Sistemas FV flutuantes em hidrelétricas podem adicionar 7,6 TW ao mundo

Calculo que o mercado de UFF (usinas fotovoltaicas flutuantes), nos próximos 10, 15 anos, deve superar as instalações em solo
Sistemas FV flutuantes em hidrelétricas podem adicionar 7,6 TW ao mundo

Aproveitar reservatórios de usinas hidrelétricas para instalar sistemas solares flutuantes pode agregar 7,6 TW de capacidade de energia por ano ao mundo. É o que apontou um estudo realizado pelo NREL (Laboratório Nacional de Energia Renovável do Departamento de Energia dos Estados Unidos).

“Isso é realmente otimista”, disse Nathan Lee, pesquisador do grupo de Apoio à Decisão Integrado do NREL e autor principal de um novo artigo publicado na revista Renewable Energy.

No entanto, de acordo com o especialista, isso não representa o que poderia ser economicamente viável ou o que os mercados poderiam realmente suportar. “Éuma estimativa do limite superior de recursos viáveis ​​que considera as restrições do corpo d’água e o desempenho do sistema de geração”, explicou Lee.

Segundo o NREL, existem 379.068 reservatórios de energia hidrelétrica de água doce em todo o planeta que poderiam hospedar sistemas fotovoltaicos flutuantes combinados com instalações hidrelétricas.

Os pesquisadores, porém, ressaltam que dados adicionais de localização são necessários antes de qualquer implementação, porque alguns reservatórios podem estar secos durante partes do ano ou podem não ser propícios para os painéis.

Outros benefícios

Para os cientistas do NREL, um sistema híbrido, por exemplo, reduziria os custos de transmissão ao se conectar a uma subestação comum. Além disso, as duas tecnologias podem se equilibrar.

De acordo com eles, o maior potencial para a energia solar é durante a estação seca, enquanto para a energia hidrelétrica as estações chuvosas apresentam a melhor oportunidade. Em um cenário, isso significa que os operadores de um sistema híbrido podem usar energia hidrelétrica de armazenamento bombeado para armazenar o excesso de geração fotovoltaica.

‘Usinas fotovoltaicas flutuantes vão dominar o mercado’

“Calculo que o mercado de UFF (usinas fotovoltaicas flutuantes), nos próximos 10, 15 anos, deve superar as instalações em solo”. Essa é a previsão do engenheiro eletricista José Teixeira, especialista em FVF.

Segundo Teixeira, esse domínio irá acontecer pois esses sistemas solares apresentam algumas características que os colocam em vantagem com relação às usinas em terra. “A principal vantagem é que as UFFs tornam a operação do painel fotovoltaico mais fria, aumentando a eficiência na geração energética. Quando você eleva o sistema para cima d’água já tem o benefício enorme da refrigeração natural que isso proporciona”, explicou.

Governo do TO instalará usina FV flutuante

O estado de Tocantis está planejando a instalação de usina fotovoltaica flutuante para atender produtores rurais.

O projeto está sendo realizado pela Seagro (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Aquicultura), o Ruraltins (Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins) e a empresa LM.

Governo de SP abre inscrições para sistemas fotovoltaicos flutuantes

O governo do estado de São Paulo, por meio da Emae (Empresa Metropolitana de Águas e Energia), abriu uma chamada pública para a escolha de empresas interessadas em instalar empreendimentos fotovoltaicos flutuantes no reservatório Billings, na capital paulista.

Os participantes deverão apresentar documentos técnicos, financeiros e ambientais previstos no edital. As inscrições devem ser feitas até 9 de dezembro.

Imagem de Mateus Badra
Mateus Badra
Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal