Alvin Toffler para indicar o novo papel do consumidor na sociedade pós-moderna.

Embora a GD (geração distribuída), que emprega geradores no local de consumo, ou próximo, envolva várias fontes de energia, inegavelmente se destacou entre elas a geração solar fotovoltaica, disseminando-se assim no Brasil os sistemas fotovoltaicos conectados à rede, também conhecidos com on-grid ou grid-tie.

Essa realidade não se deveu ao acaso, ou destino, sendo fruto do empreendedorismo de inúmeros profissionais, a maioria da área elétrica, que perceberam na energia solar fotovoltaica a possibilidade de:

  1. Aumentar a participação de fontes renováveis na geração de energia elétrica no Brasil;
  2. Permitir maior autonomia dos consumidores em relação às distribuidoras de energia elétrica;
  3. Criar um mercado disruptivo, onde a relação direta entre prestadores de serviço e consumidores consolidou uma cadeia de fornecimento extremamente dinâmica e eficiente.

Participação dos sistemas fotovoltaicos na GD

Devido ao ainda pequeno número de instalações – em tempos atuais menor que 1% dos consumidores geram a sua própria energia -, não sabemos se os prosumidores de energia elétrica vieram para ficar.

Ao contrário do que divulgam promotores e detratores da geração solar fotovoltaica, este é um jogo que ainda está sendo jogado, estando no início do primeiro tempo, e a questão da segurança dos sistemas fotovoltaicos terá um papel fundamental em seu resultado.

Toda instalação elétrica tem um risco associado, seja ela de alta, média ou baixa tensão. Para que esse risco seja aceitável, o país possui normas técnicas específicas que determinam as características principais de um sistema elétrico e seus componentes, assegurando assim padrões mínimos de segurança e desempenho, para que seus usuários, produtores e consumidores, possam obter dele o maior benefício possível.

Como isso é algo relativamente novo – a REN 482 não completou dez anos – as normas técnicas específicas sobre sistemas fotovoltaicos ainda estão sendo criadas.

Em 2019, foi publicada a ABNT NBR 16690:2019 – Instalações elétricas de arranjos fotovoltaicos – Requisitos de projeto, fundamental para o estabelecimento de uma base normativa sólida para esse segmento.

O que deve ser objeto de reflexão é de quem será a responsabilidade da aplicação dessas normas e pela garantia da segurança dos usuários das edificações onde existirem sistemas fotovoltaicos.

Dos prosumidores, já que eles serão produtores? Parece claro que os prosumidores, na maioria das vezes, serão pessoas leigas em eletricidade e assim continuarão sendo.

Neste caso, a responsabilidade pela segurança dos sistemas fotovoltaicos será dos profissionais da sua cadeia de fornecimento, até porque são os principais interessados em que ela prospere.

Assim deve funcionar uma sociedade desenvolvida. Atribuindo responsabilidades e criando riquezas. Um prosumidor também é um produtor, mas assim como o dono de um hospital não é necessariamente um médico, o dono de um sistema fotovoltaico não necessita ser um engenheiro eletricista.

Caberá a ele, sem dúvida, a responsabilidade de contratar pessoas qualificadas, algo que os profissionais da área de energia fotovoltaica poderão contribuir através da divulgação do conhecimento, para prosumidores, mas principalmente entre os seus colegas de atividade.

Referências

 

Sergio Roberto Santos

Sergio Roberto Santos

Engenheiro Eletricista na Lambda Consultoria. Experiência como engenheiro de instalações elétricas e em indústrias como vendedor técnico e engenheiro de vendas.

Comentar

Opinião

O que esperar para o setor solar em 2021?

Não haveria luz se não fosse a escuridão. A frase de Lulu Santos é da década de 1980 e ilustra muito bem o nosso 2020. Começamos o ano sob a sombra das incertezas político-econômicas, mas experiência é para isso. Enquanto a gente consegue enxergar, não para de caminhar. Pensando assim, a Aldo Solar iniciou 2020 reforçando os laços com os maiores fornecedores mundiais para continuar a oferecer o que há de melhor no mundo em equipamentos, tecnologia e uso de energia solar. Apesar da pouca claridade, nosso “norte” já está estabelecido: incentivar cada vez mais o ato de produzir energia…
22 de dezembro de 2020
Opinião

Como a energia solar deve se tornar um diferencial competitivo nas indústrias?

A história das organizações tem nos mostrado, através do tempo, o quão importante é a gestão de custos para que determinada empresa possa, além de sobreviver, mostrar-se competitiva e estabelecer diferenciais em relação aos seus concorrentes. Não importa se você é adepto de teorias mais clássicas de administração como as de Fayol ou Taylor, ou se está familiarizado e aplica o que há de mais novo na gestão, como as teorias de oceano azul e vermelho, organizações exponenciais e design thinking. Um ponto em comum de qualquer uma dessas teorias é: assim como as nossas unhas precisam ser cortadas constantemente,…
29 de outubro de 2020
Opinião

Código Brasileiro de Energia Elétrica: o que esperar para a GD?

Nosso país possui uma série de leis, decretos, portarias e medidas provisórias que regulamentam o setor elétrico brasileiro. Hoje, qualquer pessoa que  se disponha a entender, ou pelo menos a começar a entender um pouco da complexidade deste segmento, enfrenta algumas dificuldades iniciais. Como responsável pela setor de Regulação da Bluesun do Brasil, destaco que o primeiro entrave está no fato de que a legislação não se encontra compilada. Em decorrência disso, mais árdua se torna a tarefa de descobrir as normas que regem o setor. Sem dúvida, esses dois pontos dificultam em muito o estudo, a consulta e a…
19 de outubro de 2020
Opinião

Como a Lei Geral de Proteção de Dados vai impactar o marketing digital?

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), sancionada em 14 de agosto de 2018, passou a vigorar a partir de 18 de setembro de 2020 e causará impactos em empresas de diversos setores, incluindo o marketing, que tem os dados como a principal fonte de análise para compreender a efetividade das estratégias traçadas. Para que a lei pudesse passar a valer, era necessário a criação, por parte do Governo Federal, de um órgão regulador – a ANPD (Agência Nacional de Proteção de Dados) –, que se deu em 27 de agosto de 2020, quando o Senado aprovou a Medida…
5 de outubro de 2020
Opinião

Banco Mundial divulga dados do potencial da energia solar na América Latina

Muito ainda precisa ser feito quando o assunto é explorar o potencial de energia solar fotovoltaica na América Latina, apesar do crescimento do setor na região. Está claro que há muito trabalho por fazer e que, com o apoio massivo dos governos e de todos os segmentos da sociedade, o desenvolvimento traria incontáveis benefícios. Alguns números relevantes foram divulgados pelo Banco Mundial, que vale a pena conferir nesse post. Ferramenta mede potencial de produção de energia solar Um relatório divulgado pelo Banco Mundial revela que um quinto da população do planeta distribui-se entre 70 países com alto potencial para exploração…
29 de setembro de 2020
Opinião

Manutenção dos incentivos no ICMS para solar em MG

Com a publicação da REN 482 (Resolução Normativa 482/2012) da ANEEL, desde 17 de abril de 2012 restou estabelecida a possibilidade de o consumidor cativo gerar sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis ou cogeração qualificada, e fornecer o excedente para a rede de distribuição de sua localidade – trata-se da micro e minigeração distribuídas de energia elétrica, inovações que aliam economia financeira, consciência socioambiental e autossustentabilidade. Sob esse aspecto, destaca-se que a energia elétrica proveniente de unidades micro ou minigeradoras distribuídas não se enquadra na hipótese de incidência constitucionalmente prevista para o ICMS (Imposto sobre Circulação de…
10 de setembro de 2020